Tamanho do texto

A história de Amanda Fabro, de 21 anos, que passou nove meses sem se dar conta da gravidez: "Menstruava normal, todos os meses. Nunca tive sintomas"

A vida da jovem estudante de direito Amanda Fabro, de 21 anos, era tão comum quanto a de qualquer mulher da sua idade. Durante nove meses, ela frequentou a faculdade, passou apuros no transporte público de São Paulo, fumou, bebeu, namorou, tomou anticoncepcionais sem saber que esperava um bebê.

Amanda Fabro aparece em foto poucos dias antes de dar à luz
Arquivo pessoal
Amanda Fabro aparece em foto poucos dias antes de dar à luz


Leia mais:  Grávida de 8 meses chama atenção por barriga sarada

A descoberta da gravidez

"Descobri que estava grávida dando à luz no banheiro. Nunca desconfiei de nada porque menstruava normalmente todos os meses. Nunca tive sintomas", conta a estudante em entrevista exclusiva ao Delas . Ela chegou a sentir algumas dores "comuns do cotidiano" que nunca a fizeram desconfiar do que estava acontecendo. 

Além de menstruar normalmente e não ter sintomas que pudessem ser associados à gravidez, o corpo da jovem mal sofreu alterações. "Em nove meses, engordei quatro quilos", revelou.

Após algumas idas ao médico, falsos diagnósticos e uso de antibióticos, Amanda ficou aproximadamente um mês sem sair de casa. "Por causa disso, fiquei com a auto-estima baixa, não tinha vontade de ver ninguém, absolutamente ninguém". 

Senti a dor mais insurportável da minha vida e, quando olhei pra baixo, vi a cabeça da Julia (nome que deu à bebê) saindo de mim, coloquei as duas mãos em mim, segurei a cabeça dela e, então, a puxei para fora"

Como tudo aconteceu

Perto de dar à luz, Amanda sentiu cólicas, o que não era comum em sua rotina. A garota se auto medicou com remédios específcos para dores abdominais e passou um fim de semana todo com dores. "De meia-noite até duas e meia da manhã, ficava de lá pra cá, da cama para o banheiro, do banheiro para a cama. Sentia algo vazando e ia ao banheiro, ficava em cima do vaso rezando para passar, apertando minha barriga para melhorar a dor". 

Leia mais: "As pessoas queriam ajudar porque achavam que estava espancando meu filho"

"Dormi 30 minutos e, quando acordei, já não suportava mais aquela dor. Fui até o banheiro e coloquei o dedo dentro de mim para ver se sentia algo. Foi aí que a bolsa estourou. Era sangue e muita água pelo chão do meu banheiro e pedia pelo amor de Deus para não morrer". 

"Puxei a bebê para fora"

Após pedir ajuda ao pai, ela voltou ao banheiro. "Senti uma vontade inexplicável de fazer força", relata. "Fui para o vaso e, após fazer força e defecar, levantei e senti a dor mais insurportável da minha vida e, quando olhei pra baixo, vi a cabeça da Julia (nome que deu à bebê) saindo de mim, coloquei as duas mãos em mim, segurei a cabeça dela e, então, a puxei para fora".

Julia, filha de Amanda
Arquivo pessoal
Julia, filha de Amanda


Pós-parto 

Foi a família de Amanda (pai, mãe e irmãos) que a ajudaram nesse momento. Depois que a bebê nasceu, eles chamaram uma ambulância e, só aí, a jovem foi levada ao hospital. Lá, descobriram que estava tudo bem, tanto com a mãe, quanto com a filha. 

Pai presente

Após procurar o pai da criança, eles decidiram não ser um casal, mas acordaram sobre a criação de Julia. "Não estamos juntos, mas nos amamos por termos marcado a vida um do outro com a coisa mais marvilhosa do mundo", conta. "Ele vem vê-la quase todos os dias, baba muito e fala coisas maravilhosas. Somos uma família do nosso jeito", finaliza.

Leia mais:  Brasil é reconhecido como referência mundial em aleitamento materno

Obstetras explicam

"Na verdade, não é uma história comum, mas eventualmente a gente ouve isso. Há uns 3 anos uma jogadora de vôlei que engravidou, continuou treinando e só percebeu no final. No caso agora, como ela tomava pilula, na pausa ocorria um sangramento, por isso ela menstruava", pontua o obstetra Alberto Guimarães ao Delas. 

"Eventualmente ouvimos essas histórias porque é possível engravidar sem passar mal, mas, sem dúvidas, não é o habitual. Não é normal, mas é possível", continua o médico.

A obstetra Maria Elisa Noriler concorda que esse caso seja raro. "É muito raro a gestante chegar aos nove meses e não sentir a movimentação fetal do bebê, pois, normalmente, a gestação é muito perceptível após a 20ª semana".

Ela ainda conta que mães e filhos devem ir ao hospital depois de uma situação como essa. "É recomendável que sejam feitas as vacinas iniciais e o atendimento médico hospitalar da mãe e bebê". 

Ainda de acordo com Alberto, o uso de anticoncepcional durante a gestação pode gerar algumas complicações na formação do bebê, mas, para a mulher, não tem grandes riscos. "O que leva a casos assim é a falta de observação de si mesma, de seu corpo", finaliza.

"Quando isso ocorre é mais comum em pacientes com obesidade considerada, pois muitas não percebem o aumento do volume uterino", explica Maria Elisa.

Julia nasceu saudável, com  45cm e 2.625 kg
Arquivo pessoal
Julia nasceu saudável, com 45cm e 2.625 kg




    Leia tudo sobre: Gravidez
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.