Tamanho do texto

Segundo estudo, ter mãe trabalhadora faz com que as crianças desenvolvam noção maior de igualdade de gênero e se sejam adultos mais bem sucedidos

Para as mães que se culpam por precisar trabalhar e não poder passar mais tempo com os filhos, um extenso estudo sobre maternidade feito pela Universidade de Harvard, nos EUA, em parceria com as instituições britânicas Universidade Kingston e Instituto Politécnico de Worcester, traz resultados animadores.

Leia também: Mães universitárias compartilham vivências e avaliam amparo de instituições

Estudo sobre maternidade avaliou impacto do emprego das mães na vida dos filhos
shutterstock
Estudo sobre maternidade avaliou impacto do emprego das mães na vida dos filhos


A pesquisa foi realizada com 100 mil pessoas em 29 países diferentes para avaliar como a maternidade , em suas diferentes formas, impacta na vida dos filhos e na formação deles como pessoas. 

Uma prévia foi divulgada em 2015, mostrando que filhas de mães que trabalham fora se tornam mais bem-sucedidas quando adultas e ganham mais dinheiro, porque frequentam instituições de educação formal por mais tempo, e que os filhos, quando adultos, tendem a ajudar mais dentro de casa e a passar mais tempo cuidando dos próprios filhos.

Agora, os pesquisadores afirmaram que crianças cujas mães trabalham fora se tornam adultos tão felizes quanto aqueles cujas mães ficam em casa e se dedicam inteiramente aos filhos.

Além disso, também foi descoberto que homens cujas mães trabalhavam tendem a escolher como parceiras mulheres que trabalham e têm uma noção de igualdade de gênero e de divisão de tarefas até superior à de mulheres cujas mães ficavam em casa.

Conclusões sobre a maternidade

Pesquisadores esperam que resultado alivie um pouco da culpa que inevitavelmente acompanha a maternidade
shutterstock
Pesquisadores esperam que resultado alivie um pouco da culpa que inevitavelmente acompanha a maternidade


Falando sobre as conclusões do levantamento, a professora Kathleen McGinn, que participou de sua elaboração, disse que espera que, com ele, as pessoas possam entender que as crianças não estão sofrendo com o fato de suas mães terem que trabalhar e, assim, retirar um pouco da  culpa que toda mãe trabalhadora enfrenta.

“As pessoas ainda acreditam que, quando uma mulher trabalha, isso é de alguma forma prejudicial para os filhos. Então nossas descobertas de que estar empregada não afeta a felicidade das crianças na vida adulta é muito importante. Quando mulheres escolhem trabalhar, é uma escolha financeira e pessoal. As mulheres deveriam poder fazer essa escolha a partir do que querem e precisam, e não pensando se estão prejudicando seus filhos - porque não estão”, defende.

Na verdade, segundo ela, mães trabalhadoras influenciam positivamente seus filhos e filhas de diversas formas, seja promovendo igualdade de gênero entre os meninos ou incentivando as meninas a seguirem os passos da mãe.

“Ter uma mãe que trabalha faz as meninas acreditarem que um emprego é compatível com a maternidade . Se você está observando uma mulher gerenciar a complexidade de uma vida com filhos, emprego, casa, você vê que dá certo. E as crianças estão absorvendo o estilo de vida dos adultos ao seu redor”, diz Kathleen que, junto com os outros pesquisadores, ainda perguntou aos entrevistados que recado eles dariam a mães que trabalham, ao que eles responderam: “Apenas relaxem. Estamos indo bem”.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.