Tamanho do texto

Dicas simples para fazê-la brilhar em sua casa

undefined
Divulgação
Para o cultivo das bromélias em vasos, a regra principal é não deixar as raízes encharcadas

Plantas pouco exigentes e de grande resistência, as  bromélias – também conhecidos como gravatás - são encontrados desde o deserto à floresta amazônica.

Para não errar na hora da escolha do exemplar que enfeitará seu jardim, Carlos Estevão Moreira, proprietário da Frade Bromélias e presidente da Sociedade Brasileira de Bromélias, dá a dica.

“Folhas rígidas, estreitas e com espinhos preferem maior luminosidade e até pleno sol. Já aquelas mais largas e macias, de coloração verde-escura, devem ser cultivadas em locais mais sombreados, porém, nunca sem incidência de luz”, diz.

Também é importante saber como plantá-la . As bromélias são divididas em epífitas, que se apoiam sobre outra planta (assim como as orquídeas, não são parasitas); rupícolas, aquelas que crescem em cima das pedras; e terrestres.

Caso opte por cultivar seu exemplar em um vaso, a regra principal é não deixar as raízes encharcadas. Para isso, siga alguns passos importantes. “Proporcione boa drenagem e não enterre a base das folhas. O substrato deve ser leve e composto por partes iguais de areia grossa, musgo seco e turfa”, indica Moreira.

Outra alternativa é prendê-lo à uma base, como um painel ou tronco. Seja qual for a escolha, é necessário fixar bem a planta. Se for preciso, faça o estaqueamento para que ela não balance e prejudique o desenvolvimento.

Conheça alguns tipos de bromélias

Fique de olho na rega, os gravatás possuem um reservatório de água bem ao centro. “É essencial manter esse tanque sempre cheio para garantir a hidratação do exemplar”, diz. Elas dispensam podas. Apenas as folhas secas devem ser retiradas. E a adubação pode ser feita pelo método foliar durante a primavera, o verão e o outono, quando a solução deve ser aplicada a cada 15 dias. Já no inverno, uma vez ao mês é suficiente.

Veja mais notícias sobre jardinagem no Twitter do Delas