Tamanho do texto

Em autobiografia lançada nos Estados Unidos, Suzy Favor Hamilton conta como entrou para a prostituição e como lidou com transtornos psicológicos

A ex-atleta olímpica Suzy Favor Hamilton lança autobiografia onde revela vida como prostituta de luxo
Reprodução/Amazon
A ex-atleta olímpica Suzy Favor Hamilton lança autobiografia onde revela vida como prostituta de luxo

Uma das maiores corredoras de distâncias médias da década de 1990, Suzy Favor Hamilton, chegou a ganhar sete títulos no campeonato americano e participar de três edições das Olimpíadas.

Em setembro deste ano, a ex-atleta de 47 anos lançou nos Estados Unidos o livro “Fast Girl: A life spent running from madness”, que em tradução livre seria “Garota veloz: Uma vida gasta correndo da loucura”, no qual detalha sua batalha com distúrbios mentais e também sua história como garota de programa.

Após perder a corrida nas Olímpiadas de 2000 e sentir que sua carreira estava acabada, Suzy passou a sofrer com transtorno bipolar, ansiedade e depressão. Mas a medicação prescrita só fez os sintomas piorarem e os desejos sexuais aumentarem: “Isso me fazia pensar em sexo o tempo todo”, contou em entrevista para a Rádio KNPR.

Suzy Favor Hamilton nas Olimpíadas de 2000, ocasião que posterior a levou a desenvolver transtornos psicológicos
Reprodução
Suzy Favor Hamilton nas Olimpíadas de 2000, ocasião que posterior a levou a desenvolver transtornos psicológicos

Para comemorar 20 anos de casamento, o marido Mark sugeriu a ex-corredora que fizessem um menàge a tróis. Eles estavam em Las Vegas e contratram uma garota de programa. Quando Suzy descobriu que a profissional ganhava até US$ 1 mil por programa, ela decidiu que começaria a trabalhar no ramo e então se mudou oficialmente para a cidade americana para exercer a função com o codinome de Kelly Lundy.

Ela confessa que os programas davam a mesma sensação de leveza que a corrida a fazia sentir. Sua identidade original era mantida em segredo, e ela só revelava para os clientes – pois acreditava que eles manteriam sigilo.

No entanto, essa falsa esperança acabou quando o veículo The Smoking Gun publicou em dezembro de 2012 um artigo revelando a dupla vida da ex-atleta.

Ainda casada, Suzy pensou em suicídio ao ver seu segredo se tornar público, mas o marido, que sabia de seu lado B, a ajudou a passar pela situação – mesmo que a prostituição a tenha levado para longe dele e da filha do casal. No livro, ela conta a importância do parceiro para ter “alcançado as profundenzas da alma” e trabalhar os problemas psicológicos.

Professora de ioga na Califórnia atualmente, Suzy não se arrepende da vida de prostituta: “Eu não posso fingir que estou envergonhada por algo fazer algo que nunca achei que fosse errado”.

O livro “Fast Girl: A life spent running from madness” está disponível em e-book por R$ 43,29 no site da Amazon Brasil.