Tamanho do texto

Mais do que um ato nobre e uma forma de preservar um relacionamento, desculpar-se é forma de seguir em frente depois de um erro. Aprenda como fazer isso

Desculpas: a discussão deve ser franca e as duas partes devem estar abertas para ouvir
Getty Images
Desculpas: a discussão deve ser franca e as duas partes devem estar abertas para ouvir

Nem só de acertos é feita a vida. Mais importante do que não errar é saber lidar bem com as próprias falhas. É justamente neste momento que muitos se perdem.

"Algumas pessoas têm muita dificuldade em assumir o próprio erro, o que é um pouco culpa da nossa cultura”, explica a psicoterapeuta Cecília Zylberstajn. De acordo com ela, o problema vem desde a infância, quando os acertos costumam ser celebrados e os erros punidos com castigos.

“A gente só valoriza o certo. Admitir a culpa às vezes parece algo impensável.”, diz.

O primeiro passo para aprender a se desculpar melhor é assumir os próprios atos: nada de dizer que ‘falou sem pensar’ ou de jogar a culpa para o outro. Errar não é o fim do mundo. Procure encarar isso como um novo mantra para a vida.

"No processo de tentar escapar da responsabilidade, muitos tendem a minimizar a própria conduta”, conta Sandro Caramaschi, professor de Psicologia da UNESP, em Bauru.

Uma providência importante para começar a encarar o ato de maneira natural é deixar de ver o pedido de perdão como fraqueza ou derrota.

“Um erro comum é transformar qualquer desentendimento em uma competição”, conta a psicóloga. Segundo a especialista, em uma discussão não deve haver ‘vencedores' ou ‘perdedores’. A vitória, neste caso, deve ser da relação.

Para ser bem-sucedida, a discussão deve ser franca e as duas partes devem estar abertas para ouvir. Evite usar um tom acusatório, que deixa o outro na defensiva e dificulta o diálogo.

"Eu só posso estar disposto a admitir meu erro se também estiver disposto a perdoar”, argumenta Cecilia.

Um problema comum a muitos casais é a diferença na forma como cada um enxerga os erros do parceiro, o que pode gerar brigas intermináveis.

“Um comportamento feminino comum é não verbalizar as emoções, esperando que o homem descubra o que ela está sentindo”, relata Caramaschi. Já os homens tendem a minimizar suas condutas, acusando a parceira de exageros. Nestes casos de incongruência, é importante fazer um esforço para enxergar a situação pelos olhos do outro.

Há, no entanto, erros que cometemos com pessoas que nem conhecemos ou com as quais a relação é apenas superficial. Quem nunca derrubou uma bebida na roupa de alguém ou bateu com o carro no veículo de outra pessoa, por exemplo? Nestes casos, o pedido de desculpas deve ser acompanhado de uma tentativa de reparação.

“Isso é muito importante, pois viabiliza a relação na medida do possível”, explica Cecília.

Portanto, nada de fazer economias nessa hora: ofereça-se, sempre que possível, para cobrir os gastos que a sua trapalhada possa ter gerado, minimizando, assim, o impacto do erro.

Leia mais no Delas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.