Tamanho do texto

Quando a idade chega, a gordura tende a ficar mais resistente e dificulta a perda de peso. Especialista ensina os melhores modos de combater isso

Perder peso já não é uma tarefa fácil para a maioria das mulheres, e fica ainda mais complicado quando se atinge uma idade específica. Conforme o tempo passa, o corpo se altera e o metabolismo tende a ficar mais lento, o que causa a dificuldade de emagrecer depois dos 30 anos.

Leia também: Tchau, dietas! 10 dicas para emagrecer sem sufoco e restrições no cardápio

Não desista! Confira dicas para emagrecer depois dos 30 anos arrow-options
shutterstock
Está difícil emagrecer depois dos 30 anos? Ajustes na alimentação e na rotina podem ajudar a perder peso

A nutróloga Ana Luisa Vilela, especialista em emagrecimento, explica que o corpo passa a consumir menos energia e, com a tendência a praticar cada vez menos atividades físicas e o estresse constante, o ganho de peso é inevitável. Esses fatores contribuem significativamente com os obstáculos para emagrecer depois dos 30 anos.

"O metabolismo está muito relacionado com o nosso ganho de massa magra e com a nossas taxas hormonais. A partir dos 30 anos de idade isso tudo cai, por isso que a mulher sente cada vez mais dificuldade", diz Ana Luisa ao Delas .

"Depois dos 30 é mais importante fazer a troca de gordura por massa magra. Se você entrar com mais massa magra nos 40 anos, nos 50 anos, você, provavelmente, terá um metabolismo maior e vai conseguir comer mais e vai ter uma vida melhor", pontua.

A médica instrui a mudar o cardápio de dez em dez anos para evitar problemas e reduzir ou ajustar calorias conforme as atividades feitas e o estilo de vida. A dieta deve ter como ponto principal acabar com a gordura que tende a acumular no quadril, culotes e no abdômen, por serem, em geral, as partes do corpo mais afetadas depois que a idade chega.

Como eliminar a gordura?

Como eliminar a gordura resistente, ainda mais depois dos 30 anos? arrow-options
shutterstock
A dica da nutróloga para queimar esses quilos a mais é investir em novos hábitos de vida e fazer exercícios e dieta

As gorduras presentes no culote, nas coxas e no quadril, de acordo com a nutróloga, provavelmente se aglomeram por conta dos hormônios cortisol, conhecido como "hormônio do estresse ", e estrogênio.

O cortisol é um dos responsáveis por fazer a gordura se acumular e a melhor maneira de reduzir os efeitos causados por ele é relaxar, minimizar o consumo de açúcar e aumentar o nível de proteínas como os cogumelos e o leite.

Já o estrogênio, que é um hormônio feminino, colabora com a armazenagem de calorias ao retardar o metabolismo. O fígado é o órgão que tem a tarefa de eliminá-lo, portanto, vale a pena investir em folhas verdes e peixes.

Os quilinhos a mais no abdômen podem ser resultado do desequilíbrio de insulina no sangue, que provoca o acúmulo de açúcares que, posteriormente, se tornam gordura. Para resolver essa questão, basta evitar o consumo de doces, carboidratos "de alto índice glicêmico" e colocar no cardápio o azeite e as frutas vermelhas.

Leia também: Com método próprio, empreendedora consegue emagrecer 24 kg em 3 meses

Ana Luisa Vilela afirma ser fundamental cuidar para que as calorias na região abdominal não fiquem em excesso. "A gordura de braços, pernas, coxas, normalmente é uma gordura de guarda. É uma reserva energética. Já a gordura que a gente acumula no abdômen é uma gordura pior, porque é uma gordura metabólica, e essa gordura, sim, traz doenças", explica a especialista.

Se alguém encontra muitos obstáculos para emagrecer depois dos 30 anos, a nutróloga ressalta que, além das opções acima, pequenas atitudes do cotidiano ajudam no processo, como manter a prática de atividades físicas, dormir bem, ter o intestino bem regulado e tomar muita água – mesmo nos dias mais frios.