Tamanho do texto

Fátima Protti explica que há tipos diferentes de fetiche e que as fantasias devem agradar a ambos

"Não topo de jeito nenhum fetiche do meu namorado, mas tenho medo de perdê-lo. O que fazer?"

Cara leitora, apesar de não saber o tipo de fetiche ao qual se refere, diante de sua afirmação enfática minha resposta é: “respeite sempre seu corpo e seus sentimentos”.Se submeter, pelo receio de perder ou desagradar alguém, pode gerar conflitos internos, na relação e distanciamento dos pares.

Muitas vezes damos o nome de fetiche para certos comportamentos sexuais bastante comuns durante a transa. Todos nós temos preferências e algumas são até um pouco incomuns, como transar em lugares ou em situações jamais imaginadas pela maioria dos casais.

Salto alto, fantasias de bombeiro, colegial, peças de lingerie estão mais presentes nas transas de certos casais
Getty Images
Salto alto, fantasias de bombeiro, colegial, peças de lingerie estão mais presentes nas transas de certos casais

Salto alto, fantasias de bombeiro, colegial, peças de lingerie estão mais presentes nas transas de certos casais. É a forma que encontram para dar e sentir maior prazer; o estímulo vem de algo mais específico, sem perder a importância do todo ou acarretar prejuízo a alguém.

Diferentemente, é o fetiche como parafilia. A fonte predominante de satisfação está no objeto inanimado, em partes do corpo, certas atividades ou situações e lugares incomuns. De acordo com o DSM V (Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais), a parafilia pode ser classificada como transtorno parafílico se o comportamento sexual trouxer sofrimento, comprometimento, dano ou risco para o indivíduo e para outras pessoas.

A diferenciação é importante porque muitas vezes entendemos algo somente pelo olhar da anormalidade, o que pode impedir a vivência de um prazer maior para o casal.

Não sei onde se enquadram os fetiches e o comportamento sexual do seu namorado, mas se for no primeiro exemplo, acredito que as fantasias podem ser mexidas ou substituídas por outras que agradem a ambos .

Do contrário, se for para você inviável a vivência de qualquer fantasia ou fetiche e ele não abrir mão, porque é somente através delas que ele consegue ter seu prazer, o jeito é por um ponto final. Mais cedo ou mais tarde, alguém poderá se sentir insatisfeito ou prejudicado.

__________________________________________________________________

Fátima Protti é psicóloga, terapeuta sexual e de casal. Pós-graduada pela USP e autora do livro "Vaginismo, quem cala nem sempre consente". Escreva para a colunista : delas_amoresexo@ig.com.br.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.