Tamanho do texto

"Quando eles começam a crescer, vai ficando mais difícil que se curvem dessa forma", diz a holandesa Marry Fermont

A ideia de fotografar recém-nascidos na posição fetal logo após o nascimento surgiu por acaso para a fotógrafa holandesa Marry Fermont, que passou a documentar nascimentos depois de estudar obstetrícia. No primeiro parto que fotografou, a parteira mostrou aos pais como o bebê estava posicionado no útero e Marry diz ter pensado: "Tenho que  pedir isso com mais frequência".

Desde então, a fotógrafa passou a registrar esse momento especial na sala de parto, desde que as condições sejam favoráveis para o bebê. Ela conta que muitas vezes o pai é quem quer segurar o recém-nascido na posição que se encontrava na barriga para o clique. 

No parto de sua primeira filha, a fotógrafa pediu que uma amiga registrasse o bebê na posição em que estava na barriga
Lobke Koppens
No parto de sua primeira filha, a fotógrafa pediu que uma amiga registrasse o bebê na posição em que estava na barriga

“É difícil imaginar como o bebê se acomodava no útero. É legal ter a possibibidade de mostrar isso. Muitos bebês relaxam nessa posição, eles se sentem seguros como se estivessem de novo dentro da mãe", diz a fotógrafa. "Quando eles começam a crescer, vai ficando mais difícil que se curvem dessa forma." 

Marry havia fotografado exatamente 99 ensaios, no centésimo, ela passou de fotógrafa para mãe e, em julho deste ano, sua amiga Lobke Koppens  documentou o nascimento de sua primeira filha, Liv.

Agora que é mãe, ela compreende ainda mais a importância de seu trabalho. “Não é apenas para relembrar um dos momentos mais especiais de sua vida, mas para entender o nascimento e tudo o que aconteceu.”

Veja na galeria abaixo as fotos de Marry Fermont:



Para ver mais do trabalho de Marry Fermont, acesse o site  ou a página  dela no Facebook.


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.