iG Delas

Colunistas

enhanced by Google
 

Questões do amor

Regina Navarro Lins fala de sexualidade e relacionamentos

é psicanalista e escritora, autora do livro “A Cama na Varanda”, entre outros. Twitter: @reginanavarro

A homossexualidade feminina

A história de Suely, uma mulher casada e com filhos que se apaixonou por outra mulher

17/05/2011 10:08

  • Mudar o tamanho da letra:
  • A+
  • A-
Compartilhar:

Suely é uma comerciante de 39 anos. Casada há 18, tem um casal de filhos adolescentes e uma relação bastante tranquila com o marido; há entre eles carinho e muita amizade. Entretanto, de oito meses para cá, sua vida deu uma reviravolta. Foi quando precisou contratar uma nova gerente para sua loja, e conheceu Flávia. O convívio constante com a moça, 12 anos mais nova, fez com que percebesse como se sentia atraída sexualmente por ela. Flávia, que já havia tido outras relações homossexuais, facilitou as coisas e não demorou muito para iniciarem uma relação amorosa e se apaixonarem. Sem saber bem que atitude tomar, Suely desabafa: “Todos os homens com quem transei, e aí se inclui o meu marido, estiveram mais preocupados com o prazer deles do que com o meu. Sempre foi muito difícil para mim chegar ao orgasmo. Com a Flávia é maravilhoso, além de eu ter vários orgasmos seguidos, temos uma transa muito mais demorada e gostosa”.

A primeira homossexual de que se tem notícia é a poeta Safo. Ela viveu no século VII a.C., em Lesbos, uma ilha grega ao norte do Mar Egeu. Seus poemas, dirigidos às mulheres, são ardentes e sensuais As mulheres que amam pessoas do mesmo sexo são chamadas de lésbicas em referência ao lugar onde ela nasceu. Safo era objeto de gracejos obscenos e julgamentos moralistas. Seus amores foram ridicularizados pelos poetas cômicos de Atenas.

Mas hoje, 2700 anos depois, como as pessoas reagem à homossexualidade feminina? Sem dúvida, ela sempre foi mais tolerada do que a masculina. Socialmente existe maior liberdade para as mulheres se tocarem, se beijarem, se aconchegarem, manifestando carinho umas pelas outras. A relação amorosa entre elas é menos evidente e é mais fácil dissimular sua verdadeira orientação sexual.

Duas mulheres bonitas e atraentes podem formar um casal, confundindo as pessoas, que ficam surpresas quando percebem sua orientação sexual. Nas pesquisas de Shere Hite sobre sexualidade feminina, 144 mulheres (8% das entrevistadas) declararam preferir fazer sexo com mulheres.

Contudo, o fato do corpo feminino não ser provido de órgão de penetração intriga muita gente, que não entende como pode haver uma relação sexual sem a presença do pênis. O prazer é possível porque a excitação da mulher é diferente da do homem: é uma resposta de todo o corpo. Lábios, pescoço, orelha, barriga, costas, seios, nádegas e joelhos são algumas das zonas erógenas femininas mais importantes.

Alguns autores chegam a afirmar que, na nossa cultura machista, se o prazer sexual for medido por resposta orgástica, o sexo entre duas mulheres parece mais bem sucedido do que a atividade heterossexual, além de se encontrar nele maior igualdade no dar e receber da experiência sexual.

Muitas mulheres se queixam de que o homem, por não perceber que a excitação do corpo feminino não é necessariamente alcançada por meio de sensações genitais, inicia o ato sexual estimulando diretamente o clitóris. E, sem preliminares, parte logo para a penetração, o que desagrada à mulher, não lhe dando nenhum prazer.

Entretanto, acredito que nada disso significa que um homem não possa dar grande prazer a uma mulher, desde que ele rompa com os estereótipos de sexualidade masculina da nossa cultura patriarcal e se proponha a trocar afeto e prazer com a parceira, sem preocupações com o próprio desempenho.

Há algum tempo perguntei a algumas pessoas o que pensam a respeito da homossexualidade feminina. [Deixe também seu comentário abaixo]:

"Esteticamente acho muito bonito. Sou um voyeur, gosto de ver, não me choca. Mas acho muito fácil o amor entre iguais. Aposto mais no amor hetero; é mais difícil você encontrar o prazer no sexo diferente do seu". Sílvio Tendler - cineasta

"Acho normal, assim como o amor entre homens. Depende da natureza erótica de cada um. A tendência do mundo é a bissexualidade". Tônia Carrero - atriz

"Os casamentos lésbicos que eu conheci eram de tal forma harmônicos e felizes que eu diria que se eu fosse mulher pensaria seriamente no assunto. Neles eu percebia uma tranquilidade que dificilmente vi nos casais hetero. Às vezes, o homem é tão sacana com a mulher, tão insincero, que muitas mulheres devem ficar de saco cheio e procurar outra mulher". Lula Vieira - publicitário

"A mulher, quando opta por uma relação com outra mulher, geralmente pega o pior do homem, o lado machão. E o homem também, quando resolve ser gay, pega o pior da mulher, o lado fútil. O interessante é a liberdade absoluta, ninguém precisar representar papéis, viver preso a estereótipos. Ter uma relação natural com alguém do mesmo sexo, sendo você mesmo, é o grande desafio. Mas isso é o que ameaça o sistema, então, se impõem a essas pessoas estereótipos de bicha louca ou de mulher machona, e todos caem como patinhos". Marcus Alvisi - diretor de teatro

"Kinsey e outros pesquisadores concluíram que entre os humanos há mais machos do que fêmeas praticantes do homoerotismo. A meu ver, a predominância numérica e política dos gays deve-se ao fato de que quando um homem não sente tesão pelo sexo oposto, simplesmente ele não tem ereção, inviabilizando a relação erótica. As mulheres podem camuflar muito mais facilmente sua homossexualidade, pois mesmo não gostando de homens, podem ‘suportar’ passivamente penetrações, sem levantar suspeita sobre seu verdadeiro objeto de desejo. As lésbicas são muito mais aceitas que os gays, pois mesmo as ‘sapatonas machudas’ ameaçam menos a hegemonia do macho: o gay, sobretudo quando andrógino, abala e balança o pedestal do macho, por abdicar da dominação das fêmeas e assumir papéis e fantasias do sexo frágil". Luiz Mott (antropólogo, ativista gay)

Leia Também: Mulher necessita de proteção?

Siga @reginanavarro no Twitter
 

Sobre o articulista

Regina Navarro Lins - renl@gbl.com.br - é psicanalista e escritora, autora do livro “A Cama na Varanda”, entre outros. Twitter: @reginanavarro

» Mais textos deste articulista

    Notícias Relacionadas


    30 Comentários |

    Comente
    • Heder | 25/05/2011 10:49

      Por que tantos pessoas acham que a homossexualidade é questão de opção ou escolha? Há muitos indicicios que a homossexualidade é predisposição genética, algo como fatores bióticos e abióticos. Agora cabe a cada um escolher ou optar por "sair do armário". Isso sim é questão de escolha. Homossexualidade é condição!!

      Responder comentário | Denunciar comentário
    • RAUL | 19/05/2011 20:34

      as vazes o casamento acaba por falta de enterder, um ao outro. o casal precisa encontrar uma forma de ser feliz,devemos esqueçer os preconceitos. o mais importante e ser feliz....o casamento precisa ser apimentado,para não cair na rotina,criar novas fantasias.para ambos,ficarem com muito prazer...

      Responder comentário | Denunciar comentário
    • jose | 19/05/2011 20:02

      concordo com vc ricardo, tem muitas mulheres que só criticam os homens,mais não dão ideias de como melhorar a relação. eu motivo a minha mulher ao BI, mais ela não dá muita bola..e uma pena....eu apoio o bi feminino numa boa.acho um tesão ver duas mulheres se pegando.....parabéns para vc ricardo, por pensar dessa forma...a final a vida e muito curta...para disperdiçar com preconceitos...

      Responder comentário | Denunciar comentário
    • rafael | 18/05/2011 17:38

      Liberdade ok, mas apologia a homosexualismo, dizendo que o homem pode dar prazer a mulher desde que se liberte de hábitos.\nPor favor né?\nJá passou da conta isso. \nPrecisamos pensar um pouco como agir diante destes assuntos.\nIndividualidade, respeito por diferenças ok, mas generelizações e formadores de opinião\ncontra os heteros já é descultura, como serio se fosse para criticar os homossexuais.\nVamos rever isso por favor!!!

      Responder comentário | Denunciar comentário
    • Sabrina - Bióloga | 18/05/2011 15:23

      Acredito no amor e na força desse sentimento quando existe verdadeiramente dentro de cada pessoa, sendo assim homens e mulheres merecem toda a liberdade para expressar suas escolhas. Homem ou mulher? Não importa, apenas ame e seja amado...

      Responder comentário | Denunciar comentário
    • marli | 18/05/2011 15:17

      eu acho normal para os outros para mim, não. Acredito ser modismo. Voce pode namorar quem quiser mas não precisa ser explicito.\nMarli

      Responder comentário | Denunciar comentário
    • JEANNE | 18/05/2011 14:56

      Não tenho preconceito, cada um deve ser feliz a sua maneira! Não podemos colocar nossas frustrções sexuias nos homens, hoje em dia há muitas informaçãoes e liberdade para dialogos entre os casais. Um homem que verdadeiramente quer agradar uma mulher consegue lhe escutar e segue seus conselhos! Nossos homens precisam ser ensinados, e se sentem satisfeitos com suas mulheres sentindo prazer, e demonstrando desejo. Acredito que com muito jeitinho conseguimos tornar a relação sexual muitoooo prazerosa para ambos! Basta quere!!!

      Responder comentário | Denunciar comentário
    • Alessandro | 18/05/2011 12:33

      Parabéns pela matéria! É objetiva, esclarecedora e sensível ao mesmo tempo. Distante de apoligismo, como muitos podem querer insinuar.\nObrigado

      Responder comentário | Denunciar comentário
    • adhemar | 18/05/2011 11:51

      Respeito a homosexualidade femenina mais que a masculina.Pelas características físicas.\nAs mulheres são delicadas e sensuais.Aceitaria com naturalidade se minha companheira\nquisesse repartir o momento na cama com outra mulher para aumentar seu prazer.

      Responder comentário | Denunciar comentário
    • Evandro | 18/05/2011 11:37

      O Amor é válido em qualquer direção. Pessoalmente não acho "bonito" dois homens se beijando. Mas, minha opinião pessoal não pode servir de pârametro para proibir ou ridicularizar ninguém.\nUm absurdo maior é o Estado querer legislar sobre o indíviduo. Dizer como esta pessoa vai viver. O indíviduo tem pleno poder sobre si e ninguém, ninguém tem o direito de o violentar. O Estado só poderia intervir quando o individuo faz mal à terceiros. O que, convenhamos, homossexualidade não faz mal a ninguém, nem à ele mesmo.\nAgora, no meu ponto de vista, o direito a adoção já é passível de intervenção do Estado e da sociedade, pois, neste caso agrega um terceiro, o adotado. E, como tal, desprovido de quem o ampare, no caso, os Pais biológicos. Aí o Estado tem por obrigação defende-lo. E, saliento, no meu ponto de vista, é no mínimo estranho para uma criança ter Pais do mesmo sexo.\nDe qualquer forma exercitar o AMOR incondicional é o único meio de construir um mundo melhor.

      Responder comentário | Denunciar comentário
    1. Anterior
    2. 1
    3. 2
    4. 3
    5. Próxima

    Antes de escrever seu comentário, lembre-se: o iG não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!




    *Campos obrigatórios

    "Seu comentário passará por moderação antes de ser publicado"

    Ver de novo