Esfoliar, hidratar e manter os pés limpos são cuidados essenciais; veja como deixar seus pezinhos impecáveis neste verão

Quando chega o verão, as mulheres não veem a hora de jogar as botas e os sapatos fechados no fundo do armário e colocar os dedinhos de fora. Poucas coisas são tão refrescantes, confortáveis e femininas quanto sandálias. Porém, é exatamente nesta época do ano – e muito por causa dos hábitos que adotamos quando ela chega – que os pés mais sofrem. “Além da desidratação da pele resultante das altas temperaturas, há um ressecamento por causa do uso mais frequente de calçados abertos, como as rasteirinhas”, explica a dermatologista Carla Vidal. Por isso, quem quer sair com os pés de fora sem medo de judiar deles precisa tomar alguns cuidados básicos.

Para usar sandálias sem fazer feio no verão, aprenda a cuidar direto dos pés
Thinkstock/Getty Images
Para usar sandálias sem fazer feio no verão, aprenda a cuidar direto dos pés

A rotina de beleza da região passa longe de só fazer as unhas. É preciso lavar bem, esfoliar e hidratar os pés com frequência. Patricia Ormiga, dermatologista da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), dá dicas certeiras para evitar um dos problemas mais comuns da época: aquele cascão que se forma na sola dos pés. “Não tomar banhos muito quentes, evitar pisar descalço em chão áspero e passar hidratantes específicos todos os dias. Estes são cuidados básicos que podem ser feitos no dia a dia”, ensina.

Lavar, hidratar e esfoliar
Lavar bem os pés é muito mais do que, na hora do banho, esfregar um por cima do outro, na tentativa de tirar a sujeira. Carla explica que a higienização deve ser realizada com água e sabonete e que é preciso lavar e secar também a região entre os dedos. “Isso previne de odores e micoses superficiais que podem funcionar como porta de entrada para infecções bacterianas mais graves e extensas”, afirma a dermatologista.

Após lavar, é hora de hidratar. Se já passa creme no corpo todos os dias, aproveite para inserir na rotina o hábito de passar nos pés também. Nesse caso, é importante destacar que a região entre os dedos fica de fora para evitar a umidade, que favorece o surgimento de micoses. “Primeiramente, deve-se ingerir muita água no dia a dia, não só para hidratar os pés, mas o corpo inteiro. Depois, passar hidratantes específicos para a área diariamente. As substâncias mais indicadas nos cremes para os pés são: ureia, ácido lático, ácido salicílico, lactato de amônio, óleo de uva, silicones, glicerina”, lista Patricia Ormiga. Passar os produtos antes de dormir e colocar uma meia ajuda na absorção, segundo as dermatologistas, pois potencializa a ação de hidratação.

A esfoliação não deve ser um hábito diário. Kamilla Santos, podóloga do Hara Spa, indica uma vez por semana. “O esfoliante pode ser mais grosso, e os movimentos para passá-lo são circulares, como uma automassagem”, fala. Já Patricia alerta que, para quem nunca lixou os pés, o ideal é nunca começar a fazê-lo, diz Patricia. “Qualquer trauma pode estimular o desenvolvimento de asperezas. O uso de cremes com propriedades esfoliantes é o suficiente para deixar os pés lisos. Se for feita a opção pelo lixamento, ele deve ser feito no máximo uma vez na semana e apenas para afinar de leve as áreas de pele mais espessa e os calos”, completa a médica. Carla ainda destaca que o hábito excessivo de lixar os calcanhares pode acabar tendo o efeito contrário ao desejado, resultando no aumento da espessura dessa camada por mecanismo de proteção da pele.

Limpar bem os pés é o começo de todo tratamento de beleza
Thinkstock/Getty Images
Limpar bem os pés é o começo de todo tratamento de beleza


Calçados certos
Apesar de as sandálias serem os sapatos preferidos da estação, o ideal é mesmo alterná-las com modelos fechados que não apertem os pés e possam ser combinados com meias de algodão, de acordo com as especialistas. Um mal de usar calçados inadequados, como o scarpin, que provoca muito atrito entre o bico e os dedos, é o surgimento de calos. “Na maioria dos casos, o problema ocorre por trauma ou pelo modo de apoio dos pés ao andar. O local é submetido a constante pressão, e a pela se torna mais espessa como forma de defesa”, explica Patrícia.

Não há segredo para prevenir, mas a vaidade precisa ser deixada de lado de vez em quando. “A melhor prevenção é evitar sapatos apertados e de salto muito alto, além de, nos locais de apoio e dor, usar palmilhas e protetores de silicone”, avisa Patricia, antes de acrescentar que, nos casos mais graves, é preciso passar substâncias que removem a queratina e amolecem o calo - tratamento feito em casa e complementado com procedimentos nos consultórios médicos.

Unha encravada também pode ser resultado de calçados apertados demais, assim como de descuido na hora de fazer os pés em casa ou em uma pedicure. O primeiro e mais conhecido cuidado é cortar a unha reta, respeitando os cantinhos. “Assim, evitamos abertura de portas para infecções bacterianas e formação de granulomas que podem levar a processos inflamatórios, resultando em dor na região”, indica Carla. “Agora, uma vez encravada, procure seu dermatologista para avaliar a necessidade de tratamento de uma possível infecção, cauterização ou mesmo tratamento cirúrgico”, explica a dermatologista.

Kamilla aconselha ir a um podólogo uma vez ao mês. “Recomendo procurar um profissional para fazer o corte correto ou corrigir o que já foi feito. E evitar cortar em casa com tesoura. Use sempre alicate. Agora, se já encravou, o jeito é tomar cuidado todo dia ao lavar para não infeccionar.”

Sem mau cheiro e inchaço
O calor excessivo do verão pode levar a um inchaço dos pés, que pode ser amenizado com pequenos cuidados. “Deve-se manter os pés sempre limpos, com calçados confortáveis e coloca-los para cima sempre que possível. Exercícios também ajudam, já que melhoram o retorno venoso”, lista Patricia.

Já o suor, inevitável especialmente quando o sapato fechado é a opção do dia, pede atenção para que não se torne bromidrose (mau cheiro associado à sudorese). “Troca de roupa e higienização pessoal diárias são hábitos fundamentais para evitar que o aumento da sudorese resulte nesse problema. Pode-se fazer uso de sabonetes antissépticos, soluções para equilibrar o PH da pele e, em casos mais extremos, o uso temporário de cremes desodorantes com antibióticos para controle da flora bacteriana”, encerra Carla.

>>> Assine a Newsletter , curta nossa página no Facebook e siga o @iGBeleza no Twitter <<<

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.