Tamanho do texto

Modelo conseguiu mais de 50 mil assinaturas em petição online; "a mensagem por baixo dos panos é sempre de que você não pode comer", diz

Uma modelo britânica de 23 anos tentou entrar na maior agência de modelos do Reino Unido. Ela usa os tamanhos 38 ou 40, mas foi informada que, embora atendesse a quase todas as expectativas, ainda faltava uma: embora magra, deveria perder mais peso para poder trabalhar. Ela, então, fez dieta e eliminou seis quilos mas, quando voltou à agência, foi informada que deveria emagrecer ainda mais. 

Modelo britânica usa tamanho 38 ou 40, mas é considerada acima do peso para as passarelas
Reprodução/Change.org
Modelo britânica usa tamanho 38 ou 40, mas é considerada acima do peso para as passarelas

Ela, então, lançou uma petição online que pede a proibição da exigência de modelos extremamente magras. "Quando eu olho no espelho eu me vejo saudável e confortável. Mas isso é porque eu tive coragem de seguir o meu caminho e me recuso a deixar as pessoas me pressionarem para perder mais e mais peso. Mas, por causa da London Fashion Week nós precisamos de uma lei para proteger as garotas e garotos mais jovens, que são colocados sob pressão para se tornarem perigosamente magros", diz ela, na petição. 

Segundo a modelo, a carreira no mundo da moda pode ser um lugar solitário, especialmente para garotas que trabalham fora do seu país de origem, e ficam sem o contato com os amigos e família.

"Quando as modelos viajam para o exterior, elas são frequentemente colocadas em acomodações compartilhadas com outras modelos, e ficar rodeada de garotas que estão lutando para permanecer magras pode perpetuar maus hábitos alimentares e encorajar transtornos alimentares", diz ela.

"Estive em sessões fotográficas por até 10 horas em que não havia comida disponível. A mensagem oculta é de que você não pode comer". 

A França, no início deste ano, aprovou uma lei que proíbe que modelos sejam excessivamente magras.