Tamanho do texto

Além dos órgãos genitais, há muitas (e inusitadas) partes do corpo que podem gerar prazer intenso tanto para homens quanto para mulheres

Sabe aquela parte do seu corpo que quando é tocada, parece emitir faíscas, arrepiando a pele e te deixando meio molenga? Provavelmente, essa é uma das suas zonas erógenas. Por terem muitas terminações nervosas ou pele mais fina, essas partes do corpo são mais sensíveis ao toque, provocando uma sensação de prazer quando estimuladas. 

Leia também: Veja cinco dicas para retardar a ejaculação do parceiro e fazer o sexo durar mais

Ao contrário do que alguns pensam, o prazer não vem apenas com a estimulação dos órgãos genitais
Shutterstock
Ao contrário do que alguns pensam, o prazer não vem apenas com a estimulação dos órgãos genitais

Não é comum que mulheres sejam incentivadas as descobrir quais partes do corpo as fazem sentir prazer quando tocadas. Enquanto isso, apesar de estarem mais acostumados a se masturbar, muitos homens não conhecem algumas das principais zonas erógenas do próprio corpo ou têm medo de testar coisas novas. Saber onde elas ficam e como estimulá-las, porém, pode tornar a vida sexual mais satisfatória e completa. Confira 12 zonas do corpo que, quando tocadas, ajudam a deixar o sexo ainda mais incrível:

1. Lábios

Se você está se perguntando por que beijar na boca é algo tão prazeroso de se fazer, eis a resposta: os lábios são uma das zonas erógenas do corpo (tanto do homem quanto da mulher). Porém, de acordo com Claudia Six, sexóloga, autora do livro “Erotic Integrity: Ho to be True to Yourself Sexually” e consultada pelo “Refinery 29”, é preciso saber exatamente como a outra pessoa gosta de ser beijada antes de sair fazendo coisas mirabolantes.

“É importante saber se a pessoa gosta de lambidas com muita respiração envolvida, mordidinhas ou beijos profundos. O que faz uma pessoa beijar bem é algo bastante subjetivo”, afirma a sexóloga.

2. Próstata

Este pode ser um grande dilema para os homens. A próstata é uma glândula localizada na frente do intestino reto e muito se fala sobre a região ser o “ponto G masculino”. Porém, em razão do famoso exame de toque que todos os homens precisam realizar a partir de certa idade, muitos pensam que a única forma de estimular a região é inserindo algo no ânus.

Na realidade, de acordo com Claudia, é possível estimular essa zona erógena pelo lado de fora. A sexóloga orienta espalhar um pouco de lubrificante nas pontas ou nos nós dos dedos e massagear gentilmente o períneo, trecho de pele que fica entre o ânus e os órgãos genitais. A especialista alerta, porém, que não é uma boa ideia começar as preliminares com isso. O ideal é esperar que o parceiro já esteja ligeiramente excitado e, é claro, conversar com ele a respeito da prática e da intensidade do toque.

3. Ponto G

Há extensas discussões sobre o prazer feminino, desde a existência do ponto G até a capacidade que mulheres têm de ejacular quando chegam ao orgasmo. Porém, para Cátia Damasceno , especialista em sexualidade e colunista do iG Delas, o ponto G não tem nada de mítico.

Segundo a especialista, essa zona erógena fica na parede anterior da vagina (ou seja, na parte mais “próxima” do umbigo, e não das costas), a cerca de 5 ou 7 centímetros da entrada do canal, e é caracterizada por algumas rugosidades. Ela afirma que tocar a região é tão prazeroso devido à grande quantidade de terminações nervosas.

Antes de sugerir que essa zona seja estimulada durante o sexo , porém, é necessário que a mulher encontre o próprio ponto G e estimule-o sozinha para descobrir o que é bom e o que não é. Segundo Cátia, isso pode ser feito tanto com os dedos quanto com vibradores que são um pouco mais curvados, ideais para alcançar a região. Na hora de tentar estimular a região nas preliminares, o ideal é que o parceiro ou parceira insira dois dedos e faça um movimento como quem diz “vem aqui”.

4. Parte de trás dos joelhos

Surpresa! Se você achou que as zonas erógenas sempre estariam ligadas aos órgãos genitais, se enganou. A parte de trás dos joelhos pode reservar boas surpresas. De acordo com Claudia, é comum que haja menos pelos nessa região, além de a pele ser excepcionalmente sensível. A dica da especialista é a de que cócegas, mordidas leves e esfregadinhas na área são suficientes para dar prazer, mas que usar objetos – como uma pena ou até as pontas do próprio cabelo – também é algo bem vindo.

5. Parte interna das coxas

Da mesma forma que a parte de trás dos joelhos, a pele sensível e a grande quantidade de terminações nervosas da parte interna da coxa fazem com que ela seja uma boa ideia para deixar qualquer um excitado. Segundo Claudia, estimular a região com a boca ou com leves arranhões funciona, mas também há a possibilidade de usar objetos, como um cinto ou algo de pano, passando-os de leve sobre a pele.

6. Lóbulos das orelhas

Ah, as terminações nervosas de novo. De acordo com Claudia, essa região é cheia delas, tornando o toque extremamente prazeroso. A especialista afirma ainda que o estímulo na região pode ir desde o toque com os dedos e mordidinhas até sussurros.

7. Clitóris

De acordo com a ginecologista Mariana Maldonado, o clitóris e o pênis têm a mesma origem embriológica, ou seja, são criados da mesma forma quando o embrião ainda está se desenvolvendo no útero da mãe. Isso significa, segundo a médica, que eles têm a mesma estrutura interna, sendo que o clitóris é menos desenvolvido.

Porém, apesar de ser menos desenvolvido do que o pênis, ele não falha em gerar prazer: de acordo com a ginecologista, ele é literalmente o único órgão (tanto do corpo feminino quanto do corpo masculino) cuja função é apenas dar prazer. Segundo Claudia, lamber e sugar a região é a melhor forma de estimulá-la.

Leia também: Você conhece sua pepeca? Saiba tudo sobre a região íntima feminina

8. Pescoço

Quando tocadas nessa região (mesmo que casualmente, sem que haja um intuito sexual), algumas pessoas quase têm uma síncope. Claudia diz que isso acontece porque o pescoço inteirinho é uma zona erógena, desde a frente e a base das orelhas até a nuca.

De acordo com a especialista, porém, cada pessoa tem um ponto em que gosta mais de ser estimulado, além de uma forma específica para isso. “É melhor perguntar onde e como aquela pessoa gosta que toquem em seu pescoço”, afirma.

9. Parte baixa do abdômen

Pode parecer estranho que essa região seja uma zona erógena, mas você se lembra de quando ainda estava descobrindo sua sexualidade e se excitava quando alguém distribuía carícias por ali? Pois é. De acordo com Claudia, essa área do corpo é bastante sensível tanto para homens quanto para mulheres. O ideal, segundo a especialista, é fazer carinhos provocantes ou até beijar um pouco a região. 

10. Mamilos

Além de ser coberta por uma pele mais fina e sensível, essa é outra região que, tanto nos homens quanto nas mulheres, tem uma tonelada de terminações nervosas. Veja só como eles são uma zona erógena poderosa: um estudo recente  mostra que, entre as 200 mulheres consultadas pela pesquisa, 29% delas afirmam já ter experimentando orgasmos apenas com a estimulação dos mamilos.

Outro estudo publicado pelo “The Journal of Sexual Medicine” afirma que a estimulação dos seios ativa a mesma parte do cérebro acionada quando o clitóris é estimulado.  Sendo assim, Carla explica que a melhor forma de tocar a região é lambendo ou sugando, mas que, uma vez excitadas, algumas pessoas gostam de mordidinhas ou outras brincadeiras um pouco mais intensas. Aqui também vale ter uma conversa sobre a melhor forma de dar prazer para o parceiro ou parceira para que ninguém fique desconfortável.

11. Ânus

De acordo com Claudia, o ânus também é uma região lotada de terminações nervosas, explicando o fato de que muitas pessoas ficam excitadas quando há estimulação dessa região (sim, tanto homens quanto mulheres). Apesar disso, a especialista afirma que, assim como o ponto G e a próstata, não é uma boa ideia começar as preliminares por ali. “É mais fácil se a pessoa já está ligeiramente excitada. É melhor ‘acender o fogo’ antes de chegar lá”, explica.

Para estimular o ânus, porém, é preciso ter alguns cuidados. Em primeiro lugar, é necessário se certificar de que as unhas estão devidamente cortadas para não machucar a região, que é bastante sensível. Além disso, o ânus não tem a mesma propriedade que a vagina tem de se lubrificar sozinha quando a mulher está excitada. Na hora de estimular a região, portanto, é preciso usar e abusar do lubrificante artificial. Claudia aconselha a começar as brincadeiras utilizando um dedo e medir as reações do parceiro ou parceira. Dependendo de como for, é possível usar brinquedos eróticos próprios para a estimulação dessa zona erógena.

Leia também: Tire suas dúvidas e descubra como iniciar o sexo anal com seu parceiro 

12. Mente

Pode parecer loucura, mas, de acordo com Claudia, “o cérebro é nosso maior órgão sexual”. Entretanto, não há uma receita de bolo para conseguir gerar prazer em alguém a partir da estimulação mental; para alguns, é necessário que seja na base do “dirty talk”, enquanto para outros há assuntos específicos que excitam. “A estimulação do cérebro pode até acontecer de forma fácil, por exemplo, com uma conversa”, afirma a sexóloga.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.