Tamanho do texto

Compartilhar intimidades em grupos e redes sociais é comum entre jovens, mas alguns cuidados precisam ser tomados para evitar que as revelações virtuais se tornem problemas reais

A influência da internet no dia a dia e na relação entre as pessoas só tem aumentado.

Na era dos aplicativos de encontros e do “manda nudes”, os grupos de discussão sobre os mesmos temas, como relacionamentos e sexo no Facebook, por exemplo, ganham cada vez mais espaço. 

Experiências sexuais e amorosas

O “Share Your PPK” ("Compartilhe sua PPK", em português) é um grupo do Facebook focado em experiências sexuais e amorosas, tabus, direitos e questões femininas. Criado em abril deste ano, o perfil voltado para mulheres conquistou mais de 14 mil membros em apenas cinco meses. A maioria das participantes é de jovens de 17 a 22 anos, que compartilham dúvidas, histórias e conselhos. Entre os temas mais abordados, relações sexuais com namorados e ficantes se destacam.

Na maior parte das vezes, as meninas recebem muita ajuda e bons conselhos, mas à medida que o grupo cresce, os famosos perigos da internet  também aumentam e acaba sendo arriscado compartilhar situações abertamente. 

Grupo do Facebook 'Share Your PPK' ou 'Compartilhe sua PPK': postar no anonimato é mais indicado para histórias pessoais
Reprodução
Grupo do Facebook 'Share Your PPK' ou 'Compartilhe sua PPK': postar no anonimato é mais indicado para histórias pessoais



Consequências reais para desabafos virtuais

Isabela* confiava no grupo desde o início e, inclusive, diz ter recebido muita ajuda. Recentemente, ela compartilhou um relato íntimo abertamente e as consequências foram desastrosas.

Contei sobre um relacionamento abusivo com um cara que bastante gente do meu círculo de amigos conhece. 'Amigas' em comum com ele que estavam no grupo printaram a publicação e ele acabou recebendo"

A atividade de Isabela foi printada, a imagem das declarações virtuais chegaram até o ex-namorado dela e as consequências foram bem reais. "Contei sobre um relacionamento abusivo com um cara que bastante gente do meu círculo de amigos conhece. 'Amigas' em comum com ele que estavam no grupo printaram a publicação e ele acabou recebendo, assim como vários amigos meus. Essas meninas passaram a dizer para todo mudo que eu era louca e mentirosa e que queria chamar atenção. Além do óbvio, de me exporem para um cara com quem eu tive um relacionamento abusivo, o que não é exatamente seguro, eu basicamente perdi 90% dos amigos que estava acostumada a sair", revela.


No grupo, as meninas compartilham mensagens de apoio, dicas e conselhos sobre todos os assuntos. Na imagem: 'Sou uma mulher, deveria fazer o que eu gosto'.
Reprodução
No grupo, as meninas compartilham mensagens de apoio, dicas e conselhos sobre todos os assuntos. Na imagem: 'Sou uma mulher, deveria fazer o que eu gosto'.


Intimidades, inseguranças e tabus

A criadora e moderadora do "Share Your PPK", Amanda Previdelli, conta que se surpreendeu com o número de compartilhamentos, mas alerta para a consciência que toda menina precisa ter. “Apesar da opção de postar mensagens anônimas, a quantidade de meninas que comentaram coisas íntimas, inseguranças ou tabus sem ser no anonimato impressiona muito. A gente pede para as meninas tomarem cuidado, porque um comentário delas pode ser printado. Elas têm que saber medir, acho que sexo tem que ser falado abertamente mesmo, mas se for postar sobre um namorado ou sobre um crime, tem que ter mais cuidado", explica. 

Muita ajuda também

Por outro lado, grupos assim podem ser promover transformações sociais, como o que promoveu um boicote a uma balada onde aconteciam muitos episódios machistas e constrangedores. 

"O grupo é um espaço de desabafos, compartilhamento de histórias e de apoio emocional à toda e qualquer menina. Acho que todas nós, que fazemos parte dele, já sofremos alguma situação parecida com os desabafos que são feitos lá. Então, é meio impossível não me sentir ajudada pelas milhares de meninas. De alguma maneira, ver que várias outras pessoas passam por situações parecidas, deixa a gente menos paranoica.", conta Marília Kazmierczak, de 20 anos, usuária bastante ativa do "Share Your PPK". 

Todos os tipo de dicas são compartilhadas, como dicas de brinquedinhos e preservativos
Reprodução
Todos os tipo de dicas são compartilhadas, como dicas de brinquedinhos e preservativos


Compreensão e punição como exemplo

É exatamente por todos esses benefícios que as integrantes do grupo são bem compreensivas com situações de vazamento e exposição como a de Isabela*. "Nunca chegou uma cobrança em cima das moderadoras. O que chega é reclamação de menina que ficou decepcionada com tal fato. Acho que elas são bem compreensivas com a gente e o trabalho que a gente tem", opina Amanda. Segundo a moderadora, quando acontece algum problema, ele é solucionado da melhor maneira possível, como quando as culpadas pelo vazamento do post de Isabela foram expulsas do grupo. 

Controle de particiantes garante mais segurança

Para Rafaela Paiva, de 20 anos, no entanto, isso não bastou e a ex-integrante do "Share Your PPK" criou o seu próprio grupo, o "Share Your Girl-Power". "Eu e a outra moderadora do grupo estávamos descontentes com comentários elitistas, homofóbicos e racistas que estavam rolando e decidimos criar um grupo mais receptivo e controlado. Não julgo as moderadoras do 'Share Your PPK' porque acho que a situação fugiu do controle delas, por isso, pretendemos ter um controle maior sobre a quantidade de meninas que entram".

Grupo seleto do Facebook: preocupação com privacidade e segurança
Reprodução
Grupo seleto do Facebook: preocupação com privacidade e segurança


"Share Your Girl-Power X "Share Your PPK"

Enquanto o "Share Your Girl-Power tem 277 membros, com média de idade de 14 a 30 anos, o outro tem 14.050 e integrantes de 17 a 22 anos. No grupo mais fechado, as participantes são mais amigas, desabafam e jogam conversa fora; no outro, fala-se basicamente de sexo e histórias mais relacionadas a sexualidade ou inseguranças nos relacionamentos. 

Alerta

Assim como o "Share Your PPK" surgiu de outro grupo, o "Share Your Heart", e o "Share Your Girl-Power" veio do "Share Your PPK", muitos outros grupos vão sendo criados frequentemente para juntar mulheres que têm algo em comum.

A certeza é que vamos continuar encontrando neles um local de fortalecimento e de novas amizades. Vale lembrar que, mesmo assim, é preciso consciência ao compartilhar ou ler intimidades em locais públicos e que nada é substituto de médicos e psicólogos.

*Isabela é um nome fictício para a entrevistada que preferiu ficar no anonimato.

*PPK (pepeca) é um apelido para o nome da genitália feminina.

via GIPHY




    Leia tudo sobre: Facebook
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.