Tamanho do texto

Em relato, a mãe conta que não ficou com raiva do homem que bateu na sua filha, pois acredita que ele é só uma pessoa que não sabe lidar com crianças

O que você faria se ficasse sabendo que um adulto bateu no seu filho? Uma mãe passou por essa delicada situação e resolveu contar os detalhes, de forma anônima, em um site dedicado a pais chamado “Mamam!a”. “Nunca bati nos meus filhos . Eu não concordo que adultos devam bater em crianças. Eu não acho que é certo e li uma pesquisa que diz que isso é ruim para as crianças a longo prazo”, escreve no relato.

Leia também: Como educar os filhos a partir da ideia do "slow parenting"? Veja detalhes

Pai voluntário é afastado de escola após bater em menina e outros pais presenciarem a cena, mas mãe não denuncia
shutterstock
Pai voluntário é afastado de escola após bater em menina e outros pais presenciarem a cena, mas mãe não denuncia


A mãe conta que tem dois filhos que estão na escola primária. O menino é mais comportado e sempre recebe elogios, já a menina sofre de déficit de atenção e, por conta disso, acaba ultrapassando um pouco os limites. “Ela é muito difícil às vezes. Mas ela também é amorosa, leal, honesta e maravilhosa de muitas maneiras”, justifica a mãe, que não vê o comportamento da filha como uma justificativa para alguém bater nela.

Leia também: Escola nova: o que fazer quando a criança não se adapta?

A menina faz algumas atividades extras na escola e, segundo a mãe, a garota gosta disso. Uma dessas atividades é organizada por um grupo de pais voluntários. “Deixei minha filha na escola como de costume e, quando fui buscá-la, ela correu até mim gritando.”

A criança contou que o pai que cuidava do grupo tinha batido nela. “Ele me deu um tapa ”, falou a menina deseperada. Outras mães foram rapidamente confirmar que a menina estava dizendo a verdade e contaram para a mãe angustiada que elas tinham visto a coisa toda acontecer.

“Obviamente, minha primeira preocupação foi com minha filha”, relata a mulher. “Ela me disse que a bofetada havia deixado uma marca vermelha, mas, quando olhei, já havia desaparecido.”

"Fiquei feliz que o incidente foi levado a sério"

Em seguida, ela foi falar com o pai em questão. Ela explicou que não batia em seus filhos e não era a favor disso. O homem, que conduzia o grupo, apenas olhou para o chão. “Era óbvio que ele sabia que o que ele tinha feito estava completamente fora de linha e que ele estaria encrencado por causa disso.”

Leia também: “As crianças estão precisando de tapa na bunda”, diz terapeuta infantil

Em meio ao caos, outro pai do grupo foi dizer à mãe que este homem seria convidado a se retirar da escola e foi o que aconteceu. “Ele se meteu em confusão porque fez a coisa errada. Fiquei feliz que o incidente foi levado a sério e que uma ação foi tomada rapidamente, pois esse homem provavelmente não tem o temperamento certo para trabalhar com crianças”, desabafa.

Esquecer o caso ou fazer uma acusação criminal?

Alguns dias depois, outra pessoa responsável pelo grupo ligou para pedir desculpas oficialmente para a família e para perguntar se a mãe gostaria de ir mais longe nesse assunto e fazer uma acusação criminal contra o homem.

“Meu pensamento inicial foi não. Então pensei mais um pouco e continuei com a mesma opinião. Não queria que minha filha revivesse essa experiência, pois ela já parecia ter deixado esse acontecimento para trás. Não queria que isso se tornasse um trauma na vida dela.”


Por incrível que pareça, a mãe garante que não sentiu uma raiva avassaladora do homem que bateu em sua filha. “Ele fez a coisa errada, mas era apenas um pai que se ofereceu para um papel para o qual ele provavelmente não era adequado. Eu nunca vou bater em nenhum dos meus filhos. Minha filha sabe que estou cuidando dela. Ela vai ficar bem, e é isso que importa”, finaliza.