João Bidu

Ancestralidade Feminina
Renata Prado
Ancestralidade Feminina

​Nesse mês da mulher resolvi falar desse tema justamente para que possamos abrir mais a mente sobre quem somos.

O convite que te faço é para que procure conhecer um pouco mais da sua história, olhe para trás e veja quem são aquelas mulheres que existiram antes de você, suas avós, tia, primas .

É muito importante que possamos compreender quem somos e a nossa história presente nos saberes ancestrais que carregamos, que fazem parte de NÓS , consegue entender?!

Tenha em mente para que cada uma de nós estivéssemos aqui, as nossas antepassadas passaram por diversos desafios, tiveram que lidar com dores, traumas, medos e contornaram muitos obstáculos, abusos e principalmente grandes renúncias para que pudéssemos estar aqui hoje contando a nossa história.

Essa conexão com a ancestralidade vai muito além do que vidas passadas. Está presente nas nossas células e nas memórias que carregamos presente no nosso DNA em essência e dentro de uma esfera energética.

Existem as memórias ancestrais que marcam ciclos das nossas vidas, por isso é muito comum algumas pessoas relatarem que a família carrega uma “maldição", quando na verdade se trata de um DNA Ancestral  muito presente dentro daquele seio familiar e que podem resultar em ciclos repetitivos de gerações em gerações, até que alguém se torne consciente e decida mudar tudo.

O feminino em nós é a força que rege a criação, os sentidos, a criatividade, a energia receptiva.

Reconhecendo parte da sua história, perceba o quanto as mulheres que vieram antes de você o tanto que abdicaram ou exerceram um papel duplos na vida, ao mesmo tempo em que tinha que ser pai e mãe, havia também a necessidade ser a chefe de um lar e isso reflete em muitas de nós, justamente quando temos que ser mães, provedoras da família e ao mesmo tempo funcionárias ou empreendedoras, nos desdobramos hoje para sermos aquilo que tanto almejamos, tentando encontrar um equilíbrio na vida pessoal e profissional, o que para as nossas mais velhas nem sempre foi permitido, justamente porque nem sempre puderam escolher o que queriam ou que sonhavam ser, por isso que é muito importante o papel que entregamos hoje e a necessidade de exercermos com clareza e sabedoria o nosso poder de manifestação e criação de toda uma sociedade.

Lógico que é importante ressaltar que precisamos reconhecer o masculino em nós, justamente, porque em energia carregamos ambos, tanto feminino quanto o masculino, isso é parte integrante de quem a gente é.

Você viu?

É muito importante compreender a nossa história e quem somos, é a partir disso, como dizia Bert Hellinger, “quando curamos nosso presente, protegemos nossos descendentes” .

Texto:  Renata Prado | Terapeuta e Taróloga

Instagram: @r enataprado.terapeuta

LEIA TAMBÉM:

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários