Tamanho do texto

Locais públicos, alguns cômodos da casa e até certas posições sexuais podem fazer com que o sexo seja desastroso ou, no mínimo, bastante constrangedor

O sexo consensual entre adultos é sempre uma experiência maravilhosamente prazerosa, correto? Não necessariamente. Por pressa ou até por vontade de realizar uma fantasia sexual, não é muito difícil encontrar pessoas optam por fazer sexo em locais que oferecem riscos, ou se colocam em situações que podem terminar em desastre. Veja alguns fatores, locais e até certas posições sexuais que podem fazer com que hora H vire a hora do pesadelo e que, na dúvida, é melhor evitar.

Leia também: Quebrou, e agora? Saiba o que fazer em casos de fraturas no pênis

1. No chuveiro

O banho pode até parecer um local convidativo (e prático) para uma rapidinha, mas, na vida real, fazer sexo debaixo do chuveiro definitivamente não é como nos filmes. O espaço do box normalmente é limitado e não há muitos locais que sirvam de apoio para estabilizar o casal durante os movimentos. Além disso, apesar de haver água presente na situação, se a temperatura não for regulada, o combo ambiente quente e temperatura do corpo elevada podem não fazer muito bem.

Fazer sexo no chuveiro pode até ser interessante, mas é bom lembrar que o ambiente é pequeno e escorregadio
Shutterstock
Fazer sexo no chuveiro pode até ser interessante, mas é bom lembrar que o ambiente é pequeno e escorregadio

Se somarmos isso ao fato de que a situação envolve um piso molhado – e, muitas vezes, ensaboado – o chuveiro se mostra um lugar relativamente inapropriado para uma transa.

2. Na banheira ou na piscina

Transar na banheira ou na piscina é uma fantasia sexual de muita gente. Nos filmes pornô, tudo parece bastante confortável e prazeroso, mas as chances de tudo terminar em desastre não são baixas. De acordo com especialistas , apesar de a água ser escorregadia, ela não funciona como lubrificante e pode inclusive inibir a lubrificação feminina, tornando o sexo doloroso.

A água prejudica a lubrificação natural da mulher e a eficácia da camisinha, além de aumentar os riscos de infecções
Shutterstock
A água prejudica a lubrificação natural da mulher e a eficácia da camisinha, além de aumentar os riscos de infecções

O sexo na água também pode prejudicar a contracepção e a proteção contra doenças, já que o contato entre a água e o preservativo pode fazer com que ele escorregue do pênis ou até se rompa com mais facilidade. Além disso, a presença de algumas substâncias da água e do sabão durante o sexo podem favorecer o surgimento de infecções na região íntima feminina.

3. Com comidas

Alguns alimentos são ótimos para incrementar o sexo, mas não quando entram em contato com as genitálias
Shutterstock
Alguns alimentos são ótimos para incrementar o sexo, mas não quando entram em contato com as genitálias

Incrementar o sexo com champanhe, chantilly, calda de chocolate e até alguns morangos pode ser realmente interessante, já que instiga os sentidos e permite brincadeiras divertidas, mas há chances de a situação se tornar um desastre caso uma das pessoas seja alérgica a algo (e desconheça o problema), os alimentos estejam muito quentes ou entrem em contato com as partes íntimas.

4. Na praia

De acordo com uma pesquisa recente, 30% dos norte-americanos já fizeram sexo na praia e 23,2% dessas pessoas acharam a experiência agradável e tem vontade de repeti-la. Apesar de a fantasia sexual ter alguns fãs, algumas coisas podem dar errado ao realizá-la. Em primeiro lugar, tanto no mar quanto em uma toalha de praia, é possível que a areia entre em lugares onde não deveria, coisa que muita gente pode achar bastante desconfortável (mas, ei, cada um com suas preferências!).

A menos que você goste de ter areia pelo corpo (inclusive nas partes íntimas), fazer sexo na praia não é uma boa ideia
Shutterstock
A menos que você goste de ter areia pelo corpo (inclusive nas partes íntimas), fazer sexo na praia não é uma boa ideia

Em segundo lugar, dados da mesma pesquisa apontam que 17% das pessoas que já transaram em uma paisagem paradisíaca como a praia foram vistas na hora H. Aqui, é importante lembrar que atos assim podem render uma multa ou até prisão . Melhor não arriscar, certo?

5. No carro

Este local segue a mesma linha da praia. A menos que o veículo esteja estacionado em uma garagem – o que ainda pode gerar alguns constrangimentos caso você more em um prédio –, há chances de o casal ser visto e entrar em apuros. Para evitar que isso aconteça, algumas pessoas optam por parar em ruas movimentadas e em horários alternativos, o que torna tudo ainda mais arriscado.

Além de o ambiente ser pequeno e abafado, parar o carro em locais desertos para uma rapidinha pode ser algo arriscado
Shutterstock
Além de o ambiente ser pequeno e abafado, parar o carro em locais desertos para uma rapidinha pode ser algo arriscado

Além disso, o carro é apertado e não permite muitas opções de posições durante o sexo, podendo ocasionar torções, torcicolos, hematomas, dores chatinhas e situações constrangedora, enquanto o clima abafado pode tirar o ar do casal (mas não exatamente pelo prazer ).

6. Na posição do cachorrinho

Se o casal ficar em casa (e, se preferência, na cama), as chances de acidentes ocorrerem é nula, certo? Errado, já que até algumas posições sexuais podem ocasionar desastres bastante dolorosos. De acordo com um estudo recente , a posição do “cachorrinho”, em que a mulher fica de quatro e o homem a penetra por trás é a que mais ocasiona casos de pênis se quebrando durante a transa.

De acordo com um estudo recente, a posição sexual que mais faz pênis quebrarem é a do
Renato Munhoz (Arte iG)
De acordo com um estudo recente, a posição sexual que mais faz pênis quebrarem é a do "cachorrinho" ou "de quatro"

É isso mesmo, pênis quebrados. No calor do momento, o casal pode acabar fazendo movimentos em um ângulo que favorece esse tipo de acidente, então, se você for uma pessoa um tanto desastrada, é bom prestar bastante atenção ou esquecer que algumas posições existem na hora de fazer sexo.

7. Sob efeito de álcool

Não é difícil encontrar pessoas que recorrem ao álcool durante encontros ou antes do sexo para “se soltar”. No entanto, além de o álcool aumentar os riscos de o homem não conseguir manter a ereção, há também a questão do consenso em jogo.

O álcool pode até deixar as pessoas mais confiantes, mas pode gerar problemas no campo do consenso
Shutterstock
O álcool pode até deixar as pessoas mais confiantes, mas pode gerar problemas no campo do consenso

Dependendo do quão alcoolizadas as pessoas estão, elas não têm condições de dizer se querem ou não fazer sexo, então, na dúvida, é melhor é não ir para a cama com pessoas que estão muito bêbadas (principalmente se elas forem desconhecidas). No fim, o ideal mesmo é evitar o álcool para passar longe desse tipo de situação, certo?

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas