Nascidos a partir da segunda metade da década de 1990 preferem mulheres no comando, segundo estudo realizado pelo Twiiter com base nos dados da plataforma
Redação João Bidu
Nascidos a partir da segunda metade da década de 1990 preferem mulheres no comando, segundo estudo realizado pelo Twiiter com base nos dados da plataforma


Segundo as pessoas da Geração Z que usam o Twitter, a maioria das mulheres deveriam estar em posições de liderança ao redor do mundo. Estudo realizado pelo Twitter no Brasil em 2021 utilizando diversos tipos de dados encontrados nas conversas e também questionários direcionados aos jovens que fazem parte da Geração Z constatou que 60% dos nascidos entre a segunda metade dos anos 1990 e o início dos anos 2010 acreditam que o mundo seria melhor se as mulheres estivessem no comando - número 25% maior se comparado aos Millennials.


Com um olhar muito mais plural do que as gerações anteriores, os chamados Gen Z afirmaram se importar com a diversidade: 67% das pessoas que responderam à pesquisa concordam que deveria haver uma maior aceitação de gênero que vá além de "homem" e "mulher". Esse número é, por exemplo, quase 20% maior do que o da geração anterior, evidenciando a mudança no pensamento.

Leia Também

A busca por referências diversas, o abraço às diferenças e o valor visto na autenticidade são definitivos para essa geração. Foi registrado, no ano passado, um aumento de 165%, em comparação com o ano anterior, nas menções a termos de gênero neutro e similares entre pessoas da Geração Z; além de um crescimento de 134% nas menções à negritude e palavras correlatas.

Além disso, o levantamento mostra que essa geração é muito mais aberta que as anteriores quando o assunto é saúde mental, já que metade dos Gen Z no Twitter se identificou como propensa a ter ansiedade. As conversas mais abertas sobre saúde mental já eram tendências antes da pandemia. Com o isolamento, isso se acelerou: no ano passado, foram registrados mais de dois milhões de Tweets de pessoas da geração Z sobre saúde mental no Brasil.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários