iG Delas

Colunistas

enhanced by Google
 

Questões do amor

Regina Navarro Lins fala de sexualidade e relacionamentos

é psicanalista e escritora, autora do livro “A Cama na Varanda”, entre outros. Twitter: @reginanavarro

Disfarces do desejo

Regina Navarro Lins: A estética é apenas um dos itens responsáveis pela atração sexual

20/09/2010 09:55

  • Mudar o tamanho da letra:
  • A+
  • A-

Alexandre, um médico de 26 anos, relata a sua maior decepção sexual. “Ano passado, quando eu estava terminando a residência, me apaixonei por Sandra, a mulher mais gostosa que conheci. Ela era residente no mesmo hospital e fazia todos suspirarem, dos pacientes aos médicos, passando pelos enfermeiros, faxineiros, e quem mais estivesse por perto. Morena, alta, bonita, com um corpo escultural, tinha um jeito de andar sensual, irresistível. Depois de muita insistência da minha parte, ela aceitou sair comigo. Fomos a um motel. Eu estava certo de que jamais esqueceria aquela noite. Chegando ao quarto, Sandra tirou a roupa e se deitou na cama. Não mexeu um músculo sequer, ficou totalmente passiva, parada, inerte, esperando... Tentei excitá-la, e nada. Por um momento pensei em desistir e ir embora. Mas como? Aquela mulher maravilhosa, ali, todinha pra mim... Fui em frente. Precisei de algum esforço pra não broxar, mas sem dúvida, tive a pior transa da minha vida. Realmente, foi uma noite inesquecível.”

Há mulheres para quem o grande prazer sexual consiste em simplesmente deixar os homens loucos de desejo e mais nada. Na verdade, sentem pouco ou nenhum prazer com a estimulação sexual. E as causas são bem variadas, desde uma educação repressora, onde a idéia de que a mulher não pode ter iniciativa alguma no sexo é reforçada, até dificuldades emocionais que impedem a troca afetiva com o outro.

De qualquer forma, a atração sexual é algo misterioso e que ninguém sabe explicar direito. Por que nos sentimos atraídos por alguém e de que forma atrair a pessoa desejada é o que todos tentam descobrir. Geralmente se pensa logo na beleza e, como primeira impressão, a aparência é fundamental mesmo. Mas sendo o belo também condicionado pela cultura, os tipos ideais variam de época e lugar, desempenhando um papel fundamental na escolha do parceiro sexual.

Para nosso espanto, o que torna homens e mulheres mais atraentes em outras partes do mundo são aspectos físicos que nem de longe apreciamos. Os Maias gostam de pessoas vesgas, e existem povos da África e da Oceania que têm preferência por gengivas e línguas pretas (Maasai), dentes pretos (Yapese), umbigos enormes e salientes (Ila), seios pendentes (Ganda), ausência de sobrancelhas e cílios (Mongo), e assim por diante. Em algumas sociedades, mulheres gordas são muito valorizadas. As meninas antes do casamento chegam a ser postas em regime de engorda, onde devem comer exageradamente para ganhar tanto peso quanto for possível.

No Ocidente, há critérios de atração bem específicos, em que as normas baseadas na beleza física regem até concursos de beleza. É claro que existem as preferências individuais, mas a atração sexual, para a grande maioria, se baseia nas características que diferenciam homens e mulheres— todos os tratamentos de beleza femininos enfatizam essas diferenças (sobrancelhas finas, ausência de pelos, etc.).

Entretanto, os homens, mais do que as mulheres, são atraídos pela aparência física, e algumas pesquisas mostraram que apenas um por cento delas se sentem atraídas por homens com músculos avantajados, tórax, bíceps e ombros desenvolvidos. A maioria prefere homens menos musculosos, vestidos, em vez de nus, e nega ser obcecada pelo tamanho do pênis. Um terço das mulheres cita as nádegas, pequenas e firmes, como a característica visualmente mais excitante nos homens. Eles, por sua vez, se sentem atraídos por cintura fina, quadris largos, e seios avantajados, bem diferentes do que possuem.

A estética é apenas um dos itens responsáveis pela atração sexual. A sedução do cheiro ocupa posição de destaque. A mariposa secreta um líquido invisível do seu abdômen — o feromônio — e atrai pretendentes a mais de um quilômetro. Nós também exalamos um cheiro que atrai as pessoas, só que a uma distância menor. Homens e mulheres têm glândulas “apócrinas” nas axilas, em volta dos mamilos e na virilha, que se tornam ativas na puberdade. A secreção delas não tem nada a ver com aquelas que acabam produzindo cheiro acre e azedo da transpiração. Cada pessoa tem um cheiro próprio, um odor pessoal.

Há muito tempo se sabe disso. Baudelaire afirmava que a alma de uma pessoa estava nesse suor erótico. Napoleão enviou uma carta a Josefina, dizendo: “ Chego a Paris amanhã à noite. Não tome banho.” E um escritor francês do século 19, escreveu que o cheiro das axilas de uma mulher “despertam facilmente o animal que se esconde dentro do homem”.

Atualmente, nas festas em algumas partes da Grécia, os homens colocam seus lenços sob as axilas e oferecem às mulheres que convidam para dançar. Dizem que o resultado é garantido. Odores genitais, em alguns casos, também são considerados excitantes. As prostitutas de Nápoles eram conhecidas por passar os fluídos vaginais atrás das orelhas para atrair mais clientes, e um índio Apache declarou que colocava o dedo dentro da vagina de uma mulher e o cheirava, como tentativa de combater uma impotência temporária.

Contudo, como se explica que uma pessoa, mesmo sendo bonita e tendo o cheiro que nos agrada, não seja sexualmente atraente, ou o seja apenas num primeiro momento? Isso ocorre com frequência, ao mesmo tempo em que ficamos surpresos quando nos percebemos fortemente atraídos por alguém que não corresponde em nada ao nosso ideal de beleza.

Na realidade, a atração sexual transcende aos aspectos físicos. É um jeito de sorrir, de olhar, quem sabe uma observação interessante, um modo de falar... Não dá para dizer o que é, nem de onde vem. Talvez venha do invisível e não se sabendo que nome tem, podemos chamar de espírito. A decepção de Alexandre foi grande porque na nossa cultura se alimenta a crença equivocada de que uma ótima relação sexual está diretamente ligada à beleza física.

Siga! Regina Navarro Lins no Twitter
 

Sobre o articulista

Regina Navarro Lins - renl@gbl.com.br - é psicanalista e escritora, autora do livro “A Cama na Varanda”, entre outros. Twitter: @reginanavarro

» Mais textos deste articulista

    Notícias Relacionadas


    4 Comentários |

    Comente
    • Marjorie Leal | 06/10/2010 01:25

      Esse lance de cheiro nos remete ao mundo animal, onde as fêmeas exalam cheiros e atraem machos. Para mim sem gostar do cheiro, não tem química. Excelente texto.

      Responder comentário | Denunciar comentário
    • sonia | 23/09/2010 20:09

      Bem , quando deixei de gostar do cheiro do meu marido percebi que o casamento chegava ao fim. Seu cheiro ...aquele que antes me atraia começou a me incomodar. O que mudou não sei, o sexo continuava muito bom, classificaria com uma média de 8,5. Mas mesmo assim, depois de um bom banho e um bom perfume, sei lá não dava.

      Responder comentário | Denunciar comentário
    • Fernanda | 22/09/2010 00:06

      Regina, ótimo artigo.!

      Responder comentário | Denunciar comentário
    • MARIA PAULA | 21/09/2010 09:43

      REGINA, ME SINTO FORTEMENTE ATRAÍDA PELO MEU NAMORADO, ANTES DE FICAR COM ELE, O CHEIRO DELE EU INALAVA ACHO QUE IA PARA O MEU CÉREBRO, ERA UMA LOUCURA, MAS ELE ERA CASADO E VIVI ISSO DURANTE 10 ANOS, SÓ SENTINDO O CHEIRO (risos).DEPOIS QUE ELE SE SEPAROU POR OUTROS MOTIVOS, RECOLVI ME DECLARAR PARA ELE E O MAIS GOSTOSO É QUE O Q EU SENTIA A 10 ANOS ATRÁS, CONTINUO SENTINDO NAO MUDOU ABSOLUTAMENTE NADA.ESTAMOS JUNTOS A MAIS DE 1 ANO E ESTÁ ÓTIMO.

      Responder comentário | Denunciar comentário

    Antes de escrever seu comentário, lembre-se: o iG não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!




    *Campos obrigatórios

    Seu comentário passará por moderação antes de ser publicado

    Ver de novo