Tamanho do texto

Fique atenta às orientações para passar o repelente nas crianças e proteger os pequenos dos insetos

Em tempos do mosquito Aedes aegypti , transmissor do zika vírus , dengue e chikungunya , é preciso reforçar a atenção na proteção com relação aos insetos . Proteger o corpo com roupas e colocar telas nas janelas ajuda, mas o principal modo de evitar picadas de inseto é com o repelente.

Do repelente a raquete elétrica: veja o que funciona no combate ao Aedes aegypti

A aplicação de repelente em crianças gera muitas dúvidas nas mamães, que têm medo de errar quanto ao tempo de duração e à melhor maneira de aplicar; veja algumas dicas:

Fique atento aos cuidados na hora de passar o repelente nas crianças
iStock
Fique atento aos cuidados na hora de passar o repelente nas crianças

De acordo com documento da Sociedade Brasileira de Pediatria, a partir dos seis meses, o uso do repelente com o ativo IR3535 é permitido aos bebês. Antes disso, nenhum repelente é indicado, pois a pele infantil absorve mais do que a adulto e, pela sensibilidade, pode causar alergias.

A partir dos dois anos, os outros tipos de repelente  – com Icaridina ou DEET em baixas concentrações – já são indicados, mas é sempre recomendado fazer um teste de contato para verificar se há algum tipo de alergia antes de passar pela primeira vez um novo produto. Jorge Huberman, pediatra e neonatologista do Instituto Saúde Plena e do Hospital Albert Einstein, sugere as versões em loção ou creme para as crianças .

Aplicação

Na hora de aplicar o repelente nos pequenos, a dica é priorizar as áreas expostas – inclusive o rosto – mas o pediatra alerta para os cuidados: “ É importante lembrar que não se deve aplicar o produto próximo a boca, nariz, olhos ou sobre machucados na pele.”

Também não é recomendado passar o produto na mão da criança para que ela mesmo espalhe, “pois elas podem esfregar os olhos ou mesmo colocar a mão na boca”, explica Jorge. Mesmo assim, depois da aplicação não esqueça de lavar suas mãos e as da criança, para evitar que isso aconteça.

Cuidados para proteger seu filho dos perigos do verão

Outra dica é realizar a aplicação em lugares abertos, onde o ar circula mais. Assim, o cheiro do produto se dissipa mais rapidamente e diminui o risco de intoxicação.

A reaplicação sempre deve ser feita de acordo com as instruções da embalagem, pois cada produto tem orientações diferentes e em alguns casos só podem ser aplicadas três vezes ao dia. Fique atenta!

Retire o repelente

“O produto deve ser retirado no banho, com água e sabonete, quando não for mais necessário”, explica Jorge, pois a criança não deve dormir com o repelente. Durante o sono, a criança pode passar o produto para travesseiros e roupas de cama e, dos tecidos, o repelente pode antingir bocas e olhos.

Mesmo seguindo todas estas orientações, o pediatra recomenda: “Sempre siga as orientações do fabricante e guarde a bula ou a embalagem do repelente para consulta, caso haja ingestão ou efeitos adversos”.

Inverno diminui o risco de contágio por dengue, zika vírus e chikungunya?

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.