Tamanho do texto

A vítima, grávida de quatro meses, prestou queixa contra um homem que repetidamente a abusava “sexualmente e psicologicamente”

A Associação Clara Campoamor, grupo feminista espanhol de apoio a vítimas de violência, solicitou uma investigação após uma juíza ter feito perguntas “totalmente ofensivas” a uma vítima de estupro, segundo o jornal espanhol "El Local". De acordo com a organização, a juiza perguntou para uma mulher se ela havia “fechado as pernas e todos seus órgãos femininos” contra seu suposto estuprador.

Vítima de estupro é questionada por juíza e caso gera repercussão internacional
Thinkstock
Vítima de estupro é questionada por juíza e caso gera repercussão internacional


+ "Escondi a gravidez, fui ao banheiro de casa e fiz meu parto sozinha"

Segundo a publicação, a vítima, grávida de quatro meses, prestou queixa contra um homem que repetidamente a abusava “sexualmente e psicologicamente” na delegacia na cidade de Vitoria-Gasteiz, no País Basco, em fevereiro. Chamada a depor no dia seguinte, ela se encontrou a juíza.

+ "Aquela Juliana morreu quando recebeu o teste positivo. Morri naquele dia"

“A juíza a questionou sem deixá-la responder, com perguntas conduzidas e ofensivas”, conta Blanca Estrella Ruiz, presidente da Associação Clara Campoamor, em comunicado. “Claro exemplo dessa atitude foi a juíza questionar repetidamente se a vítima fez alguma tentativa de resistir à agressão, incluindo se ela ‘fechou suas pernas firmemente’ ou se ‘fechou todos os seus órgãos femininos. Questionamentos são não apenas desnecessários à investigação, mas completamente ofensivos e violam a dignidade da vítima”, completa Blanca.

+ Homem desabafa após polêmica sobre maternidade: "Minha esposa tentou suicídio"