Tamanho do texto

Especialista em sexualidade e colunista do Delas, Cátia Damasceno diz que a impotência sexual não é algo exclusivo dos homens, mas tem, sim, solução

Apesar de ser menos evidente e ser um assunto pouco falado, a impotência sexual feminina existe e pode afetar a qualidade de vida de muitas mulheres. É o que explica a colunista do Delas e especialista em sexualidade, Cátia Damasceno, especializada em uroginecologia e criadora do programa Mulheres Bem Resolvidas.

Leia também: 5 passos para fazer o striptease perfeito

Impotência sexual feminina existe, mas é possível tratar e solucionar esse problema
shutterstock
Impotência sexual feminina existe, mas é possível tratar e solucionar esse problema


Segundo Cátia, existem diversos tipos de impotência sexual feminina , também chamados de “disfunções sexuais”. “O resultado dessas disfunções é a falta de desejo, a redução da frequência do sexo e a incapacidade de aproveitar a relação sexual”, detalha. A especialista reforça o quanto isso pode ser ruim para a autoestima e a qualidade de vida da mulher.

Ainda de acordo com Cátia, podem ser citados, essencialmente, quatro tipos diferentes de disfunção sexual. “O transtorno do desejo sexual atinge a vontade da mulher em fazer sexo, enquanto que o transtorno da excitação resulta na frigidez e na falta de lubrificação vaginal, e o transtorno do orgasmo é também chamado de anorgasmia e atrapalha ou impede a mulher de chegar ao clímax do sexo”, ensina Cátia Damasceno. “Também existem transtornos que resultam em dor ou contração da vagina durante o ato sexual”, completa. Todos os casos de disfunção sexual podem ser tratados. “Existem várias formas de tratar, e quem deve dar a orientação de como fazer isso é o médico”, explica.

As causas da impotência sexual feminina

A especialista conta que existem inúmeras causas possíveis da impotência sexual nas mulheres. Problemas de saúde como diabetes, artrite e doenças cardíacas podem levar à disfunção. “O consumo excessivo de álcool, medicamentos para pressão, contraceptivos orais e cirurgias na região pélvica podem ser outros fatores que desencadeiam esse problema”, completa Cátia.

Ela também destaca que reduções hormonais causadas pela menopausa ou retirada de ovários também podem causar disfunções, e ainda cita causas psicológicas, como estresse, depressão, transtornos alimentares e ansiedade. “Também existem causas relacionadas a relacionamentos abusivos, abuso sexual e até mesmo repressão sexual da família ou por parte da cultura no qual a mulher cresceu”, conta.

Leia também: Como aumentar a lubrificação feminina e ter mais prazer?

Como resolver o problema

Cátia Damasceno explica que a resolução de cada transtorno vai depender muito da causa, mas existem algumas medidas que podem ser tomadas para amenizar e até mesmo combater muitos desses problemas.

A especialista, além de sugerir um acompanhamento psicológico caso seja essa origem da impotência sexual feminina, indica algumas ações importantes. “Não se desespere e nem se rotule achando que você é uma mulher broxa”, alerta, brincando com o nome dado aos homens com impotência. “Converse com o seu parceiro e conte o que te excita mais, experimente algumas posições diferentes e tente fazer mais brincadeiras nas preliminares, ou até mesmo usar algum lubrificante em caso de secura vaginal”, comenta. “Se a ideia é melhorar a qualidade de vida para que o sexo fique melhor, então você pode reduzir o consumo de bebida alcoólica, parar de fumar e tentar fazer mais exercícios físicos”, completa.

Por fim, Cátia ensina que olhar mais para o próprio corpo e descobrir o que dá mais prazer é fundamental para uma vida sexual saudável. “E ainda tem a prática do pompoarismo, que ajuda muito as mulheres a se descobrirem e conquistarem mais prazer sexual”, conclui.