Tamanho do texto

Enquanto 75% dos homens afirmam que gozam em todas as relações sexuais, apenas 33% das mulheres heterossexuais podem dizer o mesmo; entenda

A questão dos orgasmos femininos é rodeada por mistérios. De acordo com dados do Projeto Sexualidade do Hospital das Clínicas da USP, cerca de um terço das mulheres brasileiras nunca chegou ao clímax , seja com penetração ou com estimulação clitoriana.

Enquanto homens normalmente conseguem gozar com pouca variação de estímulos, algumas mulheres vivem à procura da posição perfeita, aquelas que alcançam o ponto G, e apelam até para injeções  que prometem levá-las a  orgasmos mais facilmente.

Para mulheres heterossexuais, orgasmos são menos frequentes do que para homens heterossexuais e lésbicas
Shutterstock
Para mulheres heterossexuais, orgasmos são menos frequentes do que para homens heterossexuais e lésbicas

A diferença entre a facilidade que homens e mulheres têm na hora de atingir o clímax é conhecida, mas um estudo recentemente publicado pelo “Archives of Sexual Behaviour” mostrou que a situação das mulheres heterossexuais na cama é mais preocupante do que se pensava.

De acordo com a pesquisa, que consultou mais de 50 mil homens e mulheres entre os 18 e os 65 anos, a tendência que homens heterossexuais têm de gozar em todas as relações sexuais é de 75%, enquanto para mulheres da mesma orientação sexual, o número cai drasticamente para 33%.

A probabilidade de homens heterossexuais chegarem ao clímax é maior do que a mesma porcentagem para mulheres de qualquer orientação sexual, mas outro dado curioso levantado pelo estudo é o de que mulheres lésbicas têm mais tendência a gozar do que as que transam com parceiros do sexo oposto.

Por que isso acontece?

Fato de mulheres gozarem menos pode ter ligação com fatores sociais e biológicos
Shutterstock
Fato de mulheres gozarem menos pode ter ligação com fatores sociais e biológicos

Segundo os pesquisadores responsáveis pelo estudo, algumas razões podem explicar o abismo tanto entre a quantidade de orgasmos masculinos e femininos quanto entre mulheres heterossexuais e lésbicas.

O estudo afirma que mulheres são, desde cedo, estigmatizadas a suprimir o desejo sexual e adotarem uma postura mais discreta com relação ao assunto. Já com os homens, ocorre o contrário: há muita pressão para que assumam um papel mais ativo na hora do sexo, transar mais e falarem sobre o assunto conforme tenham vontade.

O estigma em questão pode levar muitas mulheres a não explorarem a própria sexualidade – por vergonha ou até medo –, e não expressarem suas preferências ao parceiro, diminuindo a probabilidade de chegarem à satisfação plena.

Questões biológicas também podem influenciar nessa diferença: o ato de gozar, para o homem, se relaciona diretamente à ejaculação. Isso funciona como um mecanismo de incentivo para que ele busque mais parceiros e aumente a quantidade de “oportunidades reprodutivas”. Já a capacidade das mulheres em "chegar lá" tende a estar ligado a aspectos da aparência e da saúde do parceiro em questão, sendo então mais “raro”.

Já para a diferença entre a quantidade de vezes que mulheres heterossexuais e lésbicas atingem o orgasmo – que, segundo o estudo, ainda carece de uma observação mais cuidadosa – a justificativa pode estar na fisiologia. Mulheres que se relacionam com pessoas do mesmo sexo tem maior capacidade de entender o que funciona para elas na hora H, já que têm a mesma estrutura corporal que a parceira. 

Leia mais: Veja quais posições sexuais atrapalham as mulheres a "chegar lá"

Eles entendem as mulheres?

Outro dado surpreendente levantado pela pesquisa diz respeito ao conhecimento que homens têm (ou não) sobre a sexualidade feminina. 41% dos homens heterossexuais afirmam que a parceira sempre chega ao orgasmo, enquanto a tendência real de isso acontecer é de 33%. Segundo o estudo, isso pode ser causado pelos orgasmos falsos, desencadeados por fatores como vontade de proteger a autoestima do parceiro ou simplesmente acabar com o encontro.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.