Fazer listas das coisas que perturbam, controlar a ansiedade, iniciar atividades desafiadoras e exercitar o corpo são algumas das atitudes que estimulam e destravam a imaginação

O cérebro vem "de fábrica" com uma estrutura de hardware pronta para criar. Mas para a criação fluir é preciso de alguns estímulos, que funcionam como softwares. Essa analogia é da psicóloga Shelley H. Carson, pesquisadora da Universidade de Harvard e autora do livro “O Cérebro Criativo” (Best Seller).

"Parte desse software inclui ter uma atitude de abertura e vontade de olhar para o mundo a partir de novas perspectivas, assim como se dar uma permissão para sonhar e usar a imaginação, que pode ser cultivada com a prática de exercícios de visualização", exemplifica a pesquisadora ao Delas .

Para Shelley, "antes de criar, precisamos ver com os olhos da mente". "Imagine como seria se os humanos tivessem três braços em vez de dois. E se existisse uma capa que nos tornasse invisíveis? E se as paredes falassem? Todos essas perguntas com o 'E se?' parecem infantis, mas são importantes para fazer novas conexões cerebrais e estimular a mente", explica a pesquisadora.

A capacidade de criar também pode ser desenvolvida com exercícios práticos, como conta Gisela Kassoy, especialista no assunto. "A rotina é o maior inimigo da criatividade e é possível criar formas deliberadas de rompê-la, como fazer alguma coisa diferente, ir a lugares inéditos".

Veja atitudes que estimulam a criatividade: 

Além da citada “E se?”, perguntas-chave como “Por que não?” e “De quais maneiras? também ajudam a estimular a criatividade, segundo Gisela. Essas questões propiciam novas propostas e possibilidades para situações do nosso cotidiano, estimulando a imaginação.

Curiosidade intelectual e desafios

É reconhecido que manter o corpo ativo contribui com o funcionamento cerebral e, consequentemente, com a criatividade. "Yoga e atividades físicas são benéficas, porque ajudam a oxigenar o cérebro e estimulam emoções positivas, que são associadas à maior abertura e a pensamentos divergentes importantes para aumentar a criatividade", diz Shelley.

Veja também: Sete dicas para resolver problemas com criatividade

"Ver a vida a partir de múltiplas perspectivas é uma marca do cérebro criativo. Mais do que fazer palavras cruzadas, é importante aprender criativamente novos assuntos e habilidades. Curiosidade intelectual é importante para a criação, assim como atividades para se expressar, como escrever um diário, pintar e aprender um instrumento musical", recomenda a psicóloga.

Gisela também indica tarefas desafiadoras como estímulo à imaginação. "O exercício das artes ou qualquer aprendizado que nos desafie, que seja mais do que mero acúmulo de conhecimento, estimula a criatividade. Não existe um hobby ideal para tornar as pessoas mais criativas. Se esse é o objetivo, é mais interessante mudar de hobby com frequência, ser um eterno iniciante."

Já nascemos com a capacidade de sermos criativos, mas precisamos exercitá-la
Thinkstock Photos
Já nascemos com a capacidade de sermos criativos, mas precisamos exercitá-la

Tecnologia freando a criatividade

Apesar de facilitarem a vida, a tecnologia e a internet têm sua parcela de culpa para desacelerar a imaginação. "As pessoas têm ficado viciadas em checar e-mails, Twitter e Facebook no tempo livre, em vez de usar o momento para assimilar e processar novas informações. Ficar longe dos eletrônicos é necessário para a síntese criativa", alerta Shelley.

"Eu me preocupo com as crianças que não estão experimentando o tempo livre para se envolver em brincadeiras fantasiosas e imaginativas, porque já estão brincando com computadores e smartphones desde pequenas", pontua a pesquisadora.

O processo criativo também perde com o aumento das interações sociais virtuais, avalia Gisela. "Conversamos pouco com indivíduos diferentes de nós, as pessoas não se falam mais no elevador, preferem digitar para velhos amigos. Ora, a diversidade provoca nossa mente, nos torna mais abertos, nos faz pensar de forma diferente, [isso é] fundamental ao processo criativo."

Calma, autoconfiança e ousadia

Shelley destaca que grandes empreendedores criativos costumam ser autoconfiantes e ousados. "A autoconfiança é necessária porque a criatividade, geralmente, leva a mudanças. Os mais criativos recebem críticas e são até ridicularizados por suas novas ideias, pois as pessoas são naturalmente resistentes a mudanças."

A pesquisadora aponta ainda um sentimento que atrapalha a criação. "Em geral, a ansiedade é um bloqueio à criatividade, porque a imaginação floresce em um ambiente mental aberto e positivo, ao passo que a ansiedade está associada a um estado mental mais fechado e negativo."

Para Gisela, é interessante conter a ansiedade para ver o resultado de uma ação criativa. "Algumas pessoas ficam muito angustiadas por não saberem para onde a criatividade irá levá-las. Ora, algo criativo é, por definição, novo. Se eu já sei onde vou chegar, eu não estou pensando em algo inédito."

Veja abaixo alguns exercícios para ser uma pessoa mais criativa:

1. Faça uma lista de aborrecimentos: Faça uma lista com tudo que incomoda. A cada semana, escolha um item e analise a partir de uma nova perspectiva. "Como esse incômodo pode ser uma oportunidade para um novo processo ou produto? Como fazer dessa irritação um desafio? Isso pode trazer resultados muito criativos", ensina Shelley.

2. Quebre a rotina: "Escove os dentes com a mão que não costuma usar e vista-se em uma ordem diferente da habitual", indica Gisela, mostrando estímulos importantes para a criatividade.

3. Crie um jardim imaginário: Crie um bonito jardim no interior da mente. Coloque árvores, flores e tudo de que gostar. Preste atenção às cores das flores e aos muitos tons de verde. Visite seu jardim uma vez por dia para saborear a beleza e a fragrância. "Leva tempo (para criar a imagem mental do jardim), mas isso aumenta o poder de visualização e ajuda a ver soluções para problemas criativos", justifica Shelley.

4. Tire o essencial do cenário: Pensar em situações cotidianas sem o elemento principal é um estímulo à mente criativa, ensina Gisela. "Imaginando um restaurante sem cadeiras, por exemplo, você poderia criar o 'restaurante coquetel', no qual as pessoas comem de pé. Um restaurante sem comida poderia dar a ideia de um local para refeições, no qual os clientes mandam vir comida de outros restaurantes. Um restaurante sem cozinheiro inspiraria um local para pessoas que gostam de cozinhar com os amigos e assim por diante."

5. Crie personagens imaginários: Antes de dormir, crie a vida de um personagem imaginário. Pode ser alguém do presente, passado ou futuro. Imagine como o personagem seria fisicamente, sua personalidade, amigos, parentes e crie uma história. "O personagem tem falhas, tem hábitos incomuns? Detalhar um ser imaginário reduz o estresse e reforça a imaginação", conclui Shelley.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.