Tamanho do texto

O que pais e mães dispostos a levar seus filhos ao cinema, shows e teatro devem saber

Cultura não tem classificação etária. Estimular o filho para o novo, para as artes, faz parte das obrigações dos pais. Para ajudar nesta tarefa, respondemos as principais dúvidas dos pais na hora de levar os filhos a espetáculos de teatro, shows e cinema.

Qual a melhor idade para começar a levar os bebês a espetáculos?

De acordo com Luciane Motta, criadora da Casa do Brincar em São Paulo, até os três ou quatro meses, as crianças dormem muito. Depois dessa idade já é possível começar um trabalho de estimulação com os bebês, para ajudá-los a relaxar e prepará-los para as fases do desenvolvimento como sentar, engatinhar, andar. “A partir dos cinco ou seis meses nós começamos a trabalhar música com os bebês e as mães. É um trabalho muito mais de fortalecimento do vínculo entre a mãe e o bebê do que qualquer outra coisa”, explica Luciane.

Família com filhos no CineMaterna: sessões com som mais baixo e tapete para os bebês
Guga Ferri
Família com filhos no CineMaterna: sessões com som mais baixo e tapete para os bebês
O diretor e ator de teatro Luiz André Cherubini, do grupo Sobrevento, considera que desde o nascimento o ser humano é pleno e, por isso, está apto a perceber tudo que está a sua volta. Então, qualquer bebê pode participar de um espetáculo de teatro. “Uma criança não pode ser afastada deste encontro com outras pessoas. É como ouvir música. Não se pode querer de uma criança um entendimento lógico, porque arte não é feita para isso”, afirma. Para Cherubini, todo espetáculo tem que ser um encontro.

Quem assistiu às últimas peças do grupo em São Paulo – “Bailarina” e “Meu Jardim”, voltadas para bebês de seis meses a três anos – se espantou com os assentos para bebês. As crianças são liberadas para ir e vir enquanto atores continuam a se apresentar. Uma das propostas da peças era mostrar a pais e filhos que o bebê é um ser independente e autônomo dentro do espetáculo.

Duda em sessão de cinema para bebês: pipoca e brinquedos distraem as crianças
Irene Nagashima
Duda em sessão de cinema para bebês: pipoca e brinquedos distraem as crianças
E ao cinema?

Sessões especiais como as do CineMaterna, projeto nascido em 2008, oferecem uma opção de lazer às mães e bebês, desde os recém-nascidos até os 18 meses. Há um tapete de atividades para os bebês desenvolverem atividades paralelas e a direção faz adaptações nas projeções. “Mantemos a luz acesa e o áudio mais baixo. Também evitamos filmes de terror ou que estimulem demais os bebês. Quando passamos ‘Ensaio sobre a Cegueira’, por exemplo, a certa altura todos os bebês adormeceram por causa da música. O som interfere muito sobre eles”, explica Alexandra Swerts, uma das fundadoras da ONG.

O projeto está dando origem a uma nova geração de espectadores, habituados desde cedo a entender os códigos de uma sala de cinema. A engenheira Verônica Lassen começou a frequentar o cinema com a filha Duda quando ela tinha três meses.

“Existem poucos espaços direcionados a bebês menores de três anos. Ela foi curtindo e começou a perceber que aquele dia era de passear com a mamãe, foi ficando minha companheira”, conta Verônica. Hoje, com um ano e quatro meses, os programas culturais fazem parte da rotina de Duda. Ela vai ao teatro, shows, contação de histórias e participa ativamente, sem a mãe faça esforço para isso. “Não preciso interferir para que ela tenha atenção. O interesse é natural. Só precisa mostrar o caminho”, diz a mãe.

Como estimular as crianças a prestarem atenção?

Na hora do espetáculo, nada de tentar mediar o encontro do seu filho com o mundo imaginário. Uma simples frase como “Olha o cavalinho!” pode tirá-lo do encanto. “A criança está entendendo tudo. Os pais devem deixá-la se relacionar com aquele espetáculo do jeito que ela quiser. Todo teatro é um jogo”, explica Cherubini.

Duda em apresentação de
Arquivo pessoal
Duda em apresentação de "Meu Jardim": teatro para bebês

Georgia Baçvaroff leva o filho Caio, 4, ao teatro desde que ele tem um ano e seis meses. “Aos dois anos, o Caio já pedia para ir ao teatro. Ele gosta de repetir as peças preferidas, como ‘O Mágico de Oz’, ‘Os Três Porquinhos’ e ‘A Vaquinha Lelé’, bem como ‘Saltimbancos’, que já vimos 3 vezes”, diz a mãe.

Para estimulá-lo, Georgia conta histórias sobre as peças antes de ir aos espetáculos. “Tento explicar, de forma lúdica, o mundo da fantasia do teatro para o Caio. Acho que isso pode contribuir para a formação cultural dele na infância e também na vida adulta”, afirma Georgia.

Crianças na plateia do espetáculo
Grupo Sobrevento
Crianças na plateia do espetáculo "Bailarina", do grupo Sobrevento: 30 a 40 minutos de concentração
Por quanto tempo as crianças são capazes de se concentrar em um espetáculo?

Bebês menores de um ano se cansam mais facilmente. O tempo de atenção deles é em torno de 20 minutos. Nesta fase, dê preferência a apresentações de histórias curtas, com músicas, e teatro de fantoches. “Sou a favor de espetáculos livres para bebês. A duração é em torno de 30 minutos, mas normalmente dura o tempo que o grupo aguenta porque é um encontro”, explica Cherubini.

A partir de um ano, o tempo de atenção vai aumentando. Perto dos dois anos a criança já fica concentrada por até 30 ou 40 minutos numa atividade. Alguns pais já arriscam levar os filhos desta idade ao cinema, mas poucos realmente aguentam o filme todo. “Pode esperar até os três, três anos e meio para apreciar um cinema. Por volta dos quatro ou cinco anos, as crianças já deixam suas preferências bem claras e é possível negociar o tempo com elas”, explica Luciane Motta.

No CineMaterna, as crianças não ficam o tempo todo prestando atenção ao filme. “Quando se cansam elas brincam com os tapetes, comem pipoca, se distraem. Depois voltam a prestar atenção ao filme quando quiserem”, disse. Em uma sessão de cinema regular, isso seria impossível.

Embora apresentem fases de desenvolvimento semelhantes, o comportamento infantil é individual. “Tudo isso também está condicionado à personalidade e às preferências de cada criança, e a quanto ela foi exposta a atividades como musicalização, contação de histórias, teatrinhos, fantoches”, ressalta Luciane, da Casa do Brincar.

Como saber se a criança está gostando?

A interação é uma resposta positiva ao espetáculo. Quando o bebê assiste passivamente, de maneira prendida ou com palminha, é sinal de que a peça não está agradando. Não se acanhe em pegar seu filho e ir embora.

“O mais importante é que a criança se divirta, seja estimulada e brinque apenas pelo período em que estiver confortável e feliz. Nada deve ser imposto ou forçado”, explica Luciane Motta. Se a criança estiver gostando, vai dar sinais de que está envolvida na atividade. Como Duda, que no último show do Palavra Cantada podia ser vista na plateia cantando, dançando e batendo palminhas. “Ela vibra naturalmente”, explica a mãe Verônica Lassen.

Leia também
Você passa tempo com seu filho no final de semana?
11 atividades para curtir com seu filho

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas