Tamanho do texto

Modalidade mescla dança e acrobacias e trabalha todo o corpo. Segundo professora, não é preciso mais nenhum complemento para ter definição

Ficou para trás o tempo que o pole dance era relacionado a erotismo ou sexualidade. é o que defende Vanessa Costa, professora, atleta e uma das pioneiras da modalidade no Brasil. "O pole é muito mais do que isso. É um excelente exercício", defende.

Com acrobacias e técnicas de ginástica, prática de pole dance atrai crianças

Pole dance trabalha força, concentração, flexibilidade e mexe com todo o corpo
Divulgação/Diego Tavor
Pole dance trabalha força, concentração, flexibilidade e mexe com todo o corpo


De acordo com Vanessa, o pole dance trabalha todo o corpo e é uma atividade completa. "Não precisa de mais nenhum exercício complementar. Até as mulheres malhadoras, que gostam de academia e musculação, quando começam e veem os resultados, acabam trocando e a modalidade vira a atividade principal", comenta.

Benefícios do pole dance

A atividade mistura danças e acrobacias. Com isso, segundo a professora, mexe com o lado lúdico dos alunos. Também convida os alunos a se desafiarem e superarem medos e limites para realizar as acrobacias na barra .

Para o corpo, os primeiros resultados aparecem nos membros superiores. Para quem busca braços durinhos e bem definidos, é a atividade ideal. "Os músculos dos membros superiores são fortalecidos muito rapidamente porque, na maior parte o tempo, o que sustenta o corpo são os braços. Tenho aluna que fala que com um mês ou dois de aula já consegue usar regatas. Os ombros também ficam bem definidos", detalha Vanessa.

Braços em forma: veja dicas de professores e exercícios para membros superiores

Segundo Vanessa (foto), a aula sempre apresenta um desafio novo, com uma acrobacia diferente
Divulgação/Diego Tavor
Segundo Vanessa (foto), a aula sempre apresenta um desafio novo, com uma acrobacia diferente


A profissional ainda cita que aquela dobrinha nos flancos (região das costas e o abdômen) também logo diminuem com a modalidade.

Além disso, a atividade fortalece o core (região do abdômen e lombar). "Uma vez que o core está bem trabalhado, há menos reclamações sobre dores nas costas, daquelas que você sente depois de um dia inteiro de trabalho sentado e pela má postura. Há uma melhora significativa nesse aspecto", afirma a professora. E com o core fortalecido também se trabalha glúteos, pernas e abdômen.

A aula é dinâmica e em uma hora de atividade estima-se que sejam queimadas 500 calorias . A prática começa com um aquecimento básico, que pode ser um pouco de balé ou funcional, depois parte para a etapa que trabalha a flexibilidade e a força. Aí é o momento de se arriscar (e se divertir) na barra. "Desde a primeira aula o aluno já vai para a barra", garante a professora. "Mas a aluna pode virar e falar que não tem força nos braços. só que não tem muito a ver com a força e, sim, com consciência corporal e grau de concentração. Subir na barra todo mundo consegue", completa.

+  Dieta vegana: Wagner Moura conta como emagreceu 13 quilos em dois meses

"E na barra começam a ser desenvolvidas as acrobacias . Começa com giros, que conta com a sustentação do corpo e exige dos membros superiores. Com o tempo, aumenta a dificuldade e são feitas as postura isométricas (pose na barra). Para se sustenta, todo o corpo é exigido, por isso ganha tônus muscular".

No final, o aluno ganha flexibilidade, consciência corporal, força e um corpo definido.


Quem pode fazer?

Segundo Vanessa, até homens estão procurando o pole dance. "Principalmente aqueles que curtem calestenia, atividades ligadas a natureza e que trabalham com o peso do próprio corpo".

Qualquer biotipo também é bem-vindo. Aos poucos, com a prática, a flexibilidade aparece e há o ganho de força. Não é necessária uma vivência prévia com algum tipo de dança ou acrobacias. "É uma atividade individualizada. É você e sua barra, no seu ritmo. Dia após dia você vai construir o seu corpo com o pole", fala a professora.

Para quem quer começar, o indicado é uma aula por semana, já que o atrito do barra com o corpo pode machucar. Alunos avançados podem fazer duas ou três vezes na semana. E, como em todo exercício, é indicado passar por uma avaliação antes de começar. Se tiver alguma lesão ou restrição, é possível adaptar o movimento para aquele aluno.

Modalidade das famosas

O exercício já conquistou diversas famosas. As atrizes Giovanna Ewbank , Monique Alfradique e Luma Costa já fizeram aulas com Vanessa. Logo depois das Olimpíadas do Rio, a ginasta Jade Barbosa se divertiu com as acrobacias no estúdio.


O pole dance também conquista pelo desafio. Cada aula pode ser feita uma acrobacia nova e não há monotonia. E tantas acrobacias já levaram a modalidade para palcos  espetáculos. O Cirque du Soleil, como lembra a professora, em tem um número inteiro com as barras. É uma atividade que mistura arte e força e para todos.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.