iG Delas

Colunistas

enhanced by Google
 

Prazer & Sexo

A sexóloga Fátima Protti responde dúvidas das leitoras

Fátima Protti é psicóloga, terapeuta sexual e de casal; pós-graduada pela USP e autora dos livros “Vaginismo, quem cala nem sempre consente" e "Sexo, Amor e Prazer"

Minha primeira vez foi ruim. Como devo orientar minhas filhas?

Um pouco de preparação, boa escolha de parceiro e esperar a hora certa ajudam as mulheres a terem uma primeira vez sem traumas

20/03/2012 10:43

  • Mudar o tamanho da letra:
  • A+
  • A-
Compartilhar:

Já faz muito tempo, mas não esqueço: a minha primeira vez na cama com um homem foi decepcionante. Não senti nada, eu queria que acabasse logo. Nem foi um cara legal, eu só queria acabar com o peso de ser virgem enquanto ninguém mais era. Sempre tenho essa dorzinha no peito, poderia ter sido melhor, com alguém melhor, eu poderia ter sentido prazer. Já sou mãe, e agora preciso orientar minhas filhas adolescentes e nem sei como começar. Me ajude!

Foto: Thinkstock/Getty Images Ampliar

Este momento deve ser bem pensado para que a culpa e o medo não apareçam

A primeira transa nem sempre é boa. A idealização do encontro, o medo da intimidade, a vergonha e a falta de experiência dão origem às frustrações. A expectativa da penetração tira a atenção das sensações corporais prejudicando o orgasmo. A tensão e a ansiedade exageradas dificultam a excitação, a lubrificação e o coito.

Muitas mulheres vão para a transa pensando na dor, no desempenho e no julgamento do parceiro, principalmente se ele for alguém experiente. Outras têm a infelicidade de ter uma relação exclusivamente voltada para a penetração em que tudo começa e termina em apenas alguns minutos.

A rapidinha, a transa no carro ou em lugares com o mínimo de privacidade pode ser excitante para algumas, mas para outras é desconfortável e frustrante.

Uma boa dica para dar para suas filhas é: começar a vida sexual só para acompanhar a galera é a pior escolha. É legal estar apaixonada, ter um parceiro carinhoso e que não tenha pressa para chegar à penetração.

Para as garotas de famílias tradicionais, para as quais a virgindade é algo a ser preservado até o casamento, este momento deve ser bem pensado para que a culpa e o medo não apareçam durante ou depois da transa. É importante também evitar gravidez, DST e Aids, escolhendo os métodos preventivos com antecedência.

Para quem está pensando em iniciar sua vida sexual, planejamento é ótimo. Procure um ginecologista e aproveite para tirar todas as dúvidas, compre uma lingerie, camisinhas, um bom perfume e enquanto toma seu banho para o encontro tão esperado aproveite para relaxar. Com planejamento, a primeira vez pode ser mais focada nas descobertas e sensações prazerosas, sem preocupações de última hora que podem atrapalhar o momento. A alegria e a descontração devem ocupar o lugar do estresse.

A primeira vez está longe de ser a melhor, mas um pouco de preparação, uma boa escolha de parceiro e esperar a hora certa são importantes para que esse dia seja legal. Se estiver com dúvidas é melhor parar os avanços do rapaz e deixar para depois. Lembre-se, a escolha é sua!

Visite o site oficial da sexóloga Fátima Protti

 

Sobre o articulista

Fátima Protti - delas_amoresexo@ig.com.br - Fátima Protti é psicóloga, terapeuta sexual e de casal; pós-graduada pela USP e autora do livro “Vaginismo, quem cala nem sempre consente" - Site: www.fatimaprotti.com.br

» Mais textos deste articulista

    Notícias Relacionadas


    Ver de novo