Tamanho do texto

Pesquisa constatou ainda que o pé côncavo também é um problema herdado dos pais

Joanete: mais comum em mulheres, deformidade é agravada pelo uso frequente do salto alto
The New York Times
Joanete: mais comum em mulheres, deformidade é agravada pelo uso frequente do salto alto
Um novo estudo acaba de confirmar o que os médicos e todas as pessoas – especialmente mulheres – com o problema já suspeitavam: o joanete é hereditário. Além dele, outro problema dolorido, conhecido como pé côncavo, também é uma herança familiar.

Como parte do Framingham Foot Study, que avaliou a ocorrência de problemas comuns dos pés entre mais de 2.000 participantes entre 2002 e 2005, pesquisadores norte-americanos estudaram 675 pessoas com joanete, uma deformidade dos pés conhecida como hallux valgus, e outras 154 com o pé côncavo, ou em forma de arco – neste caso, foram avaliados portadores de um ângulo acentuado, o pé não ficava reto nem mesmo quando essas pessoas carregavam peso. A idade média dos participantes da pesquisa foi de 66 anos e 57% deles eram mulheres.

Usando um software de genética estatística, os pesquisadores determinaram que a deformidade conhecida como joanete era hereditária em cerca de 39% das mulheres e em 38% dos homens que participaram do estudo. O grupo constatou ainda que a condição era herdada em 89% das pessoas com mais de 60 anos.

A condição envolvendo o pé côncavo, concluíram os pesquisadores, era hereditária em 68% das mulheres e em 20% dos homens avaliados. Entre os mais jovens – abaixo de 60 anos – o problema era hereditário em 99% das mulheres e em 63% dos homens. O estudo será apresentado esta semana na reunião científica anual do Colégio Americano de Reumatologia, em Atlanta, Estados Unidos.

Há temos suspeita-se que as duas condições tenham origem genética. O estudo de Harvard, de acordo com os autores da pesquisa, é o primeiro a documentar isso. As duas deformidades podem causar problemas de mobilidade.

O alto nível de “hereditariedade que encontramos foi bastante interessante, especialmente entre os mais jovens (menos de 60 anos), pois já existem intervenções eficazes para tratar os dois problemas e as intervenções em termos de prevenção devem ser feitas nos estágios iniciais” afirmou a pesquisadora líder do estudo, Marian T. Hannan, professora associada da Faculdade de Medicina de Harvard, no anúncio feito na reunião de Atlanta.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas