Tamanho do texto

Repórter do Delas participou do desfile de retorno da Mancha Verde ao Grupo Especial do carnaval de São Paulo. A seguir, ela narra a experiência, comenta o lugar da mulher nas torcidas de clubes de futebol e a polêmica com selfie de Viviane Araújo

Pelo nono ano consecutivo, tive o prazer de pisar no sambódromo do Anhembi pela Mancha Verde, minha escola do coração. Sim, sou palmeirense, assídua frequentadora de partidas de futebol e carnavais. 

Membros da Mancha Verde, Beatriz Bradley e os pais posam no domingo (7): foto só na concentração
Arquivo pessoal
Membros da Mancha Verde, Beatriz Bradley e os pais posam no domingo (7): foto só na concentração


Futebol é coisa de mulher, sim!

Aliás, é bom que se diga: futebol não é coisa de homem. Vou a estádios desde os 9 anos com a minha irmã, Bárbara. Meu pai nos acompanhava e, hoje, tenho inúmeros amigos que fiz nessas ocasiões.

'É bom que se diga: futebol e torcida organizada não é coisa de homem. Vou a estádios desde os 9 anos de idade com a minha irmã'
Arquivo pessoal
'É bom que se diga: futebol e torcida organizada não é coisa de homem. Vou a estádios desde os 9 anos de idade com a minha irmã'


Adeus ao rebaixamento

Ao contrário de 2015 - quando senti a frustração de ver minha escola ser rebaixada para o grupo de acesso - este ano a alegria foi imensa. Como diz um samba enredo da história da escola: “Perseverar. Lutar, não desistir. Resistir”. Já são nove anos na avenida e desfilei tanto no grupo especial quanto no grupo de acesso, e senti rolarem lágrimas de tristeza e felicidade. 

Neste ano, escolhi desfilar na ala dos “Amigos da Mancha”, que permite usar apenas um camisão, uma calça branca e um sapato branco para atravessar o sambódromo.

A repórter do Delas com a irmã, Barbara, no Anhembi, em 2015
Arquivo pessoal
A repórter do Delas com a irmã, Barbara, no Anhembi, em 2015

Para meus pais e amigos, que se dividiram entre alas no chão, carros alegóricos e até mesmo a bateria - onde estreei na escola, em 2008 - a opinião é a mesma: foi um dos melhores desfiles da Mancha Verde naquele domingo (7).

Concentração cinco horas antes

Emoções à parte, apesar de carnaval significar festa, para quem opta por desfilar por uma escola de samba, a parte da diversão vem só depois de atravessar a avenida.

Como temos de chegar à quadra da escola mais ou menos cinco horas antes do desfile, os preparativos começam cedo. Ao acordar, a emoção já toma conta. Pelo menos na minha casa é assim: colocamos o samba enredo para tocar mil vezes e choramos ao ouvir todas.

Gelo, piscina e mais: como recuperar os músculos depois da maratona de carnaval

Gosto de chegar pronta e sempre escolho maquiagem verde, apesar de não ser uma regra. A três horas do desfile, pegamos o ônibus para o sambódromo.

Selfie polêmica de Viviane Araújo

Infelizmente é proibido entrar na avenida usando qualquer coisa que não faça parte da fantasia. Celular, câmera, chapéu, máscara e até mesmo colares, anéis, brincos muito grandes podem fazer com que o jurado desconte pontos no quesito fantasia. Fotos, como as minhas, somente na concentração. Aí, a gente esconde o celular e não pega até o desfile chegar ao fim.

Jurado que flagrou Viviane Araújo, rainha de bateria, fazendo selfie durante desfile
Reprodução


Neste ano, a rainha de bateria, Viviane Araújo, foi flagrada com seu celular no recuo da bateria.

O resultado foi o desconto de um décimo na nota de fantasia (9,9), que apesar de ser um quesito de desempate, não impediu que a escola fosse campeã.

Liga das Escolas de Samba de São Paulo divulgou parecer de jurado sobre selfie polêmica de Viviane Araújo
Divulgação
Liga das Escolas de Samba de São Paulo divulgou parecer de jurado sobre selfie polêmica de Viviane Araújo


Nota zero no quesito paquera

Aquele momento entre chegar ao sambódromo e pisar na avenida é um misto de sentimentos: nervosismo, distração, tensão. Não tem espaço para paquera, vaidade ou qualquer outra coisa que não esteja dedicado a ajudar a escola de samba a dar o seu melhor.

Por isso, uma dica: se você quer curtir uma azaração no próximo carnaval, desfilar por uma escola de samba não me parece a melhor escolha. Definitivamente, não é um lugar para beijar na boca, paquerar ou beber. 

Parece impossível, mas descobrimos como tirar o glitter de carnaval do corpo

10 coisas que você precisa saber para desfilar na avenida no carnaval:

1 - Avenida é lugar de concentração e tensão;

2 - Diversão é para depois do desfile; 

3 - Se você optou por desfilar, tem que ter a responsabilidade de não exagerar na bebida antes de entrar na avenida;

4 - Selfies são legais, mas elas são liberadas antes e depois do desfile. Durante o desfile, qualquer coisa que não faça parte da fantasia, deverá ser escondido;

5 - Desfile não é lugar para namorar;

6 - Cantar o samba enredo é uma obrigação para quem desfila. Se o jurado vir que um componente não canta, a escola perde ponto;

7 - Dançar também é uma regra. Se você ficar parado e não mostrar empolgação, a escola pode ser penalizada;

8 - Nos desfiles aparecem muitos famosos e é melhor evitar aglomerações em torno deles;

9 - Caso você escolha desfilar nos carros alegóricos, deverá subir com muita antecedência e permanecer lá por muito tempo; 

10 - Você deverá comparecer aos ensaios técnicos da escola. 

Beatriz no carnaval de 2012 da Mancha Verde: homenagem a Mario Lago no Anhembi
Arquivo pessoal
Beatriz no carnaval de 2012 da Mancha Verde: homenagem a Mario Lago no Anhembi


* Beatriz Bradley, 22, é repórter do Delas, apaixonada pelo Palmeiras, pela Mancha Verde, por futebol e carnaval.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.