O projeto fotográfico "The Curl Talk Project" começou porque a francesa Johanna Yaovi, que mora em Londres, Inglaterra, se sentia frustrada com a falta de representação para mulheres que têm cabelos cacheados naturais. Então, ela quis contar histórias de cacheadas através de fotos e abordar como os cachos vão além da beleza e estão ligado a questões como empoderamento, raça e diversidade. 

Leia também: Cabelo cacheado: 5 dicas baratas para manter seus cachos definidos

Johanna arrow-options
Reprodução/Instagram/thecurltalkproject
Johanna criou o 'The Curl Talk Project' como um espaço para mulheres com cabelos cacheados compartilharem suas histórias

"Como uma mulher bi-racial e cacheada, criada por uma mãe negra e entendendo nosso cabelo em uma sociedade onde não haviam muitos padrões como nós foi um verdadeiro desafio para nós duas", conta ela ao Metro UK

"Se estávamos tendo dificuldade nessa jornada, muitas pessoas no mundo todo estavam também. Explorando isso e dando voz às mulheres sobre esse assunto foi a força para criar o 'The Curl Talk Project', completa Johanna.

Segundo ela, criar um momento para falar sobre cabelos cacheados faz com as pessoas criem sua própria narrativa. "Não precisamos esperar que grandes organizações façam isso para nós. Criamos nossos próprios espaços e isso é extremamente poderoso. Todos somos importantes e merecemos representação, independente do nosso tipo de cabelo, cor de pele, condição ou sexualidade", diz. 

Leia também: Cabelo black power: como cortar e cuidar dos fios cacheados e crespos?

Veja algumas das histórias contadas no projeto fotográfico: 

Djamila arrow-options
Reprodução/Instagram/thecurltalkproject
Djamila reforça que elogiar outras mulheres que têm os cabelos cacheados é essencial

"Como cacheada, não penso muito no nível de representatividade que temos, mas penso na importância de elogiar umas às outras! Existem tantas coisas que podem ser feitas em um cabelo cacheado e é essencial destacar isso de uma forma positiva, mesmo que seja dizendo para outras amigas cacheadas que elas estão lindas" - Djamila, Holanda. 

Alice arrow-options
Reprodução/Instagram/thecurltalkproject
Alice afirma não se sentir representada, mas ressalta o quanto é importante aceitar os cachos

"Mesmo que eu não tenha muitas coisas negativas a dizer em relação ao meu relacionamento com meus cabelos, ainda sou capaz de perceber que não sou representada na mídia. Está melhorando, somos mais encorajadas a usar nossos cabelos naturais, mas ainda há trabalho a fazer sobre isso. Pode ser difícil ignorar os padrões de beleza e focar em si, mas é importante tentar." - Alice, França. 

Manon arrow-options
Reprodução/Instagram/thecurltalkproject
Manon conta ao 'The Curl Talk Project' que já foi rejeitada em um salão por ter os cabelos cacheados

"Amar seu cabelo é essencial, especialmente quando você considera que ser uma menina cacheada te faz experimente situações muito desagradáveis. Ser rejeitada em um salão de cabeleireiro por causa do meu cabelo foi difícil de aceitar, por exemplo" - Manon, França. 

Lekia arrow-options
Reprodução/Instagram/thecurltalkproject
Lekia teve o apoio dos irmãos para aceitar os cabelos e afirma que eles são grandes defensores dos cachos

"Quando comecei a aceitar meu cabelo, meus irmãos me apoiaram muito. Eles me amam, então nenhuma decisão tomada por mim em relação à minha própria beleza é questionada por eles. Eles são grandes defensores dos cabelos cacheados naturais!" - Lekia, fundadora do projeto "Embrace". 

Leia também: Lenço para cabelo afro: 10 famosas que vão te inspirar a apostar no item

Aude arrow-options
Reprodução/Instagram/thecurltalkproject
Aude já ouviu comentários negativos sobre os cabelos e, agora, os usa como uma força para aceitá-los

“Uso meu cabelo para acabar com décadas de mensagens negativas e ideias erradas vindas da minha família ou da própria sociedade. Coisas como 'cabelos afro não crescem' ou ' cabelos afro não podem ser bonitos, a menos que sejam longos e com cachos soltos'" - Aude, França.

    Veja Também

      Mostrar mais