Tamanho do texto

Não é difícil encontrar quem acredite que, conforme a vida sexual da mulher fica mais ativa, o diâmetro do canal vaginal aumenta permanentemente, mas, segundo especialistas, isso não passa de um mito; saiba mais

Apesar de as mulheres se mostrarem cada vez mais engajadas em discutir assuntos relacionados à sexualidade e à anatomia feminina, muitos aspectos ligados a esses temas seguem cercados de mitos. Não é à toa, portanto, que muitas mulheres acreditam ser necessário fazer  lavagens internas na vagina com substâncias agressivas para que a região íntima fique com um cheirinho agradável (sendo que, segundo especialistas, todas possuem um odor característico que não indica necessariamente a falta de higiene íntima).

Quando o assunto é a sexualidade feminina e a anatomia da vagina, as pessoas ainda têm muito o que aprender
Shutterstock
Quando o assunto é a sexualidade feminina e a anatomia da vagina, as pessoas ainda têm muito o que aprender

Outra questão que também costuma gerar muita dúvida é a respeito da elasticidade da vagina . De tempos em tempos, é comum que apareçam tuítes e postagens com conotação de humor comparando orifícios com diferentes diâmetros com os “estágios” do canal vaginal dependendo da quantidade de sexo que a mulher já fez na vida, mostrando que boa parte das pessoas não tem noção alguma da anatomia e da sexualidade feminina.

Afinal, a vagina “alarga”?

Com mais de 2,4 mil compartilhamentos e cerca de 4,2 mil curtidas, este tuíte recente usa postas de peixe com orifícios cada vez maiores para exemplificar o canal vaginal quando a mulher ainda é virgem, após o primeiro relacionamento e em estágios da vida em que optou por ter vários parceiros.

Além de postagens como esta, que comparam orifícios cada vez mais largos com
Reprodução/Twitter
Além de postagens como esta, que comparam orifícios cada vez mais largos com "estágios" da vagina serem ofensivas, a comparação não tem fundamento algum, já que o canal vaginal tem a capacidade de se expandir e voltar ao normal

A ideia expressa é a de que, quanto mais sexo a mulher faz, mais “larga” fica a abertura vaginal – e de forma permanente. Mas, afinal, isso realmente acontece? Segundo especialistas, não. De acordo com a ginecologista Mariana Maldonado , tanto o canal vaginal quanto o colo do útero são capazes de se expandir, tornando possível tanto a inserção de absorventes internos, brinquedos eróticos e o próprio pênis quanto a passagem de um bebê durante o parto.

Após essa expansão, seja ela durante o sexo ou durante o nascimento de uma criança, o canal volta ao normal em algumas horas ou, dependendo de qual foi a situação que ocasionou o processo, alguns dias. Segundo a ginecologista, o que pode acontecer é a mulher ter lesões no períneo – trecho de pele que fica entre a abertura vaginal e o ânus – em razão de complicações no parto, mas a questão pode ser resolvida com cirurgias reparadoras que fazem a região voltar ao normal. Se nem um bebê é capaz de alargar permanentemente a abertura do canal vaginal, não é o pênis que conseguirá essa proeza, certo?

Falta de conhecimento ou misoginia?

Apesar de haver, sim, muita desinformação acerca da região íntima feminina, a vulva e a vagina têm suas particularidades frequentemente ironizadas pela sociedade. Apesar de passarem por “piadas inocentes”, a ideia de que essa parte do corpo feminino deve ter uma cor específica, exalar perfume, ser perfeitamente simétrica e desprovida de pelos leva muitas mulheres a odiarem o próprio corpo e desenvolverem complexos a respeito disso .

Buscando rejuvenescer e clarear a vagina ou até deixar a mucosa mais “firme”, algumas dessas mulheres chegam até a optar por procedimentos drásticos. Segundo a Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica Estética, o número de labioplastias (cirurgia que reduz o tamanho dos lábios vaginais) praticamente dobrou de 2015 para 2016, passando de 12,8 mil para 23,1 mil, mesmo que, segundo especialistas, nem sempre esses procedimentos são realmente indicados.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.