Tamanho do texto

Pais da criança estão sendo julgados pela morte do pequeno. Nutricionista alerta para os cuidados necessários com a alimentação infantil

Na cidade de Beveran, na Bélgica, um bebê de sete meses de idade morreu pesando apenas quatro quilos. A criança estava desnutrida e pesava menos da metade recomendada a um bebê da mesma idade. A desnutrição aconteceu depois que o bebê foi submetido a uma dieta restrita e sem glúten.

Leia também: Tudo sobre dieta

A dieta sem glúten é indicada para pessoas com doença celíaca
shutterstock
A dieta sem glúten é indicada para pessoas com doença celíaca

O caso ganhou repercussão em diversos jornais internacionais. De acordo com as publicações, os pais da criança tem uma loja de produtos naturais e defendem uma alimentação sem glúten e sem  lactose . Sem qualquer orientação ou consulta médica, eles concluíram que o filho tinha intolerância à lactose e também sofria de doença celíaca. Também sem qualquer acompanhamento, mudaram a alimentação do pequeno e decidiram das leite de quinoa para ele. Todas essas medidas comprometeram a saúde da criança. 

Leia também: Dieta que corta glúten pode aumentar chance de obesidade, indica estudo

Julgamento

Depois de seguir uma alimentação inadequada, o bebê morreu. Diante da situação, os pais estão sendo julgados pela Justiça. A acusação do processo alega que eles enveneraram a criança quando ofereceram ao filho uma alimentação incorreta, impedindo que ele recebesse os nutrientes necessários para se desenvolver.

Em entrevista ao site britânico "Metro", os pais do bebê revelaram que não o levaram ao médico porque acreditavam que nada estava errado com ele. “Algumas vezes, ele ganhava peso. Em outras, ele perdia”, comentou a mãe sobre achar natural o comportamento do menino. 

Leia também: Dieta que elimina o glúten não traz benefícios e pode até mesmo engordar

Afinal, crianças podem seguir uma dieta restrita?

O Delas procurou uma especialista para falar sobre o tema e entender as consequências de fazer uma dieta tão restrita a uma criança tão pequena. “Não da para ficar no ‘achismo’ principalmente no caso de um bebê”, afirma a nutricionista Daniela Cyrulin. De acordo com ela, o diagnóstico, tanto de intolerância à lactose quando de doença celíaca são feitos a partir de exames de sangue, saliva, endoscopia ou teste de intolerância e não apenas por causa de uma suspeita dos pais.

Ainda segundo a nutricionista, não há necessidade da criança seguir uma dieta restrita caso ela não seja diagnosticada com alguma doença. "Se não houver uma substituição desses alimentos e somente a retirada, pode causar deficiência de nutrientes prejudicando a boa saúde do bebê", explica Daniela. 

Caso a criança seja mesmo diagnosticada com a doença celíaca e apresente intolerância à lactose, é preciso pensar em conjunto com o pediatra qual a melhor forma de alimentá-la sem glúten para que não haja deficiência de nutrientes.

    Leia tudo sobre: dieta
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.