Tamanho do texto

O relacionamento poliamoroso dos americanos Brittany e Conor ficou conhecido depois que os dois publicaram vídeos explicando sobre o assunto

Apesar do que muitas pessoas pensam, ter um relacionamento aberto ou ser adepto ao poliamor não é problema para muitos casais. Os americanos Brittany Taylor, de 29 anos, e Conor McMillen, 33, por exemplo, não gostam de colocar rótulos em sua relação, mas admitem ter dormido com outras pessoas durante os três anos que estão juntos. 

Leia também: Relações que abrem mão da exclusividade sexual são tendência

Brittany Taylor e Conor McMillen estão juntos há três anos e são adeptos de uma relação de poliamor
Reprodução/Facebook
Brittany Taylor e Conor McMillen estão juntos há três anos e são adeptos de uma relação de poliamor


Conor e Brittany consideram que seu relacionamento "fluido", como eles mesmos denominam, os tornou mais fortes do que nunca. Os dois se consideram " sex positive ", ou seja, valorizam a liberdade sexual. Durante os anos de relacionamento, eles optaram por viver experiências ligadas ao poliamor e cada um deles experimentou se relacionar com outras pessoas, seja em curto ou longo prazo, e fazer sexo a três. 

Ao jornal britânico "The Sun", eles disseram que também é comum compartilhar amantes um com o outro, na prática denominada " swing ". "Nós seguimos nossos corações, sempre seguindo nossos desejos mais verdadeiros. Nós sempre perguntamos um para o outro [sobre os sentimentos na relação], estamos constantemente crescendo e evoluindo, e nos apaixonando um pelo outro e por nós mesmos todos os dias", diz o casal. 

Leia também: “Não há menos amor com meu marido", diz poligâmica que também tem namorado


Mesmo com diáologo sempre aberto, eles contam também que já passaram por situações de ciúmes desde o início da relação. "Muitas vezes, quando nós sentimos com ciúmes, gostamos de mergulhar mais profundamente na compreensão dos sentimentos que surgem. O ciúme é apenas uma palavra. Quais são os sentimentos por baixo?"

Eles mesmos respondem a pergunta anterior: "Geralmente, é uma mistura de emoções que faz parte de nós, como medo, indignidade, tristeza, emoção e assim por diante. Muitas vezes, nós reconhecemos o sentimento de falta que pode surgir enquanto pensamos sobre a abundância que a outra pessoa aparentemente está tendo, é um desejo de experimentar nossa própria abundância."

Fama na internet

Na descrição de seu canal no Youtube, eles falam sobre o intuito de divulgarem a história de amor que vivem. "Nos juntamos para compartilhar sobre nosso relacionamento uns com os outros e os relacionamentos que compartilhamos com os outros. Adoramos nos relacionar com todos os tipos de pessoas, ter conexões não tradicionais e compartilhar nossas experiências com o mundo."

"Se você está interessado em relações de poliamor, abertas, sem monogamia e com relacionamentos não tradicionais... Ou se você estiver interessado em monogamia, aprofundando sua conexão com seu parceiro e, em geral, buscando conexões mais autênticas tanto com você quanto com os outros, nós acho que você encontrará valor aqui", finalizam Brittany e Conor.

Leia também: Poliamor é sinônimo de liberdade, mas ainda requer aceitação


Os americanos acreditam que as pessoas podem ver o amor genuíno que compartilham nos vídeos e despertam curiosidade nos seguidores.  "As pessoas nos fazem perguntas divertidas e íntimas sobre nossas vidas sexuais. Essas são as nossas favoritas. Muitas pessoas dizem que gostariam de tentar, mas se sentem receosas."

O canal do casal adepto ao poliamor tem pouco mais quase dois anos de existência, mais de 20 mil inscritos e uma média de pouco mais de 4 milhões de visualizações nos vídeos. A relação deles com os fãs também é bastante positiva. "Recebemos muito apoio. Não há muito espaço para o ceticismo", dizem. 

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.