Tamanho do texto

Só existem mais 26 casos como este registrados na história da medicina obstétrica. O bebê nasceu prematuramente, mas saudável

Quando o médico francês Pierre-Emmanuel Bouet descobriu que sua paciente gestante tinha um par de pernas crescendo para fora do útero, dentro do corpo da grávida, ele ficou surpreso.

Veja os nomes para bebês que serão tendência em 2017

“Eu fiquei abismado quando descobri”, disse o médico ao jornal americano "The Washington Post". Parte do saco amniótico, cheia de fluido, cresceu para fora do útero da mulher, com as pernas do feto dentro. A primeira coisa que ele decidiu fazer depois de ver a imagem foi pedir uma segunda opinião: “Perguntei a colegas para confirmar o diagnóstico”

A imagem de uma ressonância magnética mostra as pernas do bebê para fora do útero materno
Reprodução/New England Journal of Medicine
A imagem de uma ressonância magnética mostra as pernas do bebê para fora do útero materno

Ele é um obstetra do Centro Hospitalar da Universidade de Angers, na França, e tinha razões para ficar tão assustado: essa anomalia é tão rara que, segundo o médico, só existem outros 26 casos como esse registrados na história da medicina obstétrica.

Os médicos da mulher rastrearam a ruptura no útero por meio de uma ressonância magnética, e o caso, com uma foto rara que registra a situação, foram publicados no em um periódico científico britânico: o "New England Journal of Medicine".

O que você deve estar se perguntando é como houve tal ruptura no órgão para que as pernas do feto crescessem para fora dele. Por mais que pareça, os especialistas garantem que não foi uma chutada mais brusca a causa da ruptura.

Segundo Pierre-Emanuel Bouet, a origem mais provável para a ruptura é o histórico da paciente, que já havia realizado cinco cesáreas. Por causa da cicatrização das  cesáreas, partes do útero ficaram mais rígidas do que o comum e, ao invés de expandir durante o crescimento uterino e do feto na última gestação, uma delas acabou se rompendo, causando uma abertura de cerca de uma polegada.

Estudo aponta que cesárea pode ser responsável por deixar os bebês maiores

A mãe, que não foi identificada, não sabia do rompimento em seu útero e não apresentava nenhum sintoma. O médico informou ao veículo que, geralmente, as mulheres sentem dores quando isso acontece, por conta da hemorragia interna, mas, no caso dela, a parte do saco amniótico – com as pernas do bebê – que saiu pela abertura acabou comprimindo as paredes do órgão, o que evitou a perda de sangue.

Mas ainda assim, a mulher enfrentou uma situação muito perigosa, segundo o médico. “O útero inteiro poderia ter se rompido, levando a uma séria hemorragia interna, além do grande risco de um parto prematuro”, explica. Devido a estes riscos, o médico sugeriu interromper a gravidez com 22 semanas, mas a mulher e seu parceiro optaram por continuar com a gestação e apenas oito semanas depois o parto foi feito, por meio de cesárea.

Pesquisa diz qual posição para dormir da grávida significa mais risco ao bebê

De acordo com o médico francês, apesar do incidente com as pernas, o bebê nasceu saudável, e a mãe também passa bem: “Ele nasceu prematuramente, mas saudável”.

    Leia tudo sobre: gravidez
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.