Tamanho do texto

Um vídeo de uma mulher supostamente estuprada foi compartilhado nesta quarta-feira (25) e está gerando revolta na web; saiba como denunciar crime

Um vídeo chocante e que causa repulsa compartilhado por um brasileiro no Twitter, nesta quarta-feira (25), gerou revolta e mobilização na web. Em seu perfil, um rapaz que se identifica como Michel, morador do Rio de Janeiro, publicou uma gravação feita do corpo nu de uma mulher desacordada aparentemente após ser vítima de estupro. O vídeo ainda mostra em detalhes os seios e o órgão sexual da garota. Achando graça da situação, ele ainda escreveu: "Amassaram a mina, intendeu ou não ou não intendeu? Kkk" (sic).

Gravação que mostra mulher nua e suas partes íntimas no Twitter gera mobilização na rede; saiba como denunciar casos
Reprodução
Gravação que mostra mulher nua e suas partes íntimas no Twitter gera mobilização na rede; saiba como denunciar casos


Imediatamente, internautas começaram a denunciar a publicação e postar mensagens em repúdio ao usuário.  

"Isso é estupro de vulnerável e sem necessidade de ser compartilhado", "E ainda dizem que o feminismo é desnecessário. Não me calo porque amanhã ou depois pode ser eu" e "E meso que não tenha sido ele, espalhar esse tipo de material também é crime" foram alguns dos comentários.

Denunciar perfil do usuário que compartilha imagens deste tipo não é correto
Reprodução
Denunciar perfil do usuário que compartilha imagens deste tipo não é correto



Uma internauta ainda tenta alertar o usuário sobre o risco de sua atitude: "Apaga isso, Michel". Mas ele responde: "Caiu na rede, pô, deixa rolar kkkk". Mais de dez horas após a publicação do vídeo, o perfil de Michel foi suspenso, mas isso não é suficiente para formalizar uma denúncia contra o usuário.

Usuário compartilha denúncia à polícia sobre o caso
Reprodução
Usuário compartilha denúncia à polícia sobre o caso


Internauta demonstra tristeza
Reprodução
Internauta demonstra tristeza


Caso choca na rede
Reprodução
Caso choca na rede


Internautas se manifestam
Reprodução
Internautas se manifestam


Como denunciar estupro e divulgação de estupro na rede

Por razões óbvias, o Delas  decidiu não reproduzir o vídeo nem identificar o dono do perfil. Divulgar fotos e vídeos íntimos é crime virtual e tais crimes cibernéticos estão tipificados no Marco Civil da Internet, que busca garantir o direito à privacidade, sob o risco de prisão e pagamento de indenização por danos materiais ou morais. 

O correto, nesses casos, não é denunciar o perfil do divulgador do material pela timeline porque isso ajuda a divulgá-lo. Para que algo assim seja encaminhado às autoridades responsáveis, o correto é usar a Direct Message do próprio Twitter ou órgãos de denúncia, como:

- http://denuncia.pf.gov.br/
- http://www.safernet.org.br/site/
- http://www.humanizaredes.gov.br/disque100/ 

Segundo estudos internacionais, como o National Crime Victimization Survey, apenas 35% das vítimas de estupro prestam queixa. No Brasil, uma mulher é estuprada a cada 11 minutos em média. A soma ultrapassa 47 mil mulheres acima de 14 anos estupradas por ano*. O Ligue 180 também é um caminho para denunciar. Leia mais aqui .