Tamanho do texto

Segundo estudo, as versões sem glúten de produtos como biscoitos, massas e pães contém mais gorduras e menos proteína que as convencionais

A dieta sem glúten virou moda há um tempo. Tem muita gente que acredita que o glúten causa algum inchaço e que ao eliminar a substância do cardápio conseguirá emagrecer. Entretanto, essa prática pode ser prejucial à saúde. 

Leia tudo sobre dieta

Seguir uma dieta sem glúten pode ser uma armadilha para a dieta e para saúde
shutterstock
Seguir uma dieta sem glúten pode ser uma armadilha para a dieta e para saúde


Estudo recente publicado em uma reportagem do jornal britânico "The Guardian", reforça essa ideia. Segundo pesquisadores, seguir uma dieta sem glúten sem necessidade aumenta os riscos de se tornar uma pessoa obesa. 

Quem deve seguir essa alimentação é quem sofre de doença celíaca , uma doença auto-imune. Esse grupo de pessoas tem uma reação ao ingerir glúten, causando uma inflamação no intestino, que impede a absorção correta dos nutrientes. Por isso, é comum ter diarréia, inchaço, gases e outros males. Há também quem é alérgico ou intolerante a essa substância. 

Risco da substituição desnecessária

Os celíacos devem procurar alimentos alternativos , como pães e preparos feitos com fubá, farinha de milho, soja, mandioca, arroz, batata ou quinoa. Entretanto, segundo os pesquisadores Instituto de Investigación Sanitaria La Fe, na Espanha, alguns dos produtos substitutos industrializados contém níveis elevados de gordura e uma quantidade pequena de proteína se comparado com os "regulares". 

Calvo Lerma, líder da pesquisa, e seus colegas analisaram 14 grupos de alimentos, entre eles pães, massas, cereais matinais, biscoitos e refeições prontas. Foram comparados 654 produtos convencionais e suas versões " gluten-free ". 

Leia também: Jejum intermitente não é mais eficaz que a restrição de calorias, aponta estudo

O resultado da comparação foi apresentado no encontro anual da European Society for Paediatric Gastroenterology, Hepatology and Nutrition. Os pesquisadores notaram que, de modo geral, os produtos sem glúten eram mais calóricos que os convencionais. 

Para se ter uma ideia mais clara, a pesquisa mostra que, na média, os pães sem glutén tinham duas vezes mais gordura que os convencionais. Os biscoitos sem glúten continham mais gordura e menos proteína que a versão regular. Já o macarrão sem glúten apresentava menos açúcar que o regular, mas também era mais pobre em proteína. 

Alerta geral

Segundo Lerma, o consumo indiscriminado desses produtos pode resultar em obesidade, principalmente em crianças, que tem a gostar mais de biscoitos, bolachas, cereais matinais e massas. 

Ele faz um alerta também aos fabricantes. "É responsabilidade da indústria dos alimentos produzir itens com base em outros materiais, mais saudáveis e nutritivos". Além disso, ele defende que os rótulos das embalagens poderiam sem mais claros e explicativos. 

Para completar, o pesquisador ainda ressalta que quem é celíaco deve comparar rótulos e optar pelos alimentos com menos gordura e mais nutritivos para montar a dieta sem glúten para conviver com a doença e não correr outros riscos. 

    Leia tudo sobre: dieta
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.