Tamanho do texto

Na hora de pedir um táxi ou transporte por aplicativo, muitas mulheres têm medo de sofrerem violência e assédio sexual de motoristas

Geralmente, quando uma mulher pede um táxi ou um transporte por aplicativo e o motorista é homem, sempre bate aquele receio. Se você está andando sozinha e em determinados locais ou horários do dia, o medo é ainda maior. De acordo com a Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo, o número de casos de assédio subiu de 240 para 288 entre janeiro e julho deste ano, um aumento de 20% em comparação ao mesmo período do ano passado.

Leia também: Campanha #MeuMotoristaAbusador quebra o silêncio sobre assédio e estupro

Ao pedir um táxi por aplicativo, é importante ter alguns cuidados como verificar o nome do motorista e a placa do carro
Thinkstock Photos
Ao pedir um táxi por aplicativo, é importante ter alguns cuidados como verificar o nome do motorista e a placa do carro


E mesmo com o surgimento de campanhas e protestos sobre os casos de violência contra a mulher dentro do táxi , como o #MeuMotoristaAbusador, no qual mulheres compartilharam os relatos de assédio ou estupro que já sofreram nesse tipo de transporte, as ocorrências não param de acontecer. Nem aqui no Brasil e nem no exterior. No sábado (16), um motorista do Uber confessou ter assassinado a diplomata britânica Rebecca Dykes , de 30 anos, após ter sido contratado para buscá-la em uma festa. O crime aconteceu em Beirute, e a polícia local ainda investiga se houve violação sexual.

Mas como se proteger? Mesmo que o dia a dia das mulheres já seja cercado de cuidados e medidas de proteção, infelizmente, algumas ações ainda são necessárias para uma viagem segura. Helena Rodrigues, diretora de relacionamento do aplicativo FemiTaxi, empresa de serviço de transporte exclusivo para motoristas e passageiras mulheres, dá algumas dicas que podem ser essenciais.

"Ao pegar um transporte sozinha é interessante buscar sempre fazer a corrida com um motorista que você já conheça e em quem confie. Caso não seja possível, pegue o táxi ou transporte individual em algum lugar movimentado, de preferência um ponto com o qual você já esteja familiarizada."

Outra indicação importante de Helena é avisar uma amiga ou um parente que você está realizando aquela corrida e enviar a localização, para o caso de haver um imprevisto. "Muitas pessoas não sabem, mas a maioria dos apps de transporte individual fornecem um sistema de envio de localização para que amigos, namorados ou familiares acompanhem em tempo real o trajeto da viagem. Existem também apps específicos para esse fim, como bSafe, Circle of 6 e Clique 180."

Antes, durante e depois

Ao pedir um carro por um aplicativo de transporte particular é importante ficar atenta a alguns detalhes. "Em primeiro lugar, verifique se a placa e o modelo do carro condizem com as informações do app. Antes de entrar no veículo, confira também o nome e a foto do motorista, para ter certeza de que você não está entrando em um carro diferente e que o motorista é aquele apresentado pelo app no momento da solicitação da corrida", diz a profissional. 

Durante a corrida, também é interessante observar se o motorista está fazendo a rota sugerida pelo aplicativo. Além disso, preste atenção se o motorista está constantemente te olhando pelo retrovisor ou se ele está fazendo muitas perguntas pessoais, como se você tem namorado ou se mora sozinha. Entretanto, é preciso lembrar que assédio não tem rosto e não construir ideias pré-concebidas em relação a motoristas e indivíduos.

"Acredito que a dica mais importante seja, caso você se sinta desconfortável em algum momento, pedir ao motorista que encoste o veículo para que você possa descer e solicitar outro carro. Caso tenha qualquer problema, não esqueça de fazer uma reclamação no app em questão e denuncie o motorista", aconselha Helena. 

Aplicativos

A diretora de relacionamento do FemiTaxi também afirma que, apesar já existirem aplicativos e empresas para motoristas e clientes apenas do sexo feminino, essa é uma "solução paliativa", mas muito bem-vinda neste momento em que vários casos de assédio no transporte público e individual têm vindo à tona.

"O ideal seria que as mulheres não precisassem se isolar para se sentirem seguras, mas enquanto não existe segurança o suficiente para pedir um transporte na rua durante a madrugada, essas iniciativas são uma solução imediata para um problema urgente da nossa sociedade", diz. 

Entretato, alguns problemas encontrados nesses aplicativos, como o número reduzido de motoristas e o tempo mais elevado de espera, comparados aos não segmentados, ainda são impedimentos para optar por esses meios de transporte.

Se esse for o caso, Helena também dá algumas indicações de como escolher as melhores empresas. "Selecione empresas que fazem um controle rígido de seus funcionários, com verificação recorrente da conduta do motorista, assim como a regularização e documentação do veículo. A pontuação dos motoristas também pode ser um bom parâmetro de seleção."

Problema social

Apesar disso tudo, o assédio ainda continua presente diariamente e em todos os lugares, não apenas nos aplicativos de carona. "Essa é uma questão estrutural da sociedade e o único caminho possível para uma mudança real é investir em educação, com debates escolares sobre identidade de gênero e orientação sexual, por exemplo', diz Helena. E mesmo tendo que se proteger, é importante lembrar: a culpa nunca é da vítima.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.