Tamanho do texto

Laura, de 8 anos, narra os dramas em torno do alcoolismo do pai e vídeo emociona na web

Laura, uma menina de 8 anos de idade, ao se deparar com mudanças de comportamento de seu pai, resolveu escrever uma carta a um possível amigo dele, quem ela acreditava ser o responsável pelas alterações.

Laura escreve carta para Jack, seu pai alcoólatra
Reprodução
Laura escreve carta para Jack, seu pai alcoólatra


Na carta, narrada em primeira pessoa, a garota revela traumas e frustrações conforme o caráter do pai foi mudando. Segunda a menina, não apenas ela, mas a família inteira sofria com as atitudes. A menina relata dificuldades como ver a mãe passar fome, seu pai perder o emprego, e a violência doméstica.

O pedido final é que o suposto amigo de seu pai vá embora e deixe a família em paz. Ao terminar a carta, um final inesperado é revelado.

+ "Amo meu filho mas estou detestando ser mãe": declaração gera polêmica nas redes

O álcool ainda está extremamente ligado a festas e diversão, principalmente por conta dos milhões de reais gastos em publicidade. Mas a parte negativa da bebida infelizmente não é mostrada e o sofrimento de muitas pessoas por causa do álcool não chega ao conhecimento de todos.

Dez por cento da população brasileira sofre com o alcoolismo. Os homens estão à frente nessa estatística com 70% dos casos, enquanto as mulheres correspondem a 30%. "O alcoolismo é a doença mental mais comum no mundo”, afirma Sérgio Nicastri, psiquiatra do Hospital Israelita Albert Einstein.


Dependência alcoólica

Causa perda de controle e desejo incontrolável de consumo, cria a necessidade de consumir doses maiores para obter o mesmo efeito de quando se bebia menos, surge sintomas físicos e psíquicos quando o consumo é interrompido e considera o álcool, o item mais importante da sua vida.

Assédio e aprendizado: histórias de uma mulher viajando o mundo sozinha

Tratamento contra alcoolismo

O primeiro passo é o autodiagnóstico, reconhecer a doença e querer mudar de vida. Toda mudança requer cuidados e atenção, por isso é sempre ideal procurar médicos e especialistas na doença e ter sempre pessoas a volta que possa contar.