Tamanho do texto

Se você já ouviu este ou outros pedidos da sua filha, saiba quando é hora de permitir tratamentos com química – e entenda porque ela quer mudar o visual

Entender porque sua filha quer tanto mudar a aparência é tão importante quanto negociar com ela que tratamentos as crianças podem fazer
Getty Images
Entender porque sua filha quer tanto mudar a aparência é tão importante quanto negociar com ela que tratamentos as crianças podem fazer
As mulheres, mais que ninguém, sabem que a grama do vizinho é sempre mais verde – especialmente quando a máxima é aplicado ao visual dos cabelos. Loiras viram morenas, morenas fazem luzes, quem tem cabelo liso quer enrolar e quem tem cacheado não sai de casa sem usar a chapinha. Com as crianças não é diferente. Mas como lidar com desejos de meninas de 6 ou 7 anos que, para serem realizados, incluem o uso de químicas potencialmente perigosas? E como saber se aquela vontade obsessiva de alisar os cabelos não esconde um problema de autoestima diante do grupo de amiguinhas?

Leia também: Cosméticos para crianças de 8 anos causam polêmica


Química proibida

A região do couro cabeludo é muito vascularizada e absorve componentes em concentrações que podem desencadear reações e até intoxicação. Imagine isso somado à sensibilidade infantil. “Os componentes usados em tratamentos capilares não têm segurança estabelecida para uso em crianças. Além disso, os produtos – como tinturas com água oxigenada, escovas com formol e amônia – têm potencial para causar alergia”, enfatiza Fátima Rodrigues Fernandes, pediatra e alergista do Hospital Infantil Sabará. Os efeitos em meninas são desconhecidos. Por isso, não arrisque e seja firme ao dizer não.

Se fosse pela vontade de Julia, 6 anos, ela seria loira. Embora sua mãe, a psicóloga Fabiola Ribeiro Melo, aponte que existe beleza em todas as garotas, a menina adora o visual platinado. “A maioria das Barbies dela têm cabelo claro”, explica a mãe. “E a melhor amiga dela também é super loira”. Para que a filha entenda a proibição, Fabiola explica a Julia o quanto a tintura pode fazer mal e já negociou um prazo para a realização do desejo da criança: se a vontade persistir, ela vai poder mudar a cor dos cabelos quando estiver na faculdade. Talvez Julia consiga realizar seu desejo antes, mas não enquanto estiver sob os cuidados da mãe.

Radicalismos à parte, os pediatras apontam o final da adolescência como o período ideal para tais transformações. “Nesta fase as crianças estão mais maduras para entender o que é química e que uma série de cuidados são necessários, como manutenção, reparação e retoques”, completa Fátima.

Espelho, espelho meu

Proibida a química, reforce a autoestima da criança. Por que aquela mudança de aparência é tão desejada? A melhor maneira de trabalhar positivamente a imagem da sua filha é ressaltar que há tipos diferentes de beleza, independentemente do que ela vê na televisão e nas revistas. “Use como exemplo as pessoas que ela conhece, ressalte o quanto ela é bonita, aponte seus pontos fortes e diga como se sentia na idade dela. Converse sobre os problemas que você mesma tinha com o espelho”, sugere a psicóloga infantil Ana Lucia Gomes Castello. Na maioria das vezes, as meninas se espelham no comportamento da mãe. Por isso, não adianta dizer que ela é linda com cabelos escuros, se você vive reclamando dos seus na frente dela.

Mãe em tempo integral, Patricia Moreno Ayres se esforça, mas é difícil convencer a filha Isabela, 7 anos, de que seus cachos são lindos demais para serem alisados. A menina vive em pé de guerra com o cabelo enrolado e só se contenta quando faz escova. “Em geral, a deixo fazer uma escova no salão a cada 3 meses, quando vai a uma festa”, conta Patricia.

Tanto para a pediatra quanto para a psicóloga a negociação é uma atitude válida e fortalece a relação entre mãe e filha. Em ocasiões especiais, leve-a ao cabeleireiro para cortar, fazer uma escova ou outros procedimentos que não envolvam o uso de componentes químicos. Mas lembre-se que o simples calor do secador e da chapinha podem lesar os fios e causar queda de cabelo – daí a necessidade de moderação na frequência das visitas ao salão, ainda que você mantenha sua filha longe das químicas. “O fio é formado por queratina – uma proteína protetora – e as altas temperaturas interferem na estrutura dela”, explica Fátima.

Ponto para Patricia, que proíbe e regula o uso desses equipamentos, e para Fabiola, que faz trancinhas nos longos cabelos de Julia para que ela vá à escola no dia seguinte com os cabelos frisados. “O ideal é que as crianças sejam crianças e não ingressem no mundo dos adultos e seus rituais antes da hora. Pode parecer difícil convencê-las, mas elas são inteligentes e na maioria das vezes uma boa conversa é eficaz”, diz Ana Lucia.

Eva inspirou-se na personagem do desenho
Reproduçao
Eva inspirou-se na personagem do desenho "Os Incríveis" para cortar os cabelos curtinhos. Mas as colegas de escola não gostaram
Opinião pública

Eva tem 9 anos e, ao contrário das outras meninas, não quer saber de cachos, chapinha, cabelos vermelhos ou cor de rosa. Por influência dos penteados da avó e da mãe – e da personagem Mulher Elástica, do longa animado “Os Incríveis” –, Eva adora cortar o cabelo. “Uma vez ela cortou bem curtinho, mas se arrependeu por causa da cobrança das amigas da escola. Isso arrasou a autoestima dela”, conta Carolina Decina, mãe e professora. Mesmo que a família e a professora tenham tentado reverter a situação, o desconforto estava instalado.

Qualquer que seja a transformação capilar desejada pela menina, ela é provavelmente conduzida pelo desejo de aceitação. Por isso é importante o diálogo sobre a aparência e a real importância dela, independentemente de padrões impostos – seja pelos ídolos da televisão e da música, seja pelo grupo. No caso de Eva, nas palavras da mãe, “o medo de ser julgada pelo corte é maior do que a coragem de enfrentar a opinião pública do visual que ela idealiza”. Com as outras meninas acontece o mesmo, mas no sentido inverso – a realização do visual idealizado visa diminuir a reprovação social a seus cachos, sua morenice ou o volume dos fios. “É importante que a mãe tenha sensibilidade para detectar quando o desejo de mudança do cabelo deixa de ser coisa da idade e da moda e passa a ser descontentamento ou total desconhecimento da aparência”, aconselha a psicóloga Fabiola – que também conhece esta história como mãe.

Leia também
Meninas brincam de princesa em concurso de Miss Brasil
Mãe, preciso emagrecer?

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.