Tamanho do texto

De acordo com o levantamento, que acompanhou 46 mil mulheres por quase 50 anos, os efeitos positivos da pílula anticoncepcional duram por 35 anos após a mulher deixar de tomar o remédio; confira detalhes

Quem conhece as bulas quilométricas dos anticoncepcionais sabe que não são poucos os efeitos colaterais que podem vir com a pílula. De acordo com a ginecologista Mariana Maldonado, quem opta por este método contraceptivo pode – dependendo do organismo – enfrentar enjoos, dores de cabeça e sangramentos ocasionais. A bula da maioria deles alerta ainda para a pequena possibilidade das pílulas contribuírem para o desenvolvimento de depressão.

Pílula anticoncepcional faz bem ou mal para a saúde?
Shutterstock
Pílula anticoncepcional faz bem ou mal para a saúde?

Leia também: 21 perguntas sobre anticoncepcionais respondidas

Por outro lado, Mariana explica que fazer uso de pílula (após exames que constatem que o organismo da mulher é compatível com o medicamento) pode trazer benefícios à saúde, como redução dos sintomas da TPM, das cólicas e até das espinhas. Um estudo realizado pela Universidade de Aberdeen, nos Estados Unidos, descobriu que, ao que parece, os benefícios do anticoncepcional vão além dos citados pela ginecologista.

A pesquisa, que consultou 46 mil mulheres durante quase 50 anos, teve como objetivo analisar os efeitos desse tipo de contraceptivo a longo prazo. As mulheres estudadas fizeram uso de pílulas anticoncepcionais durante, em média, três anos e meio quando tinham entre 20 e 30 anos de idade. Ao que parece, usar pílulas anticoncepcionais reduz o risco de câncer de ovário, útero e intestino mesmo 35 anos após a mulher ter parado de tomar.

Os dados são expressivos: segundo o estudo, a cada 100 mil mulheres que tomam o medicamento, 22 desenvolvem câncer de ovário em algum momento, enquanto para mulheres que não tomaram pílulas, o número salta para 33.

Leia também: Veja 5 coisas sobre métodos contraceptivos que os homens nunca vão entender

Além dos riscos normalmente associados às pílulas anticoncepcionais, há também uma possível ligação do medicamento ao surgimento de câncer de mama e cervical. O estudo, porém, constatou que esse risco desaparece completamente cinco anos após a mulher deixar de tomar o remédio. Segundo o levantamento, ao chegarem à menopausa, as mulheres não têm mais riscos adicionais de desenvolver essas doenças.

Por que isso acontece?

Pílulas anticoncepcionais , segundo Mariana, fazem uso de hormônios que inibem a ovulação, “enganando” o cérebro e fazendo com que a fecundação não seja possível. A redução das atividades do sistema reprodutor, segundo o estudo, pode ser a razão pela qual o risco de câncer nos ovários diminui.

Outra teoria para a diminuição nos riscos de câncer é a de que os hormônios presentes na pílula limitam o crescimento e a divisão das células, podendo reduzir a ocorrência de mutações que acabam gerando a doença.

    Leia tudo sobre: Gravidez
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.