Tamanho do texto

Pesquisa quer compreender por que pacientes com doenças neurológicas pioram quando têm a mobilidade dos membros inferiores limitada

Profissionais da área da saúde não cansam de descobrir novos benefícios do exercício físico para o corpo. Desta vez, uma pesquisa apontou que malhar as pernas contribui para manter o cérebro , e o sistema nervoso como um todo, saudáveis.

Leia também: 7 dicas para não se sentir como uma 'barata tonta' no primeiro dia de academia

Estudo aponta que não malhar ou movimentar as pernas pode prejudicar produção de células no cérebro
shutterstock
Estudo aponta que não malhar ou movimentar as pernas pode prejudicar produção de células no cérebro


O estudo, publicado no periódico científico francês "Frontiers in Neuroscience", mostrou que os estímulos enviados pelos músculos das pernas para o cérebro são tão essenciais quanto os sinais que o cérebro manda para esses membros se movimentarem quando se trata da saúde neurológica. Isso porque, ao se mover, os membros inferiores estimulam o cérebro a produzir células saudáveis, necessárias para mandar sinais para as pernas se movimentarem adequadamente, e assim vai, num ciclo. 

"Nosso trabalho apoia a noção de que pessoas que estão incapazes de realizar exercícios com peso - como pacientes acamados ou mesmo astronautas em viagens extensas -, não só perdem massa muscular, como têm sua química corporal alterada a nível celular e até o sistema nervoso é impactado", disse Raffaella Adami, uma das autoras do estudo, da Universidade de Milão.

O objetivo do artigo é auxiliar na investigação dos motivos por que pacientes com doenças neurológicas costumam piorar quando o movimento dos membros inferiores fica limitado ou é incapacitado por algum motivo.

Método de pesquisa

Leia também: Dieta sem carboidrato coloca seu cérebro em risco, entenda

Para desenvolver a pesquisa, os cientistas usaram camundongos, limitando o movimento de suas patas traseiras, apenas, por 28 dias, sem alterar a rotina do animal, nem lhe causar estresse.

Ao fim do teste, eles examinaram os animais e perceberam que a limitação do movimento diminuiu o número de célular-troncos neurais em 70%, se comparados a um grupo controle de camundongos que seguia caminhando normalmente.

Leia também: Cérebro feminino é mais ativo do que masculino durante o sexo, indica pesquisa

Os pesquisadores também notaram que os neurônios e uma célula específica, que sustenta e isola as células nervosas, chamada oligodendrócito, não amadureciam completamente devido à redução nor exercício, de forma que o uso das pernas , particularmente no que diz respeito à sustentação de peso, é essencial para estimular o cérebro a produzir células saudáveis.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.