Ativistas gordos reivindicam fim do Dia Mundial da Obesidade
Divulgação
Ativistas gordos reivindicam fim do Dia Mundial da Obesidade

Hoje, dia 4 de março de 2022,  pessoas gordas, ativistas antigordofobia, de neutralidade corporal e aliades de diferentes países, nos unimos para reivindicar o Dia Mundial contra a Gordofobia, ressignificando o “Dia Mundial Contra a Obesidade”, que discrimina nossos corpos, aparências e tamanhos. Juntamos forças para lutar e reivindicar nossa autonomia corporal, liberação corporal, individual e coletiva. Estamos aqui mostrando resistência diante de um sistema que quer nos tornar invisíveis, e também celebrando nossos corpos gordos dignos de respeito.

A gordofobia é um sistema de opressão, que coloca as pessoas gordas em uma situação de desvantagem, injustiça e exclusão e que se reproduz de forma sistemática e estrutural. Em grande parte, responde a certos códigos morais, assim como ao esquema ideológico do neoliberalismo. Em nossas sociedades, se difunde a ideia de que comer por prazer é errado e que a consequência direta dessa anomalia sempre é a gordura (como acontece com a sexualidade não-normativa). Da mesma forma, o neoliberalismo afirma que “se você quer, você pode” e que cada pessoa é o resultado única e exclusivamente de suas escolhas, desconsiderando o contexto e outros fatores.

O discurso médico normalizado legitima a gordura corporal como uma epidemia com resultado de morte prematura por várias doenças associadas (como se as pessoas magras não sofressem desse tipo de doenças) e coloca a atenção na obesidade como um problema de saúde pública no qual é necessário intervir. Perde-se de vista a problemática subjacente a essa visão da gordura como doença, segregando nossas corporalidades e gerando categorias desqualificantes.

Ativistas gordos reivindicam fim do Dia Mundial da Obesidade
Divulgação
Ativistas gordos reivindicam fim do Dia Mundial da Obesidade

Tudo isso pode leva a alterações do estado de ânimo das pessoas, principalmente alterações depressivas, assim como ansiedade generalizada, que se potencia a partir de um sistema que discrimina, vitimiza e rejeita os corpos considerados gordos.

Por isso, reivindicamos que:
• As pessoas gordas não devem satisfação de sua saúde a ninguém.
• A obesidade não é uma doença, ao contrário do que nos repetem, dia após dia, nos diferentes meios de comunicação.
• A Organização Mundial da Saúde (OMS) não considera a obesidade como uma
doença, mas apenas como um fator de risco para algumas doenças. Sabemos que todas as pessoas podem melhorar seu estado de saúde sem necessidade de perder peso.
• Perder peso não garante a saúde - em algumas ocasiões ocorre exatamente o
contrário - e traz diversos efeitos colaterais.
• Há muitos fatores que determinam a saúde, a maioria não depende de nós e não pode ser medida com parâmetros simplistas, muito menos com uma balança. A saúde não é determinada pela forma dos corpos.
• Há pessoas gordas que gozam de saúde e que também podem adoecer, assim como há pessoas magras que gozam de saúde e que também podem adoecer. A saúde não é estática nem estética, ainda que assim o diga o IMC (Índice de Massa Corporal).
• A gordura é parte da diversidade humana. Não é uma falha moral, não é um problema de saúde e nem uma decisão pessoal.
• A estética não implica que a saúde seja estática.
• As pessoas gordas são merecedoras de receber atenção e intenção de tratamento médico e são muitas as pessoas gordas que deixam de pedir ajuda porque acreditam que não são merecedoras ou porque já receberam muitas mensagens de que seu peso/corpo é a causa de todos os seus sintomas e mal-estares.

Leia Também

Leia Também

Leia Também

E denunciamos que:
• A obesidade (da mesma forma que o sobrepeso, o infra peso ou o peso considerado “saudável”) é determinada pela tabela do Índice de Massa Corporal (IMC).
• A fórmula do cálculo do Índice de Massa Corporal (peso em kg, dividido pela altura elevada ao quadrado) foi inventada por Adolphe Quetelet, que viveu entre 1796 e 1874, quem foi um matemático (e não um médico) que buscava as “medidas perfeitas” para o homem cis, branco, europeu e adulto. Apesar disso, o IMC se utiliza também em mulheres, pessoas não binárias ou sem gênero definido, pessoas de todas as raças e também em crianças. O IMC é um indicador com bagagem classista, racista, androcentrista, cissexista e eugênico.
• A fórmula do cálculo e a interpretação dos resultados do IMC é uma das poucas
formas de diagnóstico médico que se mantém quase inalterável ao longo do tempo, utilizando dois fatores aleatórios dos nossos corpos: peso e altura. Não se leva em conta outros fatores como densidade óssea, percentagem de gordura corporal e a percentagem de massa muscular.
• O resultado do cálculo do IMC se considera, hoje em dia, uma prova médica
confiável.
• Os resultados do cálculo do IMC são utilizados em alguns países para que as empresas de seguro saúde e outros agentes do sistema médico-estético possam ter maior benefício econômico das pessoas diagnosticadas (com base no IMC) com sobrepeso ou obesidade. Para exemplificar, no ano de 1998 o Instituto Nacional de Saúde dos Estados Unidos mudou os critérios que definiam, de acordo ao IMC, qual era o “peso saudável” e em qual resultado começava o “sobrepeso”. Essa mudança na linha de corte foi usada exclusivamente para que as companhias seguradoras pudessem obter maior benefício econômico das pessoas que, de um dia para o outro, apenas por uma mudança no critério, fossem diagnosticadas com sobrepeso: 29 milhões de pessoas nos EUA.
• Repudiamos categoricamente a “profissionalização” e a normalização de disciplinas como a Psicologia Bariátrica e a Bariatria, que se utilizam de ramos da psicologia como a cognitivo-comportamental, que pretendem ressignificar e “ajudar” o paciente a tratar suas inseguranças por meio da cirurgia bariátrica, assegurando que esta é a cura não apenas para recuperar sua saúde física, mas também mental, atribuindo à forma do corpo distúrbios como mal-estares, depressão, ansiedade e compulsão alimentar e prometendo a liberação e a cura, como se fosse uma terapia de conversão (ilegal em muitos países) tratada com uma cirurgia de riscos para a saúde no curto e no longo prazo.
• Não existe qualquer forma efetiva de perder peso no longo prazo (mais de cinco anos), mesmo quando a cultura popular se empenhe a nos fazer acreditar o contrário. Isto afeta a saúde mental das pessoas gordas, que jamais alcançarão o “peso saudável” (Mann et al, 2017).
• “O enfoque concentrado no peso (que se utiliza atualmente) não promove condutas de saúde, na realidade ele causa mais dano às pessoas do que o enfoque pesoinclusivo” (Tylka et al, 2014).
• Devido ao estigma e à discriminação, existe pouca investigação sobre como melhorar a qualidade de vida das pessoas gordas que vá além de uma recomendação de perda de peso.
• O acosso escolar engloba, entre outras formas de discriminação, os ataques gordofóbicos contra as pessoas de corpos grandes nas etapas da infância e da adolescência. Como consequência, pode haver um menor rendimento escolar, baixa autoestima, isolamento, entre outros. Com tudo isso, podemos dizer que “obesidade” é a palavra que a medicina usa para patologizar a nossa existência, quando simplesmente se trata de uma realidade corporal distinta. Etiquetar-nos como pessoas doentes distorce a visão da medicina e, consequentemente, as pessoas gordas somos tratadas de maneira diferenciada em consultas médicas.
• Em uma visita médica por qualquer motivo, nos recomendam uma dieta para perder peso ao invés de um diagnóstico real e preciso, porque nossos sintomas são atribuídos exclusivamente ao nosso peso.
• Nos recomendam adotar condutas que, para as pessoas magras, se associam a transtornos alimentares (TA), como: pesar os alimentos, contar calorias, fazer jejum, manter um controle diário do peso, fazer exercício de forma compulsiva etc.
• Nos recomendam a amputação de órgãos vitais (às quais chamam de “cirurgia de redução de estômago”).
• Nos recomendam consumir anfetaminas para diminuir a fome.

Sabemos que é obrigação do Estado (de todos os países) defender os direitos dos cidadãos, porém, em nome da “saúde” se violam mais de 13 direitos humanos, justificando assim a discriminação e o bullying relacionados ao peso.

A partir deste ano de 2022, todas as pessoas sensíveis a esta causa consideraremos o dia 4 de março o Dia Contra a Gordofobia, uma discriminação que ainda não foi tipificada, que somente se pode alegar sob o argumento de “discriminação por questão estética”, e que atinge diretamente as pessoas gordas, ao tratá-las como pessoas de menor valor do que as pessoas magras.

###
Documento assinado por 182 ativistas que lutam contra a Gordofobia 365 dias ao ano.
-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Assinado por:

1. @gordatupodcast
2. @artemapache
3. @nadie.hablara.de.nosotras
4. @estriadafatactivism
5. @stopgordofobiaoficial
6. @amibolapuntocom
7. @artegorde
8. @ladytopo
9. @sanamente.monica
10. Adnaloi Vila
11. @lamagduchi
12. @desaprendiendo_con_chary
13. @garvellmo
14. @clemepumpin
15. @escuadron_antidieta
16. @changebygi
17. @evasybrujaspodcast
18. @curvyharmony
19. @ole.mis.curvas
20. @comiendoprejuicios
21. @prietolunaa
22. @mf.alegre
23. @lauritamalet
24. @_anaremesal_
25. @la_vegorda
26. @gordassin
27. @juliabarcelofer
28. @cajonsororo
29. @lagordafeminista
30. @im.enough.lou
31. @leslienaranjoborges
32. @fotografiaplussize
33. @PlusSizePanama
34. @_lidiallamas
35. @infinitasiemore
36. @lumina.ilustrada
37. @catao02
38. @kimhaestips
39. @sombarbarie
40. @lamondonga
41. @lagordanosecalla
42. @_lacuerpa
43. @alejandraporta
44. @sindietas.hayparaiso
45. @dietistacont
46. @ingridlazaro_psicologia
47. @anti.gordofobia.uruguay
48. @lagordainsurrecta
49. @macarenapmisscurvyshuelva2022
50. @gordiwapa
51. @borderenglish
52. @angelarpsiconutricion
53. @verotlp_superaciontca
54. @lili.mushin
55. @salud.incluyente.haes
56. @desnudateautoestima
57. @franca.maravilla
58. @nodietvibes
59. @dietbreakk
60. @nutrition.for.wellness
61. @malujjimenez_
62. @proyecto_princesas
63. @paydemanzanita
64. @ilovemygordapty
65. @y.a.esta.que.le.pasa
66. Lucia Robles
67. @raidyshine
68. @gordafanpj
69. @kilosalviento
70. @ceci_wallace
71. @roxie_ph
72. @eugenia_modelovivo
73. @alasdemurcielago_
74. @paulefdz
75. @cassie_romanova
76. @psicologofeminista
77. @pesquisagorda
78. @barimorphosis
79. @que.estes.bien
80. @deb.dai
81. @lagordesfera
82. @nutriendo.mi.necesidad
83. @brendamdeoi
84. @alimentarenconexion
85. @mechymaestra
86. @pilivillegaswellness
87. @caminoaconfiarentucuerpo
88. @endocrinoplaya
89. Carolina Blanco Urrutia
90. @nutriologaquelibera
91. @indimatu
92. @fatlandcreaciones
93. @brenda.mato
94. @lanutriok
95. @beatrizverdi_
96. @nutricontuti
97. @nutricionconscientesalta
98. @amma_saludynutricion
99. @nutriendovidas.cr
100. @nutricion_cristinab
101. @lanutrisabogal
102. @vantelinapaz
103. @nutretualma.cl
104. Nadia Alvarado Molina
105. @nutritan_oficial
106. @semillasdecompasion
107. @nutrintuitiva_
108. @noescuentafit
109. @anapatyglz
110. @rosarilanutrirox
111. @nutpositiva
112. @nutrition_spot_mx
113. @karinamojicanutri
114. @ilanaborovoy
115. @raquelobaton
116. @nutricionsari
117. @moxiebalance
118. @nutriit.pm
119. @miryamanzano
120. @alejandra.suarez.r
121. @nut.alimentacionintuitiva
122. @shan.becerril
123. @nutri.fernandags
124. @amaiastarring
125. @leuryck_valentin
126. @malujimenez_
127. @mcastromo
128. @acuerpadamx
129. @psiev_psicoterapia
130. @drhaicarosenfeld
131. @somoshaes
132. @llenatedeticonmarga
133. @psic.carolinaperez
134. @patripalenzuela
135. @lauraalberolapsicologia
136. @psico.ainalucia
137. @yolocitlali.psicointuitiva
138. @saludableatumedida.cl
139. @psico__marinabueno
140. @igualhablando
141. @mireiahurtado_mindful_eating
142. @psic.letyquintanar
143. @anaariz
144. @sexologadibari
145. @pdcarri
146. @tesshache_
147. @shaleenvegan
148. @elsadillema
149. @iresaborido
150. @shuichigonya
151. @la_lore_garcia
152. @majorglayzer
153. @croquetamente__
154. @pilivillegaswellness
155. @desnudateautoestima
156. @maruz86
157. @bitacoradeunagorda
158. @enfermeria.con_ciencia
159. @lagordafest
160. @nutricion.gaby
161. @psicbelindahl
162. @el_cuerpo_negado_gordofobia
163. @lamachinearien
164. @vanjoda
165. @yogaparatodesbrasil
166. @atleta_de_peso
167. @komandogordix
168. @thereza_chehab
169. @gabimenezes
170. @julibertran
171. @holonutri
172. @angelarpsiconutrucion
173. @sTxells
174. @gordesactivando
175. @menjunje.nutricion
176. @nutri.paurejon
177. @ser_perfectamenteimperfecta
178. @colorfoodnutri
179. @_sadlly
180. @eatwisebymayra
181. @marikarmenfree
182. @itsnaiana

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários