Women's Health

Para algumas pessoas, descobrir que estão grávidas de um bebê é um choque. Mas você pode imaginar descobrir que está grávida de um segundo filho… enquanto já está grávida de um? Embora esse cenário pareça algo saído de um filme, é algo real.

gravidez arrow-options
shutterstock
É raríssimo engravidar novamente quando já está grávida, mas isso pode, sim, acontecer

Uma gravidez dupla como essa é medicamente referida como superfetação, que só pode ocorrer em algumas circunstâncias específicas. Mas você deve saber de antemão que a superfetação é *especialmente* rara. Pesquisas sugerem que a superfetação só pode acontecer em uma dentre alguns milhões de gestações; e acredita-se que haja menos de 10 casos relatados na literatura médica.

Leia mais: Gravidez: vitaminas podem ajudar contra pré-eclampsia

Então… alguém pode explicar? À seguir,  um ginecologista compartilha tudo o que os especialistas entendem sobre superfetação e qual a probabilidade de isso acontecer com alguém.

Como acontece uma superfetação dupla na gravidez?

A superfetação só pode ocorrer em algumas circunstâncias específicas: quando uma mulher tem um útero duplo ou se ovula várias vezes, e o segundo óvulo é fertilizado.

“Existem casos de mulheres ovulando duas vezes no mesmo ciclo, ou mulheres que ovularam enquanto já estavam grávidas”, explica Mary Jane Minkin, MD, uma ginecologista obstetra da Faculdade de Medicina da Universidade de Yale. A outra maneira pela qual a superfetação pode ocorrer é se uma mulher tiver um útero duplo, de acordo com pesquisa publicada no Journal of Reproduction & Sexual Health.

Mas normalmente, quando você está grávida, o corpo envia sinais emitindo hormônios para impedir a ovulação e impedir que outras gestações aconteçam, afirmam os autores do estudo do Journal of Reproduction & Sexual Health. E depois que o primeiro óvulo fertilizado se liga à parede uterina, o revestimento uterino se torna mais espesso para sustentar o óvulo. Isso provavelmente impedirá que outro óvulo desencadeie o mesmo processo exato de novo.

Além disso, o colo do útero forma uma barreira protetora para o feto, que o esperma não deve passar. Portanto, para que a superfetação ocorra, deve ser a tempestade perfeita de ovulação muito irregular ou, uma vez que um óvulo já tenha sido fertilizado, um segundo óvulo seja fertilizado e implantado com sucesso na parede uterina. Uau, isso é muito.

Por esses motivos, você não ouve sobre superfetação todos os dias. Também ocorreram gestações duplas em mamíferos como cavalos, mas parece que ocorrem muito mais raramente em seres humanos – a maioria dos ginecologistas e obstetras nunca viu um caso assim em toda a sua carreira.

Então superfetação é diferente de carregar gêmeos, certo?

Correto. A superfetação pode ser confundida com uma gravidez de gêmeos em um ultrassom, porque também envolve ver dois bebês, mas não é a mesma coisa.

Haverá uma diferença na idade gestacional com uma dupla gravidez, porque os dois bebês foram concebidos em dois momentos diferentes (mesmo que com alguns dias ou semanas de diferença). Também pode haver uma lacuna no tamanho dos fetos . Mas isso também é comum em gêmeos, quando um gêmeo toma mais alimento do que o outro, de acordo com a pesquisa. Os gêmeos também podem simplesmente crescer em ritmos diferentes, observa Minkin.

Leia mais: Pode ter relações sexuais durante a gravidez? 

O Dr. Minkin ainda ressalta, os gêmeos são de dois (presumindo gêmeos fraternos, não idênticos) óvulos liberados ao mesmo tempo, com o mesmo pai. Uma gravidez dupla pode resultar tecnicamente de dois encontros sexuais diferentes com duas pessoas diferentes. “Mas é claro que a superfetação pode ser do mesmo pai, e apenas a concepção acontece em momentos diferentes”, diz o Dr. Minkin. Novamente, isso teria que depender de uma mulher ovulando várias vezes dentro de um ciclo, ou ovulando uma vez já grávida, e a segunda gravidez sendo bem-sucedida.

Como você saberia se está lidando com uma gravidez dupla e tendo gêmeos?

Por ser tão raro, não há sintomas documentados ou sinais reveladores de uma dupla gravidez. Os médicos podem nem ser capazes de distinguir a diferença entre superfetação e uma gravidez gemelar, a menos que haja uma grande diferença na idade ou no tamanho da gestação (como na mulher com dois úteros que deram à luz bebês com 26 dias de intervalo).

Uma mulher pode não ter idéia de que estava lidando com uma gravidez dupla até que os bebês realmente nasceram, especialmente se eles estiverem muito próximos na idade gestacional. “A principal maneira pela qual as pessoas sabem que isso aconteceu é se os pais são de raças diferentes, portanto as diferenças entre os bebês podem ser óbvias”, diz Minkin. Nesse caso, a superfetação teria que ser comprovada por meio de testes genéticos, acrescenta ela. Fora isso, não há um teste específico para o seu médico realizar uma gravidez dupla, porque é muito raro.

A gravidez dupla é segura?

Não há muitos dados sobre as gestações e partos desses casos, considerando que a superfetação é muito incomum, diz Minkin. Mas não deve haver um problema de segurança e os bebês devem ficar bem, especialmente se você tiver uma boa saúde pré-natal e cuidados obstétricos. “Em geral, muitas gestações precisam ser realizadas precocemente, mas, novamente, provavelmente se sairiam bem”, diz Minkin.

Pesquisas anteriores mostraram que o momento do parto pode ser complicado em casos de gestações duplas, já que os fetos têm duas idades gestacionais diferentes, mas o parto entre 37 e 38 semanas de gravidez geralmente é recomendado para casos de superfetação . Quanto ao parto, os dois bebês provavelmente nascerão no mesmo dia, independentemente de quando foram concebidos ou de quanto tempo tiveram para se desenvolver. Pode ser necessário induzir o parto prematuro ou dar à luz os dois bebês por cesariana, já que seria quase impossível dar um a um, mas esses casos também são comuns em nascimentos múltiplos regulares, de acordo com uma pesquisa de 2017.

    Leia tudo sobre: gravidez

    Veja Também

      Mostrar mais