Tamanho do texto

Escolha pode ser mais complexa e complicada do que parece. Veja dicas

Com o verão à espreita e as temperaturas em elevação, uma questão começa a martelar muitos brasileiros:  ventilador ou ar condicionado ? Não existe uma resposta certa ou errada. A escolha imperiosamente depende de uma conjuntura que envolve finanças, ambiente, entre outras particularidades.

ventilador arrow-options
shutterstock
mulher no ventilador

Superficialmente um ventilador pode parecer um investimento menos custoso e é uma opção válida para emergências, vale lembrar que em verões passados o estoque de ventiladores chegou a esvaziar em lojas varejistas de grandes metrópoles como Rio de Janeiro e São Paulo. Mas um ventilador de teto, com instalação, pode custar quase tanto, em alguns casos até mais, do que um ar condicionado. Por isso, é preciso algum cálculo e consideração antes de optar por um ou outro.

O que é melhor para mim?

Às vezes passa-se tanto calor na rua que se resolve essa questão com o foco errado. Há de se considerar se a casa, e o cômodo em questão, é pequena, grande, arejada, se bate bastante sol ou não, quantos pessoas têm em média, etc. Esse tipo de ponderação é importante e será decisiva para entender se um ventilador seria suficiente ou um ar condicionado seria vital para o ambiente.

ventiladores que custam entre  R$ 40R$ 300 – bons  ventiladores de teto partem da faixa dos R$ 330 -, enquanto os aparelhos de ar condicionado partem de R$ 1.000 .

A conta continua

Um aparelho de ar condicionado gasta mais energia do que uma geladeira ou um chuveiro elétrico e, se ligado por oito durante o dia, pode consumir mais de 190kwh por mês. A grande vantagem é o conforto térmico. Ele oferece ao consumidor a possibilidade de controlar a temperatura, algo que o ventilador não permite. O eletrodoméstico, no entanto, costuma deixar o ar mais seco, o que pode ser prejudicial para pessoas alérgicas.

ar condicionado tem outras vantagens, como eliminar fungos e bactérias do ar e uma vida útil grande, podendo durar décadas. Se bem conservado, com a higienização e limpeza periódica do filtro, pode ser um aliado importante na economia e na qualidade de vida.

O bom, bonito e dá pro gasto?

O ventilador pode ser uma solução provisória para quem vive em um lugar quente e está apertado ou definitiva para quem vive em uma casa bem arejada, não fica muito em casa, etc.

A primeira coisa a decidir é se ele vai ser provisório ou definitivo. Se a opção for pela segunda via, há outras questões a se pensar. Um produto com quatro ou seis hélices? Com controle remoto? Velocidade extra? São decisões que refinam o eletrodoméstico , mas o aproximam do custo imediato do ar-condicionado .

A decisão por um ventilador ou ar condicionado sempre vai ser pessoal, mas é preciso pesar todos esses fatores combinados à necessidade real.

    Leia tudo sobre: Casa