Women's Health

Ano após ano o mercado de beleza surpreende com novos procedimentos – muitas vezes inusitados ou até mesmo bizarros. E quem não se lembra da pedicure com peixes? Após viralizar na internet, o método ganhou espaço em alguns salões ao redor do mundo, inclusive no Brasil. Contudo, um acontecimento provou que a técnica não é nada segura para a saúde das unhas .

Pedicure com peixes
shutterstock
Na técnica diferente de pedicure, os peixes comem as peles mortas dos pés dos clientes

Leia também: Unhas encravadas: dicas de como cuidar e prevenir esse mal

De acordo com um conteúdo publicado no JAMA Dermatology (EUA), uma mulher perdeu todas as unhas dos pés após se submeter ao “ peixe-pedicure ”. O relatório apontou que a jovem de 20 anos apresentou um “histórico de seis meses com as unhas anormais”.

O problema não estava relacionado com lesões causadas por contato de atividade física, nem a doenças e machucados nos pés. Foi aí, então, que ela relatou que havia passado pelo tratamento com os peixes antes de seus problemas começarem.

Como funciona a pedicure com peixes?

Antes de continuarmos, vale entender como funciona o procedimento. É simples: você mergulha os pés em uma bacia de água com uma espécie chamada “peixe-médico” para que eles comam a pele morta.

Como os autores do estudo apontam, a prática pode, de fato, ser funcional. Pesquisas indicaram que o método pode ser usado para reduzir placas de psoríase (descamação), já que os peixes basicamente comem as camadas mortas enquanto ignoram a pele saudável. Algumas pessoas que fizeram afirmaram que, de fato, garante pés macios e cheirosos. Porém, como os autores declararam, essas alegações são infundadas.

Leia também: Saiba como deixar suas unhas fracas muito mais saudáveis com dicas simples

Por que as unhas caíram?

Agora vamos voltar à história da mulher. Os médicos acabaram descobrindo que ela havia desenvolvido onicomadese – quando a raiz da unha se separa do tecido sob ela, impedindo seu crescimento. E foi isso basicamente que as fez caírem.

“Em meu conhecimento, este é o primeiro caso associado a um ‘peixe-pedicure’”, escreveu Shari R. Lipner, autora do estudo e dermatologista da Weill Cornell Medicine (EUA). Ela acrescenta que, embora não esteja claro por que isso aconteceu, as mordidas dos peixes podem ter causado trauma às unhas, forçando-as a parar de crescer.


unhas
Divulgação/JAMA Dermatology
Unhas da mulher após fazer sessões de pedicure com peixes

Os autores do estudo também apontam que esse método é bem arriscado. Isso porque os peixes (e as bacias) podem não ser higienizados adequadamente nos estabelecimentos, além de muitas vezes serem reutilizados. Isso torna a transmissão de infecções uma possibilidade muito real – algumas pessoas relataram infecções por Staphylococcus aureus após passar pelo “peixe-pedicure”.

Outro sinal vermelho é que eles são banidos em mais de 10 estados dos Estados Unidos por conta da questão de higiene. E pior: pode ser até que te coloquem para fazer os pés com peixes que, na verdade, nem são os medicinais, mas sim da espécie Chinchin chinês. Eles são frequentemente confundidos – exceto pela diferença de que o Chinchin tem dentes e extrai sangue, de acordo com o Centers for Disease Control and Prevention (EUA).

Por fim, mais um ponto negativo dessa técnica é que, para comer pele humana, os peixes precisam estar morrendo de fome – o que é bem cruel. Portanto, definitivamente não vá a um “peixe-pedicure”. Aposte no método tradicional e desfile por aí seus pés saudáveis.

Leia também: Aprenda a fazer as unhas do pé em casa com 9 passos e economize na pedicure

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários