Juliette e Gil do Vigor
Reprodução/Instagram
Juliette e Gil do Vigor


Separados, o carvão e a aquarela fazem parte de universos distintos e distantes. Mas nas mãos do ilustrador e arquiteto Iago Carvalho produzem peças personalizadas, icônicas e que refletem o universo do seu dono. Foi assim com Gilberto Nogueira, o Gil do Vigor, que chamou atenção na final do Big Brother Brasil 21 com a jaqueta do rei da cachorrada. A campeã do reality, Juliette Freire, recentemente recebeu a sua peça — a primeira feita pelo artista para ex-BBBs — com referências do Nordeste, marca registrada da paraibana na edição.

“O Iago é uma pessoa muito energia, vibrante, alegre, e justamente quero tentar passar pelo menos uma dessas características nas minhas fotos. Todo mundo que vem falar comigo fala que consegue me ver nitidamente ali pelo fato de as cores serem vibrantes. As cores neon e os traços cada vez mais definem a personalidade do meu trabalho”, explica o artista, que usa materiais diversos em sua produção, entre os quais marca-texto, hidrocor, caneta permanente e giz de cera.

As jaquetas fazem sucesso nas redes sociais. No dia da final, por exemplo, os “vigorosos e vigorentos”, como são chamados os fãs de Gil, garantiram que Anna Wintour estava orgulhosíssima do traje.


A repercussão segue até hoje, mais de duas semanas depois do término do programa, e deve continuar pelas próximas. Iago deve entregar ainda as peças para Camilla de Lucas, Fiuk, Pocah e Caio. Entre os ex-BBBs, Viih Tube, Thaís Braz, Bill Araújo, Rodolfo, Kerline, João, Carla e Arthur também já receberam as suas.

“A arte é totalmente exclusiva, não replico a mesma ideia da jaqueta. Pode, por exemplo, pedir jaqueta da cachorrada, mas o desenho será outro. Aquela foi do Gil, mas posso fazer algo remetendo. A graça da customização é essa, peça exclusiva”, explica o artista, que foi tomado por pedidos de fãs cactos e vigorosos depois que Juliette e Gil postaram suas jaquetas. “Vou fazer, mas com releituras diferentes”, acrescenta. 

Início foi com MC Rebecca

Tamanha habilidade com customização de peças esconde que não tem nem um ano desde quando Iago Carvalho se enveredou pelo mundo da moda. Ilustrador desde 2014, decidiu investir a sério numa marca própria a partir de 2017. Sua marca eram desenhos e placas de PVC, que já viajaram o mundo com clientes dos Estados Unidos, Emirados Árabes, Portugal e Espanha. Mas uma proposta da amiga MC Rebecca o tirou da zona um tanto confortável.

Você viu?

A funkeira estreou em julho do ano passado o programa “Faixa Preta”, no Multishow, um especial para conversar sobre música, cotidiano, beleza e relacionamento com artistas e influenciadores negros. O figurino ficou por conta de Iago, que recebeu o desafio de homenagear uma personalidade preta a cada episódio. 

“Fiz ao todo dez looks, homenageando Nelson Mandela, Martin Luther King, Elza Soares, Carolina de Jesus e outros nomes. Mas eu não tinha noção. Eu trabalhava com desenho, mas sou uma pessoa que ama desafios e eu simplesmente fui. No início eu ficava com muito medo, fiz vários testes de roupas, mas até depois você começa a ver o gostinho… Nem o fato da repercussão, mas eu sou de São Gonçalo, e a cidade não tem muito apoio cultural e artístico, então meu medo era não ser aceito no meio pelo fato de não ter essa valorização. Mas foi super diferente, o pessoal começou a citar antes mesmo de o programa ir ao ar”, conta.

Para testar a popularidade da sua arte, Iago lembra que apresentou amigos, pediu publicações nas redes, saídas com as peças para avaliar a reação das pessoas. Resultado: encomenda antes mesmo de o programa começar.

“A Rebecca foi um marco muito importante ao impulsionar meu trabalho nesse ramo, que eu não sabia que ia dar certo, e hoje estou colhendo frutos”, acrescenta.

Agenda de encomendas aberta

Ter suas peças com espaço garantido no perfil das personalidades mais queridas do momento fez o trabalho de Iago viralizar. Não faltam encomendas, principalmente de gente comum — como você e eu. E não precisa ter a vida exposta 24 horas por dia, 7 dias na semana para ter uma peça personalizada com todos os elementos do seu universo. Um questionário bem detalhado dá ao artista as pistas do que o cliente gosta e, principalmente, do que não gosta.

“Quando a pessoa fecha comigo, envio um questionário. Essa arte eu crio junto: qual o tamanho dela, as cores que gosta, quais não gosta, que música curte, qual simbologia prefere. Então, tenho alguma coisa em mente, se é uma pessoa vibrante. Mas tem gente que simplesmente fala ‘Iago, coloco na sua mão e tudo o que você fizer está bom’. Aí eu sempre vou nas redes sociais dela ver o que ela gosta, se tem alguma coisa que ela usa muito. Sempre extraio coisas das pessoas que pudessem expressar um sentimento pra quando ela receber a jaqueta perceber que é a cara dela”, explica. O processo é o mesmo para os desenhos.

Uma peça versátil, icônica e que ainda brilha no escuro sai por R$ 800 a R$ 1 mil, já inclusos a peça, a arte e o frete.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários