Conheça alguns dos jardins mais belos do mundo

Seja pela variedade de espécies, pelo projeto paisagístico ou pela interação com a cidade e as pessoas, determinados jardins públicos viram referência para paisagistas e amantes da natureza. Caso do Jardim Botânico do Rio de Janeiro, com sua alameda de palmeiras imperiais, plantadas a pedido de D. João VI, em 1808.

As mais de 10 mil espécies vegetais encontradas no jardim estão distribuídas em 200 canteiros e quatro lagos, além das estufas do orquidário, do bromeliário e do cactário. Algumas variedades ocupam espaços temáticos, como os jardins medicinal, sensorial e bíblico.

Os maiores destaques são as árvores nativas como o ipê, a seringueira, a andiroba, o jequitibá e o pau-brasil. “A alameda de pau-mulato também é inesquecível”, afirma o paisagista Alexandre Furcolin, que ajudou a elencar outros destinos imperdíveis pelo mundo.

O paisagista Danilo Salerno destaca, além do parque carioca, os jardins projetados por Roberto Burle Marx, como o do Itamaraty. “Ele tem uma proporção muito agradável e ótimas soluções, como a laje suspensa em que pedras fazem uma bela composição com bromélias”, diz.

O projeto mostra bem o estilo de Burle Marx, que gostava de associar plantas tropicais a texturas. “Seu trabalho é referência, pois ele soube combinar elementos escultóricos, murais, materiais de demolição e uma rica representação das espécies brasileiras”, afirma o paisagista Marcos Bertoldi.

História viva na África

O Kirstenbosch Botanical Garden, na África do Sul, conta apenas com espécies nativas
Getty Images
O Kirstenbosch Botanical Garden, na África do Sul, conta apenas com espécies nativas
No país da Copa do Mundo, mais especificamente na Cidade do Cabo, imperdível também é o Kirstenbosch Botanical Garden, fundado em 1913 apenas com espécies nativas para preservar a diversidade da flora da África do Sul.

“Ali está a mais completa coleção de cicas, uma espécie que, na evolução vegetal, é considerada um dinossauro vivo”, afirma Furcolin.

A grandiosidade de Le Nôtre

O que mais impressiona nos jardins de Versalhes são os desenhos formados pelas plantas
Getty Images
O que mais impressiona nos jardins de Versalhes são os desenhos formados pelas plantas

Mas o mais famoso jardim do mundo é, sem dúvida, o do Palácio de Versalhes, nas proximidades de Paris. Projetado entre 1661 e 1700 por um dos maiores paisagistas da história da França, André Le Nôtre, o local é um dos pontos turísticos mais visitados.

O que mais impressiona em Versalhes, que tem 815 hectares de área, são os desenhos formados pelas plantas, que se distribuem em uma obra de arte monumental. Uma imensa passarela gramada é decorada por estátuas e vasos e conduz os visitantes aos bosques onde o rei Luis XIV gostava de caçar.

Le Nôtre também imprimiu o estilo formal tipicamente francês ao Jardim das Tulherias, na capital do país. Para Alexandre Furcolin, é o conjunto da obra, com as passarelas, esculturas e fontes em frente ao palácio que impressiona. “Isso sem falar da atmosfera de Paris. Ali, bem no final da movimentada Avenida Champs Elysées, está um jardim cuidadosamente planejado e super tranquilo, onde as pessoas ficam horas e horas.”

Influência pelo mundo

O imponente estilo francês ganhou inúmeros adeptos e hoje é possível ver sua influência em cidades de todo o mundo, incluindo os jardins do Parque da Independência, em frente ao Museu do Ipiranga, em São Paulo.

O Castelo de Frederiksborg, na Dinamarca, também conta com um jardim em estilo francês
Divulgação
O Castelo de Frederiksborg, na Dinamarca, também conta com um jardim em estilo francês

O deslumbrante Castelo de Frederiksborg, na Dinamarca, também conta com um jardim inspirado na escola francesa. Simétrico, ele foi estruturado em torno de um eixo central formado por um canal e é cortado por avenidas que tornam o lugar muito agradável para caminhadas.

O amplo jardim do Palácio de Schönbrunn, em Viena, na Áustria, também entra no rol de megajardins baseados nos franceses. O local simboliza o poder da família Habsburgo, que comandou a Europa durante séculos.

Entre seus destaques, estão um labirinto de plantas e uma fonte com esculturas clássicas e flores coloridas que compõem belos desenhos. Isso sem falar da Gloriette, monumento em estilo neoclássico erguido no topo de uma colina à frente do palácio, de onde se tem a mais bela vista do jardim e de grande parte da cidade.

Herança árabe

Rosas pinheiros e buxinhos são algumas das espécies que se vê em Alhambra, na Espanha
Divulgação
Rosas pinheiros e buxinhos são algumas das espécies que se vê em Alhambra, na Espanha

Ainda na Europa, não deixe de visitar o complexo de palácios da Alhambra, na cidade de Granada, na Espanha. Com seus arabescos, mosaicos de pedras e azulejos pintados, seus jardins são provas claras de que a cultura árabe ainda é forte por lá. “Os palácios foram construídos entre os séculos XIII e XIV, mas tudo me pareceu muito moderno”, conta Gigi Botelho.

Dos jardins de rosas, pinheiros e buxinhos, cortados por um canal de oito quilômetros de extensão, que abastece inúmeros tanques, cascatas e fontes, a paisagista já aproveitou várias dicas. “Há muitas formas de uso para um mesmo material”, diz ela, que destaca também a forte presença da água no local. “Todo cantinho de Alhambra tem uma fonte.”

Terra das tulipas

O jardim de Keukenhof , projetado em 1830, é um dos lugares mais visitados da Holanda
Divulgação
O jardim de Keukenhof , projetado em 1830, é um dos lugares mais visitados da Holanda

Na Holanda são as mais de 4,5 milhões de tulipas de Keukenhof que fazem valer a viagem de quase uma hora, partindo de Amsterdam. Em estilo inglês, o jardim de 32 hectares projetado em 1830 é uma das mais conhecidas paisagens do país. Recortado por 15 quilômetros de trilhas, conta com flores de mais de 100 cores diferentes.

Mix de culturas

Pontes, pedras e cascatas marcam a paisagem do Portland Japanese Garden
Divulgação
Pontes, pedras e cascatas marcam a paisagem do Portland Japanese Garden

De volta à América, o Portland Japanese Garden, no estado do Oregon, faz um verdadeiro convite aos sentidos. Dividido em cinco jardins igualmente encantadores, o local combina elementos típicos dos jardins japoneses – pedras, pontes e cascatas, além das delicadas cerejeiras – de diferentes e encantadoras formas, tornando-se um passeio imperdível.

Serviço

Alhambra
Camino Viejo Del Cementerio – Granada, Espanha
Tel: (34) 902-441-221
Ingresso: € 6 (R$ 13,27)

Castelo de Frederiksborg
Rendelaggerbakken, 3 - Hillerod, Dinamarca
Tel: (48) 26-04-39
Ingresso: DKK 60 (R$ 17,80)

Itamaraty
Esplanada dos Ministérios - Bloco H -Brasília/DF
Entrada gratuita

Jardim Botânico do Rio de Janeiro
Rua Jardim Botânico, 1008 – Rio de Janeiro (RJ)
Tel: (21) 3874-1808
Ingresso: R$ 5,00

Jardim das Tulherias
Entre o Museu do Louvre e a Placa de La Concorde – Paris, França
Entrada gratuita

Keukenhof
Stationsweg 166a 2161, AM LISSE – Holanda
Tel: 31 (0) 252 465 555
Ingresso: € 14,50 (R$ 32,00)

Kirstenbosch Botanical Garden
Rhodes Drive, Newlands – Cidade do Cabo, África do Sul
Tel: (27) 21-799-8800
Ingresso: R 35 (R$ 8,20)

Palácio de Schönbrunn
Schönbrunner Schlossstrasse, 47 – Viena, Áustria
Tel: (43) 1-811-13-239
Ingresso: € 9,50 (R$ 21,00)

Palácio de Versalhes
Place d'Armes - Versailles, França
Tel: (33) 01-30-83-78-00
Ingresso: 18 € (R$ 39,80)

Parque da Independência
Av. Nazareth, s/n – São Paulo (SP)
Tel: (11) 2065-8000
Ingresso: R$ 6,00

Portland Japanese Garden
611 SW Kingston – Portland, Estados Unidos
Tel: (1) 503-223-1321
Ingresso: US$ 9,50 (R$ 21,00)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.