Tamanho do texto

Jovem conta como foi passar por essa experiência, e psicóloca dá dicas de como reagir ao descobrir que agora terá que cuidar de uma criança

Tudo tem seu tempo, mas às vezes imprevistos acontecem e é preciso saber lidar com a situação. A menstruação atrasou? Os enjoos começaram? O teste de farmácia deu positivo? Nesse momento, o desespero normalmente toma conta e é comum pensar assustada como será contar para a família, o que os outros vão falar e como será a juventude cuidando de um bebê. Está passando por essa situação? Então saiba como reagir ao saber  que está grávida.

Bruna descobriu que estava grávida com 19 anos e afirma que foi terrível
Arquivo pessoal
Bruna descobriu que estava grávida com 19 anos e afirma que foi terrível


A estudante Bruna Molinari ficou grávida aos 19 anos e conta que não foi nada fácil. “Quando eu descobri foi terrível. Só sabia chorar não queria aceitar de jeito nenhum que aquilo estava acontecendo logo comigo, que adorava sair pra balada, viajar e que estava firme na faculdade. Pensei que tudo isso iria acabar, realmente chorei muito”, desabafa.

Para a psicóloga Sonia Regina de Araújo, tudo o que ocorre sem objetivo e planejamento tende a atrapalhar a vida da pessoa, mas isso é só uma fase, que dura até ela aceitar a nova realidade. “Aceitar para estas garotas é uma consequência natural e os pais modernos também aceitam melhor o ocorrido, já não colocam as filhas para fora de casa, fato comum nos anos 1940 e 1960. É importante não abandonar os sonhos futuros e nem desistir de estudos e trabalho, mas entender que agora as circunstância são outras”, aconselha.

Falar para a família

Contar para a família é uma das partes que mais difíceis e que mais causa insegurança, já que é inevitável não ficar imaginando qual será a reação das pessoas mais próximas a você. “Tive muito medo de contar pra minha família, porque afinal eles apostavam tudo em mim, acreditavam que eu iria terminar minha faculdade, montar uma estrutura para depois engravidar. Sem contar que eu era a princesinha, filhinha de papai, então foi meio decepcionante para eles”, conta Bruna.

 A psicóloga explica que é comum as jovens nessa situação contarem primeiro para uma pessoa em que ela confia, como um professor, um amigo ou um parente e isso pode enfraquecer o laço com os pais. “Geralmente a preocupação é sempre com os outros e com os julgamentos, porém tudo passa e o nascimento do bebê, na maioria das vezes, aproxima todos os envolvidos, mas é claro que há exceções”, diz Sonia.

+ Dúvidas da Gravidez

Revelar para o mundo

Depois de contar para a família, vem outro obstáculo: deixar as outras pessoas saberem. Bruna revela que tinha medo do que iam pensar dela, por isso, não quis postar fotos da gravidez nas redes sociais. “Quando eu encontrava as pessoas na rua, ouvia muitos comentários maldosos e ficava com muita raiva. A maternidade vem junto com um amadurecimento, você deixa de ser criança a partir do momento que gera um bebê e seu instinto materno fala mais alto”, expõe.

Segundo a especialista, é comum ouvir comentários maldosos, mas não se pode deixar abater. É preciso enfrentar a situação de cabeça erguida: “O preconceito e discriminação sempre existiram e vão continuar a existir. Você deve desconsiderar tais comentários, com uma postura de aceitação da situação e manter a autoestima positiva, isso fará bem para você e para o bebê”.

Mudando a rotina

Com a notícia, a vida da jovem mudou completamente. Ela conta que teve que trancar a faculdade durante a gravidez, mas que continuou trabalhando firme nesse período. Depois do nascimento Manuela, Bruna conseguiu retornar à vida acadêmica e continua trabalhando. “Agora minha rotina e pensamentos são ligados à minha filha. Eu adorava sair, hoje não sei mais o que é isso, abri mão por ela”, diz.

+ Adolescente de 16 anos não sabia que estava grávida até dar à luz no banheiro

Tudo tem seu tempo

Bruna deixa claro que ama a filha, mas tem a consciência que poderia ter deixado a gravidez para mais tarde. “Nunca me imaginei sendo mãe e paguei minha língua (risos), mas hoje sou muito feliz. Mesmo ela não vindo no tempo desejado, a Manuela consertou muita coisa que estava bagunçada na minha vida. Sempre temos escolhas e eu escolhi ser mãe e arcar com todas as consequências”, completa.

Sonia diz que as angústias são normais e com o tempo tudo vai se ajeitando. “Não estamos na era das trevas, o sexo hoje é encarado com mais naturalidade e não deve ser um tabu. As responsabilidades de cuidar de um bebê são de um adulto, então, certamente é melhor esperar, mas se a jovem ficou grávida antes do previsto, ela deve repensar sua vida e seguir em frente”, finaliza a psicóloga.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.