Tamanho do texto

Quem frequenta academia, pratica esportes ou é atleta de alto rendimento está acostumado a sentir dor. Isso é normal ou pode ser um alerta?

A expressão "no pain, no gain", que em uma tradução livre para o português significa "sem dor, sem ganho", é muito comum no universo das academias e da atividade física. Mas todo exercício está relacionado à dor? Sentir dores significa que o treino está dando resultado? Quando essa situação passa dos limites?

Leia também: Emagrecer x ganhar massa - treino e dieta certos para seus objetivos

Dor no exercício pode ser normal, mas também pode ser alerta para problemas mais graves
Shutterstock
Dor no exercício pode ser normal, mas também pode ser alerta para problemas mais graves


Antes de mais nada, sentir um pouco de dor é normal, seja para quem está começando a fazer atividade física ou para quem já está acostumado à rotina de exercícios. Sabe aquele incômodo que você sente quando muda o treino na academia? Geralmente, não é necessário se preocupar com isso, mas, em alguns casos, as dores são um sinal de alerta.

Cenário 1: quadro normal

O ortopedista Alexandre Paniago, da clínica brasiliense Arthros e membro da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia, explica que, durante a musculação, há uma dilatação das fibras musculares, o que ajuda no ganho de massa magra e a desenvolver os músculos. 

No exercício também podem ocorrer microlesões nas fibras musculares. "Pelo esforço, as fibras se rompem e é liberada uma série de substâncias no organismo, entre elas o ácido lático. Há um aumento das enzimas plasmásticas secundárias às lesões. O acúmulo dessas substâncias faz com que se tenha dores musculares", detalha o ortopedista.

O que fazer para amenizar?

Nesse caso, não há com o que se alarmar. Essa é a chamada dor muscular de início tardio. De acordo com Paniago, o incômodo pode aparecer de 24 horas a 72 horas depois dos exercícios e a sensação varia de pessoa para pessoa. Há quem diga que a manhã do dia seguinte a uma mudança de treino na academia é cruel, mas tem gente que sente os efeitos só no segundo dia. 

Com essas dores, uma indicação simples é fazer compressas de gelo. "Ele faz a contração muscular e dos vasos e impede ou diminui a liberação daquelas substâncias mediadoras das dores. Isso diminui o processo inflamatório que ocorre depois das microlesões", explica o ortopedista. Esse é um dos motivos para jogadores de futebol e outros atletas entrarem em baldes ou banheiras de gelo depois de treinos e competições exaustivas. 

Para atletas amadores e frequentadores na academia, não é preciso tanto. Uma compressa de gelo no local do incômodo já deve ajudar. O aconselhado é fazer a compressa por 20 minutos e, depois, retirar o gelo do local. Pode repetir o processo por até duas horas. 

Além disso, fazer alongamento e aquecimento, ou seja, preparar o corpo para o exercício, também pode prevenir dores e incômodos. 

Cenário 2: dores insistentes

Em alguns casos, as dores não passam depois do prazo de até 72 horas citado pelo ortopedista. Quando isso acontece, geralmente o gelo não irá mais resolver porque o processo inflamatório já se instalou.

O que fazer?

Nessa situação, a compressa deve ser invertida e a pessoa precisa aplicar calor no local da dor. Porém, cada indivíduo tem uma resposta diferente aos exercícios e estímulos e o incômodo insistente pode ser algo além da microlesão normal. Para evitar problemas maiores e seguir o tratamento correto, o melhor é procurar um médico.  

Cenário 3: alerta vermelho

Por outro lado, se a dor aparecer durante a execução do exercício, o melhor é parar. A insistência pode resultar em uma lesão mais grave. "As dores podem indicar vários graus de lesão, distensão muscular e até estiramento ou ruptura muscular", comenta o especialista. Também é melhor ficar alerta se sentir algo agudo ou incapacitante, outro sinal de lesão mais séria.

Além disso, o exagero nos exercícios ou a execução errada pode resultar em outros sinais de alerta. Quando há um excesso daquelas substâncias liberadas na musculação, é possível que elas se espalhem pelo organismo, e febre ou alteração na urina são indicativos disso. De acordo com Paniago, essas enzimas fazem mal e podem atacar alguns órgãos, como os rins, por isso a urina passa a ter uma coloração mais escura, acastanhada, ou avermelhada. 

O que fazer?

Nesses casos, como ressalta o ortopedista, é preciso procurar um médico para um diagnóstico mais preciso o quanto antes e evitar outros males. 

O outro lado - quando o exercício ajuda na dor

Nem sempre as dores são resultantes dos exercícios e há momentos que a atividade física é indicada como um remédio. Ela pode, por exemplo, auxiliar no tratamento da fibromialgia , uma dor generalizada sem origem espefícia. Segundo Paniago, esse mal é mais comum nas mulheres e se manifesta com dores em diversas partes do corpo, seja nos músculos ou nas articulações. "Geralmente, o paciente nem consegue falar exatamente onde está doendo", completa. 

Ioga está na lista dos exercícios que relaxam e até ajudam a combater dores
Jorge Rodrigues Jorge/CZN
Ioga está na lista dos exercícios que relaxam e até ajudam a combater dores


 O quadro ainda pode vir acompanhado de formigamento, fadiga, falta de concentração ou memória. "Também é muito associado a ansiedade e depressão e nada tem a ver com os exercícios", fala o ortopedista. 

No tratamento são usados remédios como antidepressivos e também ativides físicas que ajudam a relaxar e aliviar a ansiedade, por exemplo. 

Casos de dores mais simples também são beneficiados pelos exercícios. Para quem sente incômodos nas costas, sofre com má postura e passa o dia inteiro na cadeira do escritório, adotar na rotina exercícios que fortaleçam o core  pode ser um grande alívio. 

A academia também pode ser um remédio para as dores de cabeça. Se for do tipo tensional, uma atividade relaxante e divertida, que mude o foco, irá ajudar, como aulas de dança ou ioga. Já as enxaquecas podem ser amenizadas com treinos mais vigorosos, daqueles que deixam a pessoa ofegante. Eles aumentam o fluxo sanguíneo e, consequentemente, aliviam o incômodo. 

Leia também: Um exercício para cada tipo de dor de cabeça

Dicas de quem entende

Seja para aliviar um incômodo, para ganhar massa muscular ou mesmo sair do sofá, é sempre indicado procurar um especialista antes de começar uma atividade física. "A musculação deve ser individualizada pois cada um responde se um jeito ao exercício", alerta Paniago. 

E quando tiver o treino montado, não confunda dor com esforço. É comum escutar nas academias que quando não sente mais dores, o corpo já se acostumou e o treino deve ser renovado. Essa troca deve estar relacionada ao esforço. "Se está fazendo legpress e chegou a 10 repetições com o peso indicado e ainda assim está se sentindo bem, como se pudesse fazer tudo de novo com tranquilidade, é hora de mudar o exercício ou a carga", orienta o profissional. Também é indicado mudar o treino de tempos e tempos para que o corpo recebe novos estímulos. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.