Tamanho do texto

Cansada de procurar homens em apps, Emily Hartridge decidiu assumir o controle da sua vida para ser mãe independente de ter ou não um parceiro

Emily Hartridge, Londres, decidiu dar um novo rumo para a sua vida. Aos 34 anos, estava cansada de procurar homens em aplicativos de relacionamento e sempre se decepcionar. Com a idade avançando, percebeu que precisaria tomar uma atitude se quisesse ser mãe e optou pelo congelamento de óvulos , o que a deu segurança de engravidar quando quiser.

Emily Hartridge optou pelo congelamento de óvulos após passar anos se decepcionando em apps de relacionamento
Reprodução/Instagram
Emily Hartridge optou pelo congelamento de óvulos após passar anos se decepcionando em apps de relacionamento

Ao site “The Sun” , a personal trainer relata a sua experiência. “Após passar oito anos sendo decepcionada por homens em aplicativos de relacionamento, me recusei a perder a chance de ser mãe”, conta. Foi aí que surgiu a ideia de fazer o congelamento de óvulos .

Emily fala que começou a usar apps de relacionamento , como o Tinder, por recomendação de algumas amigas, já que estava cansada de ser solteira. “No começo foi divertido passar pelos caras e imaginar se valia a pena se encontrar com eles. No entanto, descobri que eles mostravam interesse e depois desapareciam sem deixar vestígios. Foi frustrante, mas me recusei a desanimar”, lembra.

Após uma série de encontros e relacionamentos que duravam poucos “dates”, ela decidiu que era hora de parar com as paqueras virtuais e pensar nela mesma, principalmente no sonho de ser mãe. “Queria encontrar alguém legal na vida real que eu pudesse ter um filho um dia”, diz.

Leia também: Aplicativos de namoro: 10 dicas para evoluir a relação online

O processo de congelamento de óvulos

Para Emily Hartidge, o congelamento de óvulos foi uma forma de ela assumir o controle para ser mãe quando quiser
Reprodução/Instagram
Para Emily Hartidge, o congelamento de óvulos foi uma forma de ela assumir o controle para ser mãe quando quiser

Emily dividiu a sua angústia com a mãe, que se ofereceu para pagar o procedimento caso ela quisesse congelar os óvulos. “Chorei de alegria e, depois de muita pesquisa, fui a uma clínica  de Londres em outubro de 2018. Lá, fiquei chocada quando descobri que já tinha níveis muito baixos de fertilidade ”, conta.

A personal trainer fala que foi aconselhada a começar o tratamento imediatamente. Segundo ela, apesar do susto ao saber sobre a baixa fertilidade, ficou feliz por ter descoberto isso o quanto antes. Em novembro, ela começou o procedimento.

Leia também: Infertilidade secundária: o que é, quando acontece e o que fazer?

Algumas semanas antes de começar a congelar os óvulos, Emily conheceu um colega de profissão, Jake, 27 anos. Os dois começaram a se encontrar e hoje estão namorando. Ela fala que esse processo todo foi difícil, pois estava com os hormônios alterados, mas ele foi compreensivo e a apoio durante todo o procedimento.

Emily ainda comenta que ainda é cedo para ela e Jake pensarem sobre ter filhos, mas espera que isso aconteça nos próximos anos. “Apesar de não haver garantias com o congelamento de óvulos , é reconfortante saber que eles estão guardados caso eu não consiga engravidar naturalmente. E se algum dia eu e Jake nos separarmos, eu não hesitaria em recorrer ao esperma de um doador”, finaliza.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.