Tamanho do texto

Sabemos que é preciso usar filtro para se proteger da luz do sol, mas a luz das lâmpadas da sua casa ou do seu computador também pode prejudicar a pele

Com a chegada do verão, muitas pessoas se preocupam com a pele, principalmente com as agressoões causadas pela exposição ao sol. Mas não é só esse tipo de queimadura que faz mal para nossa cutis. Outro tipo de iluminação - muito comum no nosso dia-a-dia - pode auxiliar no aparecimento de manchas: a luz branca.

+ Bicarbonato de sódio: receitas caseiras embelezadoras

Conheça os malefícios da luz branca pode causar a pele
Getty Images
Conheça os malefícios da luz branca pode causar a pele

Aparentemente inofensiva, a luz branca  está presente em vários cômodos da casa e do trabalho, como na tela da TV, no computador, do tablet e do celular e pelas lâmpadas fluorescentes. A luz visível - como também é conhecida - causa danos à pele, como a formação de radicais livres, que alteram as células de pigmentação e degradam o colágeno. Ela também é responsável por acelerar o envelhecimento precoce, causar melasma e outras manchinhas.  Pessoas que realizam tratamentos de pele, como peeling e laser, ou com doenças desencadeadas pelo sol, como lúpus, devem redobrar os cuidados com a proteção.

+ Muita cor na boca! Inspire-se nos batons coloridos de Jenni Mosello, do X Factor

Daniela Lemes, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia, da Sociedade Brasileira de Laser em Medicina e Cirurgia, da American Academy of Dermatology e diretora médica da clínica Daniela Lemes Dermatologia & Laser faz um alerta sobre os cuidados com essa exposição. “Quem trabalha na modalidade home office, por exemplo, sofre a incidência ao longo do dia da luz do computador, do smartphone e da claridade vinda da janela”, diz ela.

De acordo com a médica, a maioria dos filtros protegem somente contra os raios ultravioleta. Para bloquear a luz branca é necessário aplicar um filtro físico, que reflete a energia da luz e forma uma barreira física. “Deve-se usar uma base com fator de proteção e/ou filtro mais espesso que contenha óxido de zinco ou dióxido de titânio na formulação”, indica Daniela.

Cuidado redobrado na rua

Fora de casa a proteção continua sendo essencial. Se for tomar um solzinho na piscina do quintal, vale lembrar que a exposição aos raios solares deve ser feita com protetor solar, evitando-se o horário entre 10h e 16h. “O filtro deve ter FPS de no mínimo 30, devendo ser reaplicado a cada duas horas. Se a pessoa transpirar muito ou ficar longo período na água, é preciso passar uma nova camada do produto”, ressalta a dermatologista.

Por terem a pele mais sensível e suscetíveis a queimaduras, idosos e crianças requerem mais cuidados. Crianças só devem usar protetor a partir dos seis meses, pois antes disso a pele está muito fina e corre o risco de os ativos serem absorvidos pela pele. Antes dos seis meses o melhor é evitar a exposição solar prolongada e proteger o bebê com roupas, chapéu/bonés. Já na terceira idade a pele fica mais frágil, por isso é preciso ficar mais atento.

Como calcular a quantidade de protetor solar

Para se proteger das luzes - seja ela a luz solar, seja a luz visível - uma dica é usar a regra da colher de chá. O utensílio de cozinha pode te auxiliar na quantidade exata para garantir a melhor proteção, mas vale lembrar que a reaplicação do protetor é muito importante. Siga a receita:

- 1 colher de chá para rosto, cabeça e pescoço;

- 1 colher de chá para cada braço;

- 2 colheres de chá para cada perna;

- 2 colheres de chá para o tronco (frente e costas). 

Vale lembrar

Somente os protetores físicos - que são aqueles filtros com cor ou que deixam a pele com aspecto bem esbranquiçado - são capazes de bloquear que a luz branca com mais eficiência. 

+ Tatuagem para peles escuras: cores e dicas para melhorar a cicatrização

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.